Guia do Estudante

Aventuras na História

Cemitério dos Pretos Novos: Poltergeist nacional

No meio da reforma, família carioca descobre que mora em cima de um cemitério de escravos

Flávia Ribeiro | 01/09/2005 00h00

Quando os empresários Ana Maria de la Merced e Petrucio dos Anjos resolveram fazer uma reforma no quintal de sua casa, no número 36 da rua Pedro Ernesto, Gamboa, centro do Rio de Janeiro, não imaginavam que se veriam numa cena digna do filme de terror Poltergeist – por sorte, sem direito aos fenômenos paranormais. Ossos, fragmentos de crânios e dentes começaram a sair dos buracos cavados pelo pedreiro, assustando as três filhas do casal. Só que a família não mora em cima de um cemitério índio, como no filme, e sim sobre uma parte do Cemitério dos Pretos Novos, sem vestígios ou localização confirmada até o dia da obra.

Lá eram enterrados os africanos recém-chegados, ou “pretos novos”, que morriam ainda nos armazéns do mercado de escravos – isso depois que o comércio escravista passou para a rua do Valongo, em 1769. Antes, quando o mercado operava na atal rua 1º de Março, os enterros eram no Largo de Santa Rita.

O cemitério funcionou de 1779 a 1831. Foi desativado depois da promulgação da lei que proibia o tráfico de escravos. Na época, o Rio concentrava a maior população urbana de negros escravos do mundo. E, apesar da lei, eles continuaram chegando até 1850.

Havia outro bom motivo para a desativação do cemitério: as reclamações dos moradores locais, incomodados com o cheiro dos corpos amontoados e com medo de uma possível disseminação de doenças. Segundo relatos da época, os cadáveres eram cobertos por tão pouca terra que às vezes a chuva os descobria e eles ficavam amontoados por vários dias. E os enterros eram muitos: o livro de óbitos da Igreja de Santa Rita registra cerca de 4 mil só entre 1824 e 1830.

A descoberta transformou a região em sítio arqueológico. Afinal, este é o único cemitério exclusivo para “pretos novos” de que se tem notícia nas Américas. A reforma da casa foi cancelada e a família e seus vizinhos continuam a viver sobre os mortos. “Foi um achado importantíssimo”, afirma a arqueóloga Eliana Teixeira de Carvalho, que esteve à frente do trabalho realizado pelo Departamento Geral de Patrimônio Cultural da cidade. “Localizou-se espacialmente um marco histórico do Rio. Mas não houve escavações, já que há casas lá hoje em dia, e sim o salvamento de ossos de no mínimo 28 pessoas de origem africana”, diz.

O exame dos dentes encontrados deu indicações da procedência dos escravos ali enterrados: muitos trazem entalhes típicos de etnias da África do Sul e de Moçambique. As cerâmicas, contas e conchas enterradas com os ossos também revelaram muito sobre os negros vindos da África. “Esses elementos mostram que mesmo os escravos que não tiveram tempo de se integrar à sociedade brasileira adotavam algum ritual fúnebre”, afirma a historiadora Cláudia Rodrigues.

 

Saiba mais

Livro

Lugares dos Mortos na Cidade dos Vivos, Cláudia Rodrigues, Secretaria Municipal de Cultura, Coleção Biblioteca Carioca, 1997

Site

www.pretosnovos.com.br

 

Final diferente em Nova York

Lá, houve pesquisa e um memorial será construído

Em Nova York, em 1991, operários que construíam um edifício perto de Wall Street acharam ossadas de escravos e negros libertos, além de indígenas e brancos pobres enterrados entre 1660 e 1796, quando ali funcionou um dos maiores cemitérios de escravos dos Estados Unidos. De início, as obras não iam parar. Mas houve mobilização popular. As escavações e pesquisas, orçadas em 20 milhões de dólares e capitaneadas pela Howard University, retiraram 419 caixões com esqueletos e centenas de artefatos. Em 2003, após análises até de DNA, os corpos foram reenterrados. Em vez do edifício, o local terá um memorial da cultura africana. É claro que há outros cemitérios de escravos nas Américas. A maioria, porém, continua escondida sob ruas e casas. No Brasil, um outro, pequeno, também só de escravos, revelou seus vestígios no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, situado onde em 1596 foi fundada a Fazenda Rodrigo de Freitas. Havia apenas registros da existência do Cemitério da Senzala do Engenho de Nossa Senhora da Conceição da Fazenda Rodrigo de Freitas, não provas. Em 1979, durante obras de reforma do restaurante da Empresa Brasileira de Agropecuária (Embrapa), que fica na região, ossos humanos apareceram. Dois anos depois, novas ossadas foram descobertas numa outra obra. Em 1982, análises demonstraram que os ossos encontrados eram de homens negros, enterrados entre duzentos e trezentos anos atrás, comprovando a existência do cemitério particular do antigo engenho de cana-de-açúcar da cidade.

Compartilhe

Busque em História

Edições Anteriores

Edição 130
Edição 130

Edição 129
Edição 129

Edição 128
Edição 128

Edição 127
Edição 127

Edição 126
Edição 126

Edição do mês

edição 133

edição 133,
agosto 2014
Como uma ideologia que prega o ódio renasceu e hoje é uma ameaça à democracia

Assine Aventuras na História