Guia do Estudante

Aventuras na História

Maurício de Nassau, o brasileiro

Mariana Lacerda | 01/06/2004 00h00

Ele passou apenas sete anos no Brasil, mas hoje, 400 anos depois de seu nascimento, seu nome está associado à época de ouro da presença holandesa no Recife. Ao voltar para Europa, fracassado econômica e militarmente, e até a morte, Maurício de Nassau seria chamado de "o brasileiro"

No amanhecer de 9 de maio de 1624, moradores de São Salvador da Bahia viram entrar no porto uma frota de 25 velas que exibiam reluzentes canhões pintados de vermelho. Eram os holandeses, ou flamengos, que em menos de um dia tomaram a cidade, num ataque à sede do governo-geral do Brasil. Ali, do outro lado do Oceano Atlântico, no novo mundo, iniciara-se mais um episódio da guerra de independência dos Países Baixos (atual Holanda) contra a Espanha – a quem América portuguesa foi anexada em 1580. No ano seguinte, os 1,9 mil soldados holandeses foram dominados e entregaram suas armas ao exército do rei da Espanha. A cidade foi reconquistada. Em 14 de fevereiro de 1630, os flamengos reapareceram, dessa vez com uma armada de 67 velas. Desembarcaram em Pau Amarelo, litoral norte de Pernambuco, e tomaram a direção de Olinda. Tentaram apoderar-se da vila e, no fim, estabeleceram-se no povoado do Recife. Onde ficariam por 24 anos. Nesse período, Recife se tornaria a Nova Holanda. E, para governá-la, a Companhia das Índias Ocidentais enviou para o Brasil o conde Maurício de Nassau. Ao desembarcar em 1637, ele daria início à chamada “idade de ouro” do Brasil holandês.

O contexto histórico em que se deu a vinda dos holandeses para o Brasil é o dos conflitos europeus em torno da questão colonial. “Os Países Baixos rivalizavam com a Espanha pelo controle do rentável comércio marinho de especiarias asiáticas, escravos africanos e, como não poderia deixar de ser, pelo açúcar brasileiro”, afirma a historiadora Adriana Lopez, autora do livro Guerra, Açúcar e Religião no Brasil dos Holandeses. Assim, a capitania de Pernambuco tornou-se um inevitável campo dessa briga. Para a Companhia, a sede do governo-geral interessava politicamente e a capitania de Pernambuco economicamente. Pois no início do século 17, a região abrigava mais de 120 engenhos e, com as capitanias vizinhas, tornou-se “a área de produção açucareira mais importante do mundo”, segundo o historiador Evaldo Cabral de Mello, em O Brasil e os Holandeses.

À Companhia das Índias Ocidentais, criada em 1621 pelos holandeses, cabia o monopólio sobre a conquista, o comércio e a navegação na América e na África. Assim como à Companhia das Índias Orientais estava reservada a parte oriental do mapa-múndi. “As duas dividiram entre si o mundo, tal qual os reis de Portugal e da Espanha pactuaram Tordesilhas”, diz Adriana.

Expulsos da Bahia, os soldados da Companhia tomaram Recife e Olinda. A região transformou-se num só fogo: os engenhos foram abandonados, os canaviais incendiados. Moradores recrutados formaram patrulhas organizadas por Matias de Albuquerque, governador da capitania, que conseguiu manter, por cinco anos, os inimigos restritos ao povoado do Recife.

Com a ajuda de Domingos Fernandes Calabar, luso-brasileiro conhecedor dos labirínticos rios pernambucanos, os holandeses dominaram parte do nordeste do Brasil, da foz do Rio São Francisco até o Rio Grande. De lá, partiram para a conquista do Maranhão (que só foi conquistado em 1641). A queda do Forte dos Afogados, no Recife, em março de 1633, abriu aos invasores o caminho para os engenhos da Várzea (onde hoje está um dos mais aprazíveis bairros do Recife). Também foram pilhados os engenhos em Goiana e Igarassu, com a conquista da vizinha Itamaracá. Os holandeses atacaram o Forte do Cabedelo, na Paraíba, ao norte, e Porto Calvo, em Alagoas, ao sul. Estavam assim tomado o Nordeste açucareiro e seus pontos de comunicação com a Europa, por onde chegavam mantimentos e escoava-se a produção.

Conquistado o território, chegou a hora de a Companhia organizar sua nova colônia e colocá-la para funcionar – e lucrar. Para a tarefa, chamou um certo Johan Maurits von Nassau-Siegen. Nascido há exatos 400 anos, ele era filho de uma importante família da Europa e, aos 32 anos, tinha uma vitoriosa carreira militar. Parecia ser o homem certo para a função.

Como governador da Nova Holanda, -receberia 1,5 mil florins mensais (o melhor terreno no centro do Recife custaria cerca de 2,5 mil florins) além de seu salário como coronel do Exército, mais uma ajuda de 6 mil florins para despesas pessoais. E ainda o direito a 2% sobre tudo o que fosse apreendido no litoral do Brasil. Era uma proposta irrecusável, principalmente para quem, na época, construía um palácio, em Haia, na Holanda, e estava cheio de dívidas.

Mas o novo governador não veio só. Ao todo, uma comitiva com 46 artistas, cronistas, naturalistas e arquitetos, o acompanhou em sua viagem ao Brasil. Eles seriam responsáveis pela documentação não só das obras do governo, mas da sociedade recifense da época. “Projetaram uma nova cidade, reproduziram as paisagens, fizeram mapas, catalogaram animais e plantas, e retrataram o homem indígena e africano. A fidelidade e a precisão de todo esse trabalho faz com que até hoje seja considerado um importante acervo da história das ciências”, diz o historiador Leonardo Dantas Silva. Até então, o Novo Mundo jamais fora alvo de observações tão precisas. “É essa produção que faz, hoje, o período holandês ser tão lembrado por meio da figura de Nassau – que permaneceu no Brasil apenas sete dos 24 anos de ocupação”, afirma Adriana.

Recife, que relatos da época chamam simplesmente de “povo”, era, no começo do século 17, um burgo “que os nobres de Olinda deviam atravessar pisando em ponta de pé, receando os alagados e os mangues”, escreveu José Antônio Gonsalves de Mello Neto, no clássico Tempo dos Flamengos. A situação agravou-se em novembro de 1631, quando os holandeses incendiaram Olinda. A cidade e “seus inacessíveis oito morros e casas distantes entre si” era difícil de defender das investidas dos portugueses e, por isso, acabou condenada à destruição pelos invasores.

Quando chegou no Recife, em 1637, Nassau encontrou uma população de cerca de 7 mil pessoas obrigada a conviver nas piores condições de higiene e conforto. Para enfrentar a falta de habitações, iniciou a construção, na Ilha de Antônio Vaz (hoje, o bairro de Santo Antônio, no centro do Recife), do que veio a ser a Mauritsstaden ou, para nós, em bom português, a Cidade Maurícia. Ali, ele erigiu para si dois palácios, o de Friburgo e a casa da Boa Vista. E iniciou a urbanização do povoado, seguindo um projeto que contemplava ruas, praças, pontes, mercados, canais, jardins e saneamento, enfim uma cidade de verdade. Afinal, “os holandeses que aqui estiveram eram todos originários de aglomerados urbanos e, por isso mesmo, não poderiam pensar numa cidade que não fosse voltada para o urbano”, diz Leonardo.

Nassau determinou que os moradores varressem a rua defronte suas casas e os orientou “a não despejar mais as imundices senão nas praias”, escreveu Mello Neto. O Recife (atualmente o Bairro do Recife) foi, enfim, em 28 de fevereiro de 1644, ligado à Cidade Maurícia com a construção da primeira ponte da América Latina (onde atualmente fica a ponte Maurício de Nassau). Para a inauguração, Nassau anunciou à população que um boi iria voar sobre suas cabeças. Para surpresa geral, na hora da festa, um boi, ou melhor, o couro de um boi enchido com palha, preso a uma corda, desceu por uma corda do alto do Palácio Friburgo.

Recife tornou-se a cidade mais cosmopolita do continente. Holandeses, franceses, alemães, poloneses que integravam os quadros da Companhia das Índias acorriam para lá. Mulheres chegaram da Holanda e fizeram que o Recife, segundo um relato da época, tivesse os “bordéis mais vis do mundo”. A cidade passou por um terrível surto de sífilis. Doença de cidade grande.

Apesar da relativa paz entre os invasores holandeses e os locais portugueses e brasileiros, durante as obras da Cidade Maurícia, a Companhia passou a questionar a administração de Nassau, que não obtinha os lucros que esperava. “Os novos dominadores eram formados em sua maioria por comerciantes e gente da navegação, acostumados a viver em áreas urbanas e, como tal, não se adaptaram à vida rural, onde se encontravam os principais núcleos da produção do açúcar”, diz Leonardo Dantas, em seu novo livro, João Maurício Brasileiro (ainda inédito). “Eis a primeira falha da tentativa de colonização holandesa no nordeste do Brasil: os invasores podiam ter conseguido apoderar-se dos engenhos, mas não das técnicas de produção de açúcar.”

Ao conquistar Pernambuco, os holandeses confiscaram parte dos engenhos. Os senhores, então, tiveram de pagar caro ao novo governo por suas terras. Quem não teve como pagar ficou devendo. Nassau fazia vista grossa, mas, por pressão da Companhia, passou a cobrar os empréstimos. Assim, atraiu a revolta daqueles que sabiam transformar cana em açúcar. “Ao fazer isso, cultivou entre os donos de engenhos o sentimento de que era melhor – e mais barato – se livrar dos holandeses”, diz Pedro Puntoni, pesquisador da Universidade de São Paulo.

A empresa exigiu o aumento da arrecadação e a cobrança imediata das dívidas e, como não foi atendida, em maio de 1643, o governo holandês mandou que Nassau retornasse. Porém, ele demorou quase um ano para obedecer. Num documento, o seu Testamento Político, Nassau recomendou que, na sua ausência, o governo fosse tolerante com práticas religiosas e exercesse sem rigor a cobrança dos créditos dos engenhos. Que conservasse as fortificações, não abusasse das torturas e fizesse o que fosse possível para atrair a simpatia dos comerciantes portugueses.

Do outro lado do oceano, a Companhia das Índias empobrecia. Por isso, enviava menos recursos para a colônia que, aos poucos, entrou em colapso. “Do início da guerra de restauração, em 1645, até a expulsão total dos holandeses, em 1654, foram anos de muita penúria no Brasil holandês”, diz Adriana Lopez. Cercada no Recife, a população foi obrigada a incluir gatos, cachorros, cavalos e até ratos no cardápio.

O conde Nassau voltou à Europa no mesmo barco que o trouxera ao Brasil, o Zuphen. Ao seu redor, navegava uma frota de 13 navios, e um carregamento avaliado em 2,6 milhões de florins, composto principalmente de açúcar, fumo, pau-brasil e madeiras de lei. Para se ter uma idéia, a ponte construída por Nassau anos antes custou 140 mil florins. Com ele, estavam, além de amostras de plantas, animais e artefatos indígenas, toda a produção de seus cronistas, pintores e naturalistas. Material que, desde aquele momento, iria dar à Europa um valioso testemunho das riquezas naturais e culturais no Novo Mundo. Esse acervo também fez com que Johan Maurits von Nassau-Siegen passasse a ser lembrado, até hoje, em terras do além-mar, como Maurício Brasileiro.

 

Arte e ciência

A produção dos holandeses no Brasil preservou para sempre um período de apenas 24 anos

Desde o momento em que o europeu chegou ao novo continente, passou a relatar o que via nessa terra, repleta de gente e de vegetação generosa. Mas mesmo após mais de 100 anos da chegada dos portugueses, nunca a Europa vira descrições e desenhos tão minuciosos de paisagens, da fauna, flora, dos índios e negros que habitavam nossas terras, até que Nassau desembarcou no Recife acompanhado por uma comitiva de 46 estudiosos, entre os quais o médico particular de Nassau, Willem Piso, o astrônomo Georg Marcgrave, os pintores Frans Post e Albert Eckhout – autores dos mapas, herbários e obras de artes tão apaixonantes quanto importantes para a compreensão da história da ciência no Brasil e no mundo. “O período de Nassau não foi, necessariamente, melhor para a colonização. Ele não mexeu na estrutura do colonialismo, que é o escravismo e as grandes propriedades. Mas deixou uma herança histórica e científica sem precedentes para a época”, diz a historiadora Adriana Lopez. A Historia Naturalis Brasilie, publicada em Amsterdã em 1648, divide-se em De Medicina Brasiliensi, escrita por Piso, e no Herbarium Vivum Brasiliens, um compêndio das espécies de plantas brasileiras, assinado por Marcgrave. Era o mais completo sobre a flora do Novo Mundo que se tinha notícia e que seria, mais tarde, citado em trabalhos de Lineu e Darwin. Piso e Marcgrave trabalhavam, na maior parte do tempo, no Palácio de Vrijburg (Cidadela da Liberdade), onde Nassau guardava sua coleção de bichos e plantas. O legado do pintor Albert Eckhout inclui um conjunto de oito pinturas, em tamanho natural, com tipos étnicos brasileiros. E mais uma coleção com quadros menores (óleo sobre madeira), além de aquarelas e desenhos de plantas conhecidos como Theatrum Rerum Naturalium Brasiliae, com retratos da fauna e da flora contida no zoobotânico de Nassau. Em sua comitiva, estava o jovem artista de 24 anos que se tornou o primeiro autor de paisagens em território americano: Frans Post. Ele teria pintado em Pernambuco, segundo o historiador Leonardo Dantas, pelo menos 18 quadros a óleo. Ao retornar a Holanda, Maurício de Nassau levou consigo a mais importante coleção de manuscritos, preciosos mapas e toda obra de Eckhout e Frans Post. Parte desse acervo foi vendido, em 1652, a Frederico Guilherme (1620-1688), príncipe-eleitor de Brademburgo, na Prússia. Uma segunda parte da coleção veio a ser depois negociada pelo conde de Nassau com Frederico III, rei da Dinamarca, ficando o restante para ser adquirido por Luís XIV em 1679. Hoje, um conjunto de 27 painéis, pintado no Brasil por Albert Eckhout, integra o acervo do Museu Nacional de Copenhague. Suas aquarelas e crayons, com pinturas de animais e plantas, foram redescobertos, na Polônia, onde estão disponibilizados à pesquisa. Dos quadros de Post, restaram sete: quatro estão no Museu do Louvre, em Paris, um na Holanda, outro nos Estados Unidos e o sétimo, uma paisagem da Ilha Antônio Vaz, pertence à coleção da Fundação Ricardo Brennand, no Recife.

Presença marcante

Foram apenas 24 anos, mas a invasão dos holandeses deixou marcas indeléveis no Recife

1598

Os holandeses atacam as ilhas de São Tomé e Príncipe, na África, dando início à guerra contra o império ultramarino português.

1602

Fundada a Companhia das Índias Ocidentais.

1604

Nascimento de Nassau.

1624

Soldados da Companhia atacam a cidade de Salvador, na Bahia. São expulsos no ano seguinte.

1630

Olinda e logo em seguida o “povo” do Recife são tomados.

1631

Em 24 de novembro, a cidade de Olinda é incendiada.

1632

Temendo ser punido por furto, Calabar muda o rumo da expansão holandesa ao passar para o lado dos “hereges”.

1636

Os holandeses dominam o Nordeste da foz do Rio São Francisco até o Rio Grande do Norte.

1637

Empossado o governador da Nova Holanda, o conde Maurício de Nassau-Siegen.

1637

Nassau ataca São Jorge de Mina, na África. Pernambuco recebe 1580 escravos.

1638

Nassau tenta, em vão, a reconquista de Salvador.

1639

Iniciada a construção do Palácio de Friburgo, casa e jardim zoobotâncio de Nassau.

1641

A Companhia já dominava sete das 14 capitais do Brasil, as regiões da Guiana, e as ilhas de Curaçao e Aruba, além do comércio de peles feito pelo Rio Hudson, na América do Norte.

1644

Nassau inaugura a primeira ponte da América Latina.

1644

Nassau deixa o Recife, levando sua coleção de pinturas, vendidas, posteriormente, talvez para pagar as contas da construção de seu palácio, em Haia.

1645

Os luso-brasileiros têm o Recife isolado, sem acesso aos alimentos produzidos na zona rural.

1646

Holanda manda reforços para Pernambuco.

1647

Rebeldes luso-brasileiros controlam o interior do Nordeste. Os holandeses dominam as entradas por mar. Do Forte do Bom Jesus (hoje bairro de Casa Forte), o burgo do Recife é bombardeado sem cessar.

 

1649

Em 19 de fevereiro, começa a Batalha dos Guararapes. Mais de mil soldados morrem no confronto com rebeldes luso-brasileiros. A data é considerada o marco do início da existência do Exército brasileiro.

1653

Portugal bloqueia o Porto do Recife. Em 27 de janeiro do ano seguinte, a tropa da Companhia das Índias Ocidentais rende-se.

1654

Saídos do Recife, 23 judeus chegam à baía de Hudson e se estabelecem na futura Nova York.

 

Nova York é aqui

Durante a ocupação, os holandeses garantiam tolerância religiosa para espanhóis, portugueses e nativos, católicos ou judeus. Por isso, judeus portugueses e alguns migrados da Polônia e da Alemanha, mudaram-se para o Brasil a fim de fugir da Inquisição. Eles se estabeleceram no comércio, cobranças de impostos e venda de tabaco e escravos – que ocorria na rua dos Judeus, hoje chamada rua do Bom Jesus, no Recife. Ali surgiu, por volta de 1636, a primeira sinagoga na América, a Zur Israel (rocha de Israel).

Durante a Inssurreição Pernambucana, o movimento de reconquista português, a cidade foi cercada e o rabino Isaac Aboab da Fonseca, um português, compôs o poema Mi Kamókha (Quem Como Tu?), em que descreveu a ação de João Fernandes Vieira, líder do movimento, e o estado de penúria pelo qual passava a comunidade judaica.

“Trata-se da primeira literatura escrita em hebraico na América”, diz Leonardo Dantas Silva, historiador recifense. Em 22 de junho de 1646, os esfomeados do Recife vêem surgir os barcos holandeses Falcão e Elizabeth, que vinham carregados de soldados e alimentos.

A população agradecida mandou cunhar duas medalhas comemorativas, as primeiras que se têm notícia no Brasil, para serem entregues aos comandantes dos navios, com os dizeres “O Falcão e o Elizabeth salvaram o Recife”. Após a rendição das tropas holandesas, cerca de 400 judeus retornam à Europa. Um grupo de 23 deles seguiu para a Nova Amsterdã e, lá, fundaram a primeira comunidade judaica do que, no futuro, tornou-se a cidade de Nova York.

 

Saiba mais

Livros

Guerra, Açúcar e Religião no Brasil dos Holandeses, Adriana Lopez, Senac, 2002 - Relatos pouco conhecidos em objetiva e deliciosa narrativa

Tempo dos Flamengos, José Antônio Gonsalves de Mello Neto, José Olympio, 1947 - Clássico sobre a influência holandesa no Brasil, reeditado em 1987

O Brasil e os Holandeses, 1630-1654, org. Paulo Herkenhoff, Sextante Artes, 1999 - Traz artigos de alguns dos maiores especialistas no assunto, como Evaldo Cabral de Mello, José Luís Mota Menezes e Leonardo Dantas Silva

João Maurício, o Brasileiro, Leonardo Dantas Silva (inédito) - Entre os documentos históricos citados pelo autor, está o Testamento Político de Nassau

 

Compartilhe

Busque em História

Edições Anteriores

Edição 130
Edição 130

Edição 129
Edição 129

Edição 128
Edição 128

Edição 127
Edição 127

Edição 126
Edição 126

Edição do mês

edição 135

edição 135,
outubro 2014
Especialistas elegem os homens que mudaram os rumos da humanidade

Assine Aventuras na História