Guia do Estudante

Aventuras na História

A queda de Napoleão

01/09/2005 00h00

Quando Napoleão lançou a malfadada invasão à Rússia, em 1812, motivada pela recusa do czar Alexandre I em apoiar o bloqueio antibritânico, a autoridade francesa sofreu um forte desgaste em toda a extensão do império, exceto no núcleo composto pela França, pela Renânia e pelo sul da Itália. Ao mesmo tempo, na Espanha, a chamada Guerra Peninsular havia terminado com a derrota de José Bonaparte, irmão do imperador, para as forças britânicas e espanholas. Napoleão ainda tentou debelar a situação, mas um levante geral já havia sido formado. Prússia, Áustria, Suécia, Rússia, Espanha e Inglaterra se alinhavam novamente contra o império francês. Em outubro de 1813, Napoleão foi batido em Leipzig, na Batalha das Nações. Recuando para a França e empreendendo uma série de combates, Napoleão parecia haver retomado a eficiência militar do início da carreira. Mas a rendição de Paris forçou-o à renúncia, ocorrida em 6 de abril de 1814. Após um curto exílio de dez meses em Elba, uma pequena ilha, distante apenas 20 km da costa da Itália, Napoleão retornou à França para o chamado "governo dos 100 dias". Nesse período, tentou mais uma ofensiva contra ingleses e prussianos até ser definitivamente batido em Waterloo, no dia 18 de junho de 1815.

A GUERRA PENINSULAR (1807-1814)

Envolveu espanhóis, portugueses e ingleses contra os franceses. Após tomar Portugal e promover um golpe que culminou com a ascensão de José Bonaparte ao trono da Espanha, os franceses amargaram anos de combates de guerrilha e desembarques de tropas inglesas até o colapso militar, em 1813, do país de Napoleão.

INVASÃO DA RÚSSIA (1812)

Com um exército de 650 mil homens, Napoleão perdeu a imensa maioria de seus combatentes ao tentar tomar a Rússia. Conquistou Moscou sem luta (14 de setembro de 1812) para depois vê-la incendiada pelos próprios russos. Seu exército retornou em pleno inverno. Apenas 27 mil homens - os sobreviventes da fome, do frio e dos ataques russos - conseguiram cruzar o rio Berezina na volta.

ILHA DE SANTA HELENA 1815-1821

A remota ilha no Atlântico Sul foi o lugar escolhido pelos ingleses para exilar Napoleão Bonaparte, após a derrota de seus exércitos na Europa. Lá, sob a vigilância de uma guarnição inglesa, ele viveu por seis anos, até morrer.

SÉTIMA COALIZÃO (1815)

Preocupados com o retorno de Napoleão, Inglaterra, Rússia, Prússia, Áustria, Suécia, Países Baixos e pequenos estados alemães declararam guerra à França. Bonaparte mobilizou seu exército para bater prussianos e ingleses na Bélgica. Mas foi derrotado em Waterloo (18 de junho).

EXÍLIO EM ELBA (1815)

Após a capitulação, Napoleão foi mandado para a pequena ilha de Elba. O exílio durou pouco. Em 1 de março de 1815, ele desembarcou em Cannes. Os soldados que iam prendê-lo se uniram a ele. Napoleão chegou triunfalmente em Paris, em 20 de março, para reassumir como comandante do país.

PRÚSSIA E ÁUSTRIA (1813)

Após o exército francês perder grande parte dos soldados em território russo, a Prússia entrou em guerra contra Bonaparte, seguida pela Áustria. Em inferioridade numérica e com homens inexperientes, o imperador francês ainda venceu a coalizão em Bautzen, Lutzen e Dresden. Mas foi batido por mais de 450 mil soldados da coalizão - em Leipzig (16 de outubro de 1813).

DEFESA DA FRANÇA (1814)

Pressionado pela coalizão de quase 500 mil homens de vários exércitos europeus, Bonaparte combateu em solo francês, culminando com a vitoriosa Campanha dos Seis Dias (fevereiro de 1814). Seu pequeno exército impôs quatro derrotas seguidas. Ainda assim, com a rendição de Paris, ele foi obrigado a renunciar.

 

Compartilhe

Busque em História

Edições Anteriores

Edição 130
Edição 130

Edição 129
Edição 129

Edição 128
Edição 128

Edição 127
Edição 127

Edição 126
Edição 126

Edição do mês

edição 134

edição 134,
setembro 2014
Como a Maçonaria, a Bucha e grupos mais obscuros determinaram a trajetória do país

Assine Aventuras na História