Guia do Estudante

Aventuras na História

Conquista do México: depende do ponto de vista

Série Visão dos Vencidos conta a história da conquista espanhola do México com base em relatos deixados pelos nativos

Cláudia de Castro Lima | 01/08/2005 00h00

"Enquanto se aproveita a festa, o baile, [...] os espanhóis estão determinados a matar as pessoas. [...] Logo vieram as armas de guerra. Fecharam as saídas, as entradas. [...] E imediatamente entram no pátio sagrado para matar. Vão a pé, levam seus escudos de madeira, alguns de metal, e suas espadas. Imediatamente cercam os que dançam [...]. Deram um talho no que estava tocando: lhe cortaram ambos os braços. Logo o decapitaram: sua cabeça cortada caiu longe do corpo.”

O texto acima descreve como os espanhóis, liderados por Pedro de Alvarado, atacaram e mataram astecas durante as comemorações da festa sagrada de Tóxcatl, em maio de 1520. O autor é alguém a quem normalmente não se dá voz: uma testemunha do lado dos derrotados. Sim, os povos nativos da Mesoamérica deixaram documentos que relatam seu ponto de vista sobre a conquista espanhola. Baseado nos relatos, o historiador mexicano Miguel León Portilla escreveu Visão dos Vencidos: a Tragédia da Conquista Narrada pelos Astecas (L&PM). Do livro, nasceu a série Visão dos Vencidos.

Os textos e pinturas dos povos indígenas, ricos em detalhes, contam toda a história da chegada dos colonizadores ao México de uma perspectiva diferente. Cerca de um ano antes da matança descrita lá no começo, os espanhóis, sob a batuta de Hernán Cortez, haviam desembarcado no país – os indígenas, que descrevem ter recebido presságios da chegada, achavam que eles podiam ser deuses. Em novembro de 1519, os conquistadores chegaram à capital Tenochtitlan e aprisionaram o imperador Montezuma. Auxiliado por outras tribos indígenas, como os tlaxcala, promoveram uma verdadeira guerra, mataram os nativos e em menos de dois anos destruíram a cidade.

A série Visão dos Vencidos, uma crônica da batalha dos mesoamericanos para defender sua cultura e sua vida, foi produzida pela Universidade Autônoma Nacional do México – o historiador Miguel Léon é diretor do Instituto de Investigações Históricas dela. Dividida em nove episódios, ela não se limita a contar a história: também traça paralelos entre o passado e a atual situação dos índios mexicanos.

 

A conquista espanhola

Em menos de 30 anos, os europeus arrasaram a cultura asteca

1492

Cristóvão Colombo desembarca numa ilha, provavelmente na República Dominicana

1502

Montezuma é entitulado tlatoani, governante de Tenochtitlan (e seus belíssimos palácios e templos) e de um vasto império no México

1511-14

Os espanhóis conquistam Cuba e estabelecem lá sua base

1517

Primeira aventura espanhola de exploração ao México. Nativos observam o que chamam de presságios, como a queda de um raio sobre um templo

1518

Juan de Grijalva explora Yucatán

10/fevereiro/1519

Sem ouvir as ordens do governado Velásquez, Hernán Cortez deixa Cuba em direção ao México

3/junho/1519

Os conquistadores chegam à província de Cempoala

2 a 20/setembro/1519

Os conquistadores lutam com os nativos tlaxcalans, mas, mais tarde, acabam os tendo como aliados

Outubro/1519

Os espanhóis matam pelo menos 10% da população que mora no centro religioso de Cholula

8/novembro/1519

A expedição de Hernán Cortez entra em Tenochtitlan sem encontrar resistência

14/novembro/1519

Cortez faz de Montezuma seu prisioneiro

Maio/1520

O líder da expedição espanhola deixa Tenochtitlan para lutar contra Panfilo de Narváez, enviado pelo governador de Cuba. Pedro de Alvarado comanda um massacre durante a festa sagrada de Tóxcatl, na capital

24/junho/1520

Cortez volta a Tenochtitlan

Junho/1520

Cuitlahuac é escolhido o sucessor de Montezuma. O antigo governante é morto

30/junho/1520

Revoltados, os indígenas contra-atacam e matam dois terços dos espanhóis, no episódio conhecido como noche triste (noite triste)

Outubro/1520

Uma praga de varíola, levada pelos europeus, assola Tenochtitlan

Dezembro/1520

Cuitlahuac morre de varíola

Fevereiro/1521

Cuahtémoc vira o novo governante da capital asteca

Maio/1521

Os espanhóis cercam Tenochtitlan e cortam a água da cidade

7/agosto/1521

Contra-ataque: Pedro de Alvarado sofre baixas tentando tomar o mercado de Tlatelolco

13/agosto/1521

Cuahtémoc é preso e a guerra por Tenochtitlan termina

 

Compartilhe

Busque em História

Edições Anteriores

Edição 130
Edição 130

Edição 129
Edição 129

Edição 128
Edição 128

Edição 127
Edição 127

Edição 126
Edição 126

Edição do mês

edição 133

edição 133,
agosto 2014
Como uma ideologia que prega o ódio renasceu e hoje é uma ameaça à democracia

Assine Aventuras na História