logo-ge

Como é um curso de Matemática em 9 perguntas e respostas

Se você gosta de Matemática e tira boas notas na escola, pode ficar na dúvida se essa seria uma boa opção de curso superior. Mas o que se aprende na faculdade? Como é o curso? Qual a diferença entre bacharelado e licenciatura? Para responder essas e outras dúvidas, entrevistamos o professor Adilson Eduardo Presoto, coordenador da graduação em Matemática da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Ele recomenda o curso para quem tem curiosidade científica, ou seja, aquele aluno que não se contenta apenas em resolver um problema, mas que quer compreender e explicar o porquê das fórmulas e dos resultados. “Desenvoltura com atividades envolvendo raciocínio lógico e abstração são outros bons indicativos”, diz.  Acompanhe a entrevista.

 

(imagem: istock)

1 – Qual o perfil dos alunos de Matemática? Que características, em geral, eles têm?

É de alguém que gosta de resolver problemas, entendendo todos os mecanismos e técnicas envolvidas, compreendendo os conceitos, analisando a aplicabilidade e generalização dos mesmos. São estudantes que organizam e analisam informações facilmente e, a partir delas, constroem argumentações lógicas.

Na UFSCar, a maioria dos alunos pensa em seguir carreira docente (tornar-se professor). São poucos os que entram no curso de Matemática motivados pela carreira acadêmica (para dar aulas e fazer pesquisa em universidades).

 

2 – Quais as maiores dificuldades encontradas pelos estudantes, sobretudo pelos ingressantes?

A maior dificuldade recai na falta de conhecimento prévio de Matemática. Outra dificuldade é que os estudantes ingressam habituados em resolver problemas de Matemática apenas aplicando cálculos e apresentam muita dificuldade em organizar, expressar e justificar suas ideias com base em conceitos e propriedades. E aqueles estudantes que trabalham sofrem com a falta de tempo para dedicar-se aos estudos.

 

3 – Como está estruturado o curso?

São dois tipos de curso (titulações): a licenciatura (que prepara o professor) e o bacharelado.

O currículo da licenciatura tem uma carga maior de disciplinas pedagógicas e da área de humanas, além do estágio em escolas, enquanto o bacharelado possui ênfase maior nas disciplinas específicas de matemática.

 

4 – Quais as principais disciplinas básicas? O que se aprende nelas?

Introdução à Teoria dos Números: aritmética e sua relação com a cultura dos povos. Compreende-se a relação do desenvolvimento dos sistemas de numeração com o progresso cultural e científico. Nesta disciplina, os estudantes têm um primeiro contato com aritmética modular com aplicações em criptografia e códigos de identificação (códigos de barra, por exemplo).

Vetores e Geometria Analítica: o aluno atualiza e aprofunda a aprendizagem prévia sobre geometria analítica plana ocorrida no Ensino Médio.

Geometria Analítica:  permite resolver algebricamente problemas geométricos. Figuras geométricas são representadas por equações o que possibilita simulações em computadores e aplicações em computação gráfica.

Cálculo Diferencial e Integral: são estudados os conceitos de limite e derivada (que formaliza a noção de variação instantânea e velocidade de movimento). Dentre as várias aplicações do conteúdo de Cálculo estão a modelagem por funções de uma variável e o estudo de técnicas de otimização, que permitem resolver problemas de minimização (de custos, gastos com material) e maximização (de lucros, de áreas ou volumes).

 

5 – E as disciplinas específicas? Quais os destaques?

A tríade Geometria Euclidiana, Estruturas Algébricas I e Análise na Reta constitui o alicerce da Matemática. Nela, muitos truques matemáticos, dados como mirabolantes até o ingresso no ensino superior, passam a ser compreendidos.

Teoria dos Conjuntos aborda a lógica elementar, que fornece aos estudantes a linguagem técnica para redigir e analisar a correção de uma demonstração em Matemática, por exemplo.

Em Instrumentação para o Ensino da Matemática, diversos métodos didáticos para lecionar nos Ensinos Fundamental e Médio são analisados e avaliados, bem como a sua implementação em aulas simuladas apresentadas para os colegas de turma, com a supervisão do professor.

Por fim, na disciplina Equações Diferenciais Parciais, do currículo do bacharelado, estuda-se a modelagem e a resolução de problemas importantes desde os básicos até os mais complexos. Tudo fazendo uso, basicamente, das ferramentas de Cálculo, isto é, derivada e integral. Os fenômenos abordados são os mais variados, por exemplo, proliferação de pestes, movimento dos planetas, tratamento do câncer, terremotos e até mesmo pluviometria. Ou seja, passando por áreas como Biologia, Química, Física e Engenharia.

 

6 – Há atividades práticas? Como elas são?

Há uma gama de situações de aplicações do conhecimento matemático. Por exemplo, o estágio supervisionado (em escolas de educação básica) dos cursos de licenciatura, a atividades de extensão “Jornada de Matemática para a Graduação”, em que os alunos dedicam-se à divulgação da matemática para a comunidade, e o projeto “Desmitificando a Ciência: Dúvidas e Desafios Matemáticos”, que integra alunos da Educação Básica com dificuldades ou habilidades em Matemática aos estudantes de graduação em Matemática.

No Bacharelado, tais atividades não são obrigatórias, contudo um bom número de alunos participa do Programa Especial de Treinamento (PET)  para tutoriar colegas mais novos no curso e participar de atividades de extensão.

 

7 – O trabalho de conclusão de curso é obrigatório? Em geral, como ele é feito?

Os alunos tanto do bacharelado como da licenciatura precisam realizar 16 créditos de trabalho de conclusão de curso. Consiste no desenvolvimento de uma pesquisa vinculada à área de Matemática, sob orientação de um docente. O resultado do trabalho pode ser um produto acadêmico ou técnico (monografia, software, vídeo, material didático ou paradidático etc).

 

8 – Há necessidade de fazer estágio para se formar?

Quem faz licenciatura deve realizar estágio obrigatório de 420 horas em escolas de Educação Básica. O curso de bacharelado não exige estágio, mas o aluno pode fazê-lo, se quiser, desde que atenda aos objetivos do curso.

 

9 – Quais as áreas de atuação da maioria dos egressos?

Os licenciados atuam no ensino de Matemática na Educação Básica, especificamente no Ensino Fundamental II e no Ensino Médio, além de escolas técnicas e na educação de jovens e adultos. Outra opção de carreira muito importante para o licenciado é a continuação dos estudos na pós-graduação (como no mestrado em Ensino Profissional, Ensino de Matemática e Educação Matemática).

A principal função do curso de Bacharelado em Matemática da UFSCar é preparar estudantes para cursar a pós-graduação em Matemática ou em áreas afins. Excepcionalmente, o bacharel aproveita sua formação para entrar em outros setores do mercado de trabalho, como o financeiro e o de serviços (logística, computação, informática).  Muitos egressos ocupam destacadas posições nas mais diferentes instituições de ensino superior, de pesquisa e, eventualmente, em indústrias.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s