Guia do Estudante

Aventuras na História

Francisco Ferdinando: a gota d´água

Com um tiro à queima-roupa, Gavrilo Princip mata o príncipe austro-húngaro, Francisco Ferdinando. É o pretexto para a guerra

Andressa Rovani | 05/08/2013 12h43

Por pouco, o plano não foi por água abaixo. Inexperientes, os três jovens sérvios, Gavrilo Princip, Nedjelko Cabrinovic e Trifko Grabez, estiveram a um passo do fracasso de sua missão: matar o herdeiro do trono austro-húngaro, Francisco Ferdinando. Mas uma trapalhada da segurança do arquiduque colocou Princip de cara com o seu alvo. O tiro atingiu Ferdinando no pescoço. O crime foi a gota d’água para o início do conflito que deixou um saldo de 10 milhões de mortos.

Por trás do atentado estava a sociedade secreta Mão Negra. A organização nacionalista não havia engolido a anexação da Bósnia ao Império Austro-Húngaro, em 1908. E, em 1914, contratou o trio de sérvios para matar o arquiduque, em Sarajevo. Em seguida, os assassinos deveriam cometer suicídio com cianureto. Eles foram escolhidos justamente porque já estavam condenados à morte pela tuberculose. Não tinham o que perder.

Com um arsenal de quatro pistolas e seis bombas, a idéia era que os rapazes, com a ajuda de agentes da organização, se distribuíssem no caminho que seria feito pela comitiva de Ferdinando com destino à prefeitura. O plano, no entanto, não saiu como eles imaginavam. Mas a sorte - ou azar - estava com Princip, que deu fim à vida do herdeiro do trono austro-húngaro em 28 de junho de 1914.

No total, oito homens foram presos. Princip foi condenado à pena máxima: 20 anos de prisão. O que ele desejava, no entanto, era morrer. "Minha vida já está arruinada. Eu sugiro que me preguem em uma cruz e me queimem vivo. Meu corpo em chamas será uma tocha para iluminar meu povo no caminho para a liberdade", declarou. Mas o jovem ainda viveria para ver, um mês mais tarde, a eclosão de um conflito que mobilizou todas as grandes potências mundiais.

Apesar da ameaça de guerra já estar sendo gestada há anos pelos dois lados, o ataque à família real austro-húngara mere-cia uma resposta imediata - e à altura. Um ultimato, preparado pelo conselho ministerial austríaco, tornou inevitável o confronto. Foi a última tentativa diplomática de paz. Princip morreria antes do final da refrega, em 28 de abril de 1918.

 

Saiba mais

Sites

http://www.firstworldwar.com/source/harrachmemoir.htm (em inglês)

http://www.lib.byu.edu/~rdh/wwi/1914/ferddead.html (em inglês)

http://www.lib.byu.edu/~rdh/wwi/comment/blk-hand.html (em inglês)

http://www.spartacus.schoolnet.co.uk/FWWprincip.htm (em inglês)

 

Obra do acaso

O passo-a-passo doatrapalhado assassinato deFrancisco Ferdinando

1. A chegada

O relógio marca pouco mais de 10h, quando Francisco Ferdinando e sua esposa chegam à estação de trem de Sarajevo, capital da Bósnia. O casal segue em comitiva oficial até a prefeitura. Mesmo alertado dos rumores de atentado, o arquiduque percorre a cidade em carro aberto. O primeiro homem na rota traçada pela Mão Negra é Muhamed Mehmedbasic. Com um policial bem nas suas costas, Mehmedbasic vacila e não atira a bomba.

2. A primeira tentativa

Às 10h10, quando a comitiva passa em frente à estação policial, Nedjelko Cabrinovic joga uma granada na direção do carro do arquiduque. Só que a bomba atinge o automóvel que vem atrás, ferindo dois passageiros e 12 pedestres. Confiante do sucesso, Cabrinovic engole cianureto e se atira no rio. Mas não morre, e é preso. A velocidade dos carros no restante do trajeto impede os outros três terroristas de agirem. A comitiva se dirige para a prefeitura e cumpre agenda oficial.

3. Palavras finais

"O que há de novo no seu discurso? Eu venho a Sarajevo para uma visita e sou recebido com bombas. É um absurdo!", esbraveja Ferdinando, interrompendo a recepção de boas-vindas do prefeito. Ao saber da situação dos feridos pelo ataque, o arquiduque insiste em visitá-los no hospital. O general Oskar Potiorek, responsável pela segurança dos visitantes, garante que o trajeto é seguro dizendo: "Você acha que Sarajevo está cheia de assassinos?".

4. O erro fatal

Para evitar o centro da cidade, Potiorek traça uma rota alternativa. Só que ele se esquece de avisar justamente o motorista de Ferdinando, que segue o caminho original. O erro foi fatal. Sem aparelhos de comunicação, os terroristas não sabiam do desenvolvimento do plano e, por isso, continuavam atentos. Gravilo Princip - que tomava um café na rua Franz Joseph - dá de cara com o carro oficial e dispara dois tiros, a cerca de 1,5 metro de distância do veículo oficial. Às 11h30, o primeiro disparo fatal acertou Sofia, supostamente grávida, no estômago. O segundo atingiu o pescoço de Francisco Ferdinando.

 

Arma do crime

Depois de décadas desaparecida, a pistola Browning, modelo 1910, usada para matar Ferdinando e sua mulher, Sofia, foi reencontrada em junho deste ano. Logo após o assassinato, a arma ficou sob a guarda do padre jesuíta Anton Puntigam, que deu a extrema-unção ao arquiduque. A guerra impediu Puntigam de realizar seu desejo: abrir um museu dedicado a Ferdinando. Sua idéia era reunir, além da pistola de Princip, outros objetos ligados ao crime, como o uniforme usado por Ferdinando no momento do atentado, e também o carro imperial. Com a morte do sacerdote, em 1926, a família do arqui-duque solicitou os materiais, mas dei-xou a arma para trás. O convento vienen-se Ignaz Seipal Platz encontrou a pistola em seus arquivos e a entregou ao Mu-seu de História Militar, na capital aus-tríaca, onde agora está exposta.

Compartilhe

Busque em História

Edições Anteriores

Edição 130
Edição 130

Edição 129
Edição 129

Edição 128
Edição 128

Edição 127
Edição 127

Edição 126
Edição 126

Edição do mês

edição 132

edição 132,
julho 2014
Como o Brasil se tornou o país com o maior número de seguidores da doutrina em todo o planeta

Assine Aventuras na História