Guia do Estudante

Aventuras na História

Nação cidadã: O processo de consolidação da democracia no Brasil

Do Império às eleições deste ano, a trajetória da democracia alcançou agora o auge na história do Brasil. Mas quais as chances reais de que essa fase não seja um mais um breve intervalo entre longos períodos de ditadura?

Rodrigo Cavalcante | 04/04/2012 17h38

Da última vez que o Brasil perdeu para a Holanda em uma Copa do Mundo, em 1974 (antes do fracasso na África do Sul), apenas 476 brasileiros (dos mais de 100 milhões então) votaram para presidente da República. Os privilegiados faziam parte de um colégio eleitoral montado pelo governo militar para garantir a posse de mais um general no poder, Ernesto Geisel, eleito com 400 votos, contra 76 dados a Ulisses Guimarães, do MDB, que se lançou como "anticandidato" para marcar (o)posição. Hoje, mais de 135 milhões de brasileiros podem votar para presidente, o que faz do país a terceira maior democracia do planeta. E não é apenas a multiplicação do eleitorado em 284 mil vezes que impressiona. "Outros pontos básicos, como as liberdades de expressão e de organização e a capacidade de resolver conflitos por meio das instituições, parecem consolidados", diz o filósofo Renato Janine Ribeiro, da USP. "No período democrático anterior, entre 1946 e 1964, havia a constante ameaça de golpe militar."

O Brasil completa seu primeiro quarto de século ininterrupto como uma democracia de massas. Será que, agora, ela é um caminho sem volta? Para o historiador José Murilo de Carvalho, autor de Cidadania no Brasil, trata-se de um longo (e ainda incompleto) caminho, cheio de desvios, retornos e surpresas. Caminho que, curiosamente, começa após a Independência, com uma Constituição imposta pelo primeiro imperador nacional.



O Brasil independente e o voto

Não se fala propriamente em democracia na Colônia nem no Brasil Imperial, claro, uma vez que reis e imperadores não são eleitos. Eleições para certos cargos, como o equivalente ao de vereador, até ocorriam no período colonial, mas a autoridade máxima era a Metrópole portuguesa (embora, na prática houvesse certa autonomia, especialmente nas áreas menos povoadas). Mesmo após a Independência, dom Pedro I criou o chamado Poder Moderador para que não corresse o risco de ser uma figura decorativa. Enquanto na maioria das monarquias constitucionais prevalece a máxima de que o monarca reina, mas não governa, no Brasil o imperador escolhia os ministros, o primeiro-ministro e os presidentes provinciais (posto equivalente ao de governador de estado). Falar em cidadania antes do fim da escravidão é um contrasenso. Ainda assim, historiadores admitem que, na observação dos direitos políticos, a Constituição imposta em 1824 foi, em muitos aspectos, mais inclusiva no acesso ao voto do que viria a ser, por exemplo, a de 1891, a primeira republicana.

Podiam votar todos os homens de 25 anos ou mais que tivessem a renda mínima de 100 mil réis. A eleição era indireta: um grupo de votantes escolhia os eleitores que elegiam os representantes. Apesar, ainda, da exclusão de mulheres e escravos (milhões de pessoas), a situação no Brasil era melhor do que a de muitos países considerados avançados: 13% da população (descontados os escravos), em 1872, votaram. Na mesma época, eram 7% na Inglaterra, 2% na Itália e 9% em Portugal. No quesito "qualidade" do voto, porém, a coisa mudava de figura. Somente 15 em cada 100 eleitores sabiam ler e escrever e 90% viviam em áreas rurais, onde seus votos eram controlados por grandes latifundiários. Estes eram quase sempre comandantes da Guarda Nacional, o que soava ainda mais ameaçador para quem quisesse pensar diferente do mandachuva local. Nessas condições, não é de estranhar que as eleições fossem tumultuadas e violentas, lideradas frequentemente por três personagens: o capanga, o cabalista e o fósforo. A função do capanga, que sobrevive até hoje em alguns rincões do país, era proteger seu candidato e ameaçar os adversários. Os mais eficientes conseguiam fazer com que os eleitores dos concorrentes não saíssem de casa para votar. Ao cabalista cabia manter os eleitores reunidos, em geral com a oferta de comes e bebes, em um único local até a hora do voto - para garantir que eles não "mudassem de lado". Como muitas dessas reuniões festivas ocorriam em currais nas fazendas, vem daí a expressão "curral eleitoral". E, finalmente, havia a figura do fósforo, o sujeito que fraudava as eleições se apresentando falsamente em nome do maior número possível de eleitores, aproveitando-se dos sistemas precários de identificação. E, mesmo quando nenhuma dessas três figuras atrapalhava o pleito, isso não garantia que ele fosse limpo, já que eram frequentes atas redigidas como se tudo tivesse ocorrido normalmente nas fraudulentas votações "a bico de pena". Era possível, então, eleger vereador, juiz de paz, deputado e senador.

Em 1881, porém, uma nova lei restringiu ainda mais o número de eleitores. Apesar de ter eliminado anacronismos como a eleição indireta, novas exigências quanto à comprovação de renda e a exclusão dos analfabetos colocaram de fora, de uma só vez, 90% do eleitorado. A participação da população masculina que votava caiu para 0,8% nas eleições de 1886. Restava esperar que a República, proclamada três anos depois, pudesse ampliar a participação no processo eleitoral. Porém não foi exatamente isso o que aconteceu.

República sem povo


Proclamada por militares insatisfeitos com o tratamento dado aos quartéis - aliados a proprietários rurais sem compromissos com a monarquia pós-abolição -, a República deu início a uma prática recorrente no Brasil: a tomada do poder pelos militares em momentos de crise. Apesar da retórica democrática do novo regime, ele pouco mudou em termos de participação popular. Na primeira eleição para a Presidência da República, em 1894, votou apenas 2,2% da população, bem menos do que no pleito de 1872. Pode-se dizer, ainda, que em vários períodos republicanos houve menos liberdade de expressão do que no Segundo Reinado (dom Pedro II, por exemplo, não censurava a imprensa).

De qualquer forma, a República permitiu a eleição do chefe de Estado e de Governo e dos presidentes dos estados, descentralizando o poder. Com o tempo, isso favoreceu as elites locais, agrupadas em partidos únicos para bloquear a oposição. A aliança entre oligarquias estaduais definiu a política até 1930. Também conhecida como República Velha ou Café com Leite, ela manteve as fraudes, os capangas, os currais e o domínio dos "coronéis", os proprietários rurais chamados assim mesmo após o fim da Guarda Nacional, em 1918. Quando ficou claro que a República não foi um grande salto democrático, a insatisfação, de novo, seria liderada nos quartéis, dessa vez por tenentes que também representavam os interesses da classe média urbana. Quando o candidato desse grupo, Getúlio Vargas, foi derrotado pelo governista Julio Prestes, sob a suspeita de fraude, pouca gente desconfiava que algo iria mudar no país. Até que uma série de eventos (como o crash de 1929 e o assassinato do governador da Paraíba, João Pessoa) precipitou a Revolução de 1930 e colocou Vargas no poder. Mais uma vez, a democracia seria adiada.

Entre ditaduras e eleições

Do ponto de vista dos direitos sociais, o governo Vargas foi um marco positivo. Implantou uma série de leis para proteger os trabalhadores, como a regulamentação da jornada de oito horas e as caixas de previdência. Sobre os direitos políticos, porém, tudo é diferente. Getúlio deu um golpe em 1937, proclamou uma nova constituição e governou como ditador até 1945, colocando na prisão quem discordava dele. A imprensa era censurada e cooptada. Somente após a Segunda Guerra o país viveria, enfim, o que seria considerado seu primeiro período democrático. Em 1945, foram realizadas eleições para presidente e para uma nova Assembleia Constituinte. A liberdade de imprensa e a de organização política foram restabelecidas e adotadas eleições regulares para presidente, senadores, deputados federais, governadores, deputados estaduais, prefeitos e vereadores.

Dessa vez, poderiam votar homens e mulheres acima de 18 anos. A exclusão do voto do analfabeto, porém, permaneceu. Ainda assim, a participação da população na política cresceu significativamente. Em 1930, os votantes não passavam de 5,6% da população. Na eleição de 1945, chegaram a 13,4%, em 1950, já foram 15,9% às urnas e, em 1960, 18%. Mas, a partir do retorno de Vargas ao poder, em 1950 (agora eleito), o acirramento da disputa entre seu grupo e o da oposição (encabeçada por Carlos Lacerda, da UDN) criou um clima de instabilidade que colocaria novamente os militares em alerta.

Após o suicídio de Vargas, em 1954, os dez anos seguintes foram marcados por constantes ameaças de golpe. Em 1955, a posse do presidente Juscelino Kubitschek foi assegurada por uma intervenção do ministro da guerra, o general Henrique Lott. Quando o sucessor de JK, Jânio Quadros, renunciou meses após tomar posse, em 1961, abriu-se nova crise. Os quartéis não aceitavam que o vice-presidente, João Goulart, assumisse o governo. Um arranjo casuísta implantou o parlamentarismo para que ele fosse só primeiro-ministro. Após um plebiscito realizado em 1963, Jango foi reempossado presidente e governou até março de 1964, quando um novo golpe militar encerrou mais uma vez a democracia no país.



A esperada redemocratização


O general Castelo Branco tomou posse prometendo restabelecer logo a democracia. O resto da história é sabido: a ditadura durou duas décadas. Houve eleições diretas para vereador, deputados, senadores e governadores. Mas, até a escolha de Tancredo Neves, em 1985, foram seis "eleições" indiretas para presidente. As duas primeiras, que elegeram Castelo Branco e Costa e Silva, se deram pelos votos do Congresso Nacional (descontados todos os políticos cassados). Com a Constituição de 1967 (imposta e não votada), criou-se um Colégio Eleitoral de delegados e integrantes do Congresso para escolher o presidente, que funcionou a partir de 1974, quando Geisel venceu (e o Brasil perdeu da Holanda).

O próprio Geisel deu início à abertura "lenta e gradual" até que um civil pudesse dirigir a nação. Milhões de pessoas foram às ruas exigir as Diretas Já - pelo direito de eleger o presidente, entre outras demandas. Mesmo após a sua rejeição, a pressão popular fez com que Tancredo fosse eleito pelo Congresso (contra Paulo Maluf) para suceder o general João Batista Figueiredo. A morte do escolhido fez José Sarney presidente.

A Constituição de 1988 confirmou o voto a todos os brasileiros acima dos 18 anos (inclusive analfabetos) e tornou facultativa a participação dos jovens acima dos 16. No ano seguinte, mais de 82 milhões de eleitores puderam votar à Presidência. E milhares saíram às ruas, em 1992, para exigir o impeachment do eleito Fernando Collor. "Foi um teste de maturidade democrática pelo qual o país passou sem grandes traumas", afirma Ribeiro.

De lá para cá, o eleitorado saltou para mais de 135 milhões. Mas a expansão do voto garante que a democracia esteja assegurada? "Já estamos numa fase de aperfeiçoamento", diz Luciana Gross, cientista política da FGV. A criação de instituições como o Conselho Nacional de Justiça seria um exemplo dessa etapa, juntamente com mudanças que nascem da iniciativa popular, como a lei que veta a eleição de políticos condenados por tribunais colegiados (Ficha Limpa).
Não se pode afirmar com certeza se uma democracia está ou não consolidada a não ser se comparada ao regime de outros países democráticos, diz a cientista política Maria Tereza Sadek, da USP. Segundo ela, apesar da evolução dos direitos políticos, o Brasil está longe dos padrões aceitáveis de democratização por problemas como a desigualdade social e a baixa escolaridade - o que impede o exercício pleno e consciente dos direitos políticos. Ainda assim, ela e a maioria dos analistas não identificam no horizonte o risco de um novo golpe militar. Até porque, diferentemente de outros períodos, as lideranças militares não se confundem mais com as políticas (nas décadas de 1940 e 50, por exemplo, o general Dutra e o brigadeiro Lott disputavam o voto para presidente). A ameaça por aqui, avaliam, surgiria da ascensão de algum grupo autoritário, disposto a "reformar a Constituição", o que não desponta hoje na cena política. Ou seja: mantida a atual tendência, vai ser cada vez mais difícil culpar alguém pelo respeito ou não das regras do jogo democrático. Tudo indica que a maior parte da responsabilidade pelo futuro da democracia está mesmo nas mãos dos 135 milhões de brasileiros em ação nas urnas este ano.

"É a economia, estúpido!"

A relação entre estabilidade política e econômica

Toda vez que um presidente é bem avaliado nos Estados Unidos, logo saca-se a máxima acima, ou seja, a de que, quando a economia vai bem, todo o governo passa a ser bem avaliado. A mesma leitura se aplica aqui? Qual o peso do fim das altas taxas de inflação no Brasil para a estabilidade política do país? Apesar de não existir uma relação científica direta entre democracia e pujança econômica (no início da década de 1970, em pleno regime de exceção, por exemplo, o Brasil viveu o chamado Milagre Econômico), pode-se afirmar que as crises no bolso do eleitor são sempre um prato cheio para a ascensão de grupos autoritários. Após a quebra da Bolsa de Valores de Nova York, em 1929, regimes autoritários ascenderam em vários países do mundo, inclusive aqui. "No fundo, trata-se de um ciclo virtuoso", diz o filósofo Renato Janine Ribeiro. "A democracia é fortalecida pela estabilidade econômica, assim como a economia é fortalecida pela democracia." Ele lembra que, não fosse pelo arranjo político democrático construído pós-impeachment, em 1993, durante o governo Itamar, por exemplo, um plano econômico como o Real talvez não tivesse condições de ser implantado.


A duras penas

A lenta conquista de direitos políticos no País


1500 - Colônia

Primeiras eleições

A estreia foi em 1532, para o conselho da vila de São Vicente. O voto era definido por posição social, renda e idade, restrito a homens, mas incorporava os analfabetos.

1822 - Império

Lei Saraiva

Em 1881, o decreto aumentou a renda mínima dos eleitores de 100 mil para 200 mil réis e adotou a eleição direta para certos cargos, como vereador. Mas, em seguida, os analfabetos foram excluídos.

1889
- Rep. Velha

Republicanos

A Constituição de 1891 confirma a redução da idade mínima para votar (de 25 para 21 anos). Cai a exigência de renda e a eleição direta passou a vigorar para todos os cargos. As elites faziam valer o voto de cabresto.

1930
- Era Vargas

Inclusão

As mulheres podem ir às urnas e se eleger desde 1932. Na mesma época, o voto torna-se obrigatório, com idade mínima de 18 anos. Os analfabetos foram incluídos em 1985.

1945
- Transição democratica

Fraudes

A partir dos anos 1950, medidas como a adoção do voto secreto reduzem as fraudes. A Justiça Eleitoral existia desde os anos 1930. As urnas eletrônicas surgem em 1996.

1964 - Ditadura militar

1985 - Nova República


Saiba mais


Livros

Cidadania no Brasil - O Longo Caminho, José Murilo de Carvalho, Civilização Brasileira, 2008.

Ótimo guia sobre a saga dos direitos políticos, civis e sociais.

Sistema Político Brasileiro: Uma Introdução, Lúcia Avelar e Antônio Cintra (orgs.), Editora Unesp, 2007.

Coletânea de artigos. Destaque para o papel dos militares.

Dicionário do Voto, Walter Costa Porto, UNB, 2000.

Verbetes sobre o processo eleitoral brasileiro.

Compartilhe

Busque em História

Edições Anteriores

Edição 130
Edição 130

Edição 129
Edição 129

Edição 128
Edição 128

Edição 127
Edição 127

Edição 126
Edição 126

Edição do mês

edição 134

edição 134,
setembro 2014
Como a Maçonaria, a Bucha e grupos mais obscuros determinaram a trajetória do país

Assine Aventuras na História