Guia do Estudante

Aventuras na História

A morte do presidente Lincoln

Lincoln foi assassinado por ator durante comédia

Beto Gomes | 23/06/2009 07h49

O ator John Wilkes Booth (1838-1865) era uma espécie de Brad Pitt de sua época: jovem, bonito, talentoso e famoso. Na noite da Sexta-Feira Santa de 14 de abril de 1865, ele protagonizou a cena que o eternizou na História americana. Sulista inconformado com a derrota na Guerra Civil, Booth  assassinou o presidente Abraham Lincoln (1809-1865) durante uma apresentação da comédia Nosso Primo Americano, no Teatro Ford, em Washington. O crime fazia parte de uma conspiração que envolvia dez pessoas e tinha também outros alvos. O criminoso fugiu durante 12 dias, até ser morto na Virgínia. E Lincoln, que nasceu há 200 anos, tornou-se o primeiro chefe de estado americano assassinado.

CHEGADA
O presidente sobe ao camarote do Teatro Ford, meia hora após o começo da apresentação, com a esposa Mary (1818-1888), o major Henry Rathbone (1837-1911) e a noiva dele, Clara Harris (1845-1883)

PELA PORTA DA FRENTE
Booth chega ao teatro, a que já tinha ido cinco vezes no dia a fim de sondar o local. Entra pela mesma porta usada pelo presidente. Sobe ao piso de cima, onde está Lincoln

PASSE LIVRE
Diante do camarote, o ator tira um cartão pessoal e se identifica para um homem que ficava de guarda na porta. Após ser consultado, o presidente permite que ele entre no recinto.

TIRO NA NUCA
Booth atravessa a ante-sala escura do camarote e encontra Lincoln e seus convidados concentrados na peça. Saca uma pistola Derringer calibre .44 e dispara um único tiro contra a nuca do presidente.

FACADA NO BRAÇO
O major Rathbone tenta prender o intruso. Os dois começam uma briga violenta e o ator esfaqueia o militar, que fica ferido com um corte do ombro ao cotovelo.

FUGA CINEMATOGRÁFICA
O assassino escapa de forma impressionante: pula para o palco de uma altura de 4 metros, grita "Sic semper tyrannis" ("assim sempre com os tiranos", em latim) e sai pelos fundos, onde um cavalo o aguarda.

CONSPIRADORES
Parceiros do assassino foram presos ou mortos

John Booth planejou uma ação simultânea contra várias autoridades. Mas seus colaboradores falharam. Conheça os mais importantes fundos, onde um cavalo o aguarda.

LEWIS POWELL
Tinha a missão de matar o secretário de Estado William Seward (1801-1872). Na luta entre os dois,  Powell foi dominado. Morreu na forca em 7 de julho, aos 21 anos.

GEORGE ATZERODT
Aos 30 anos, deveria matar o vicepresidente Andrew Johnson (1808-1875), mas ficou nervoso e nem tentou. Acabou enforcado com os comparsas. 

DAVID HEROLD
Tinha 23 anos e estava com Lewis Powell durante a  tentativa frustrada de matar o secretário Seward. Foi levado à forca no mesmo dia que o parceiro. 

MARY SURRAT
Proprietária de uma pensão em Washington, guardou as armas dos conspiradores. Quando foi enforcada, também no dia 7 de julho, tinha 42 anos.

SAMUEL ARNOLD
Participou dos planos iniciais, que previam apenas o sequestro de Lincoln, e por isso pegou prisão perpétua. Morreu na cadeia em 1906, com 68 anos.

MICHAEL O’LAUGHLEN
Acredita-se que pretendia matar o secretário de Guerra Edwin Stanton (1814-1869). Entregou-se três dias após a morte de Lincoln e morreu com 27 anos, na cadeia, em 1867

Compartilhe

Busque em História

Edições Anteriores

Edição 130
Edição 130

Edição 129
Edição 129

Edição 128
Edição 128

Edição 127
Edição 127

Edição 126
Edição 126

Edição do mês

edição 134

edição 134,
setembro 2014
Como a Maçonaria, a Bucha e grupos mais obscuros determinaram a trajetória do país

Assine Aventuras na História