Guia do Estudante

Posts da categoria ‘Migração’

Veja as notícias internacionais mais importantes da semana de 9 de maio

Ana Prado | 13/05/2016

refugiados-quenia
Campo de refugiados Dadaab, no Quênia (Foto: Getty Images)

Embora tenha ficado em segundo plano por conta do afastamento da presidente Dilma Rousseff (leia mais sobre isso aqui), o noticiário internacional teve destaques importantes. Veja alguns deles a seguir.

Dilma é afastada e Venezuela expressa “repúdio categórico” ao que considera “golpe de Estado”

Após decisão do Senado brasileiro de afastar a presidente eleita Dilma Rousseff do poder nesta quinta-feira (12), a Venezuela soltou um comunicado oficial expressando seu “repúdio categórico” ao que considera um “golpe de Estado parlamentar no Brasil que, mediante farsas jurídicas das cúpulas oligárquicas e forças imperiais, pretendem derrubar a presidenta, Dilma Rousseff”. O presidente chavista Nicolás Maduro e o seu antecessor Hugo Chávez (1999-2013) estabeleceram amplos laços comerciais e políticos com os governos de Dilma e do ex-presidente Lula. Leia mais aqui.

Abrigando mais de 600 mil pessoas, maior campo de refugiados do mundo fechará suas portas

Em nota divulgada nas redes sociais, o Quênia declarou que irá encerrar a recepção de refugiados e fechar as operações dos campos situados em seu território, o que inclui Dadaab, o maior campo de refugiados do planeta. A notícia traz preocupação com o destino de mais de 600 mil refugiados registrados no país. No comunicado, o governo queniano declara estar ciente dos desafios que o mundo enfrenta com a questão da migração forçada e a crise de refugiados, mas afirma que, por conta do cenário de insegurança e das ameaças de grupos terroristas como o Al Shabaab (baseado na Somália, mas que vem ampliando as suas operações), decidiu por “reconsiderar a questão de receber refugiados e o processo de repatriação”. A nota diz ainda que as atividades do Departamento de Refugiados do país já se encerraram, mas não deixa claro quando começará a barrar a entrada dessas pessoas e iniciará o processo de fechamento dos campos. Leia mais.

África concentra 90% das crianças com HIV; 50% morrem antes de completar cinco anos

A África abriga 90%, ou quase a totalidade, das crianças infectadas pelo vírus HIV no mundo. A informação foi dada nesta terça-feira (10) pelo diretor-executivo da ONUaids, Michel Sidibé, que pediu que os menores tenham acesso universal ao tratamento antirretroviral. “Cinquenta por cento destas crianças que nascem com aids morrem antes do seu quinto aniversário” porque não têm “a sorte de ter acesso aos serviços à disposição das demais crianças do resto do mundo”, denunciou Sidibé. Cinco milhões de pessoas seguem sem ter acesso ao tratamento contra o HIV/aids na África central e ocidental, segundo informação da ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF). Leia mais aqui.

Itália aprova união civil entre homossexuais, embora sem contemplar direito de adoção            

A Câmara dos Deputados da Itália aprovou nesta quarta (11) uma lei que regulará as uniões civis entre pessoas do mesmo sexo, embora sem contemplar o direito de adoção. O projeto foi iniciativa da senadora Monica Cirinnà, membro do Partido Democrata (PD), liderado pelo primeiro-ministro Matteo Renzi. A lei inicialmente contemplava não apenas o reconhecimento legal das uniões entre pessoas do mesmo sexo, mas também o direito do casal a adotar o filho do companheiro – ponto que precisou ser suprimido por exigência dos conservadores no Senado. Saiba mais aqui.

Seis meses após ataques em Paris, senado francês aprova prorrogação do estado de emergência

O Senado francês aprovou nesta terça-feira (10), por ampla maioria, a prorrogação do estado de emergência até o final de julho, para garantir a segurança da Eurocopa-2016 de futebol e do Tour de France, tradicional competição de ciclismo de estrada. O estado de emergência foi instaurado após os ataques de 13 de novembro em Paris e Saint-Denis. “Sejam quais forem as precauções que tomemos, não podemos considerar que o perigo iminente que justificou, em novembro passado, a proclamação do estado de emergência desapareceu”, disse o ministro do Interior Bernard Cazeneuve. “Os desafios de segurança serão ainda mais complexos de administrar, porque estamos nos preparando para receber um número significativo de visitantes estrangeiros em conexão com a Eurocopa (de futebol) 2016″, acrescentou. Saiba mais aqui.

 

 

Compartilhe

As notícias internacionais mais importantes da semana de 10 de abril

Ana Prado | 15/04/2016

Veja as notícias mais relevantes para quem vai prestar vestibular ou o Enem:

EUA: nova lei que permite a empresas recusar serviços a homossexuais causa protestos

img1

A nova lei sobre gays e transgêneros, aprovada pelo estado norte-americano do Mississippi no dia 5 de abril, está provocando protestos nos Estados Unidos. A chamada Lei de Liberdade Religiosa estabelece que o estado não vai punir as pessoas que se recusam a prestar serviços a homossexuais ou transgêneros, desde que apresentem como justificativa razões religiosas. Na prática, a medida permite que um restaurante, por exemplo, coloque um cartaz na porta: “Não servimos gays ou transgêneros”.

A aprovação da lei foi considerada “discriminatória” por grupos que defendem os direitos de gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros (LGBT). De acordo com esses grupos, sob a nova legislação, a religião pode ser usada por qualquer indivíduo ou organização para justificar a discriminação não só contra pessoas LGBT, mas também contra mães solteiras e casais não casados. Executivos das empresas Coca-Cola, Northrop Grumman, Intel e Hartford assinaram uma carta aberta na última semana ao governador do Mississippi, Phil Bryant, solicitando a revogação da lei. Bryant, porém, não se mostra inclinado a fazer isso. “A lei visa a proteger as crenças religiosas sinceras e convicções morais dos indivíduos, organizações e associações privadas de ação discriminatória pelo governo do estado”. Leia mais aqui.

>> Leia também: A história da homossexualidade e a luta pela dignidade (publicada em 2012).

Alemanha cria primeira lei na história do país para integração de migrantes e refugiados

A primeira-ministra alemã Angela Merkel anunciou nesta quinta-feira (14) que os partidos da coalizão do governo chegaram a um acordo e apresentaram a Lei de Integração de Migrantes e Refugiados, a primeira na história do país. Entre as medidas, está a criação de 100 mil oportunidades de trabalho para refugiados, os chamados “empregos de 1 euro”. Solicitantes de asilo poderão realizar pequenos trabalhos, que pagam entre 1 e 2,50 euros. Além disso, eles continuarão recebendo auxílio-moradia e apoio financeiro mensal do governo. Outra mudança implica suspensão por três anos de uma lei que dá preferência a alemães e a outros cidadãos da União Europeia na oferta de uma vaga de emprego. Ao mesmo tempo em que flexibiliza regras para facilitar o acesso ao mercado de trabalho, a lei exige contrapartidas. Refugiados que não participarem dos cursos obrigatórios de integração, que envolvem o ensino da língua até o nível intermediário e aulas sobre política e sociedade, terão os benefícios cortados. Leia mais aqui.

>> Leia também: Nova lei para imigrantes coloca Brasil na vanguarda no debate sobre fluxos migratórios do mundo

>> ESPECIAL: Entenda como funciona o fluxo de pessoas pelo mundo

Segundo Barack Obama, única forma de vencer o Estado Islâmico é acabar com guerra na Síria

O presidente norte-americano, Barack Obama, disse que a única forma de vencer o grupo extremista Estado Islâmico é acabar com a guerra civil na Síria, onde houve “repetidas violações” do cessar-fogo pelo regime de Bashar Al Assad. Barack Obama visitou, nessa quarta-feira (13) em Langley (Virginia), a sede da Agência Central de Informação (CIA) para se atualizar em relação aos esforços na luta contra o Estado Islâmico (EI) na Síria e no Iraque. “A única maneira de realmente vencer o Estado Islâmico é acabar com a guerra civil síria que o EI tem explorado. Continuamos a trabalhar por uma solução diplomática para esse horrível conflito”, destacou. A intervenção de Obama coincidiu com o início de uma nova rodada de negociações em Genebra entre o regime do presidente sírio, Bashar Al Assad, e a oposição, no momento em que ocorrem eleições legislativas no país árabe, cuja legitimidade foi questionada por Washington. Leia mais.

>> Conheça a origem do Estado Islâmico

Japão diz que está preparado contra possível lançamento de míssil da Coreia do Norte

coreia-japao

As forças da autodefesa do Japão (SDF, na sigla inglesa) implementaram todas as medidas contra o possível lançamento de um míssil pela Coreia do Norte, declarou Yoshihide Suga, o secretário-geral do Gabinete. A mídia americana informou na terça (12) que os satélites dos Estados Unidos obtiveram a informação sobre a intenção da capital norte-coreana, Pyongyang, lançar o míssil balístico da plataforma móvel, constituindo o seu 15º teste, logo na quarta. Leia mais.

>> Leia também: Entenda o conflito e a história das Coreias

Presidente da Venezuela avisa que vai mudar fuso horário para ajudar a economizar energia

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nesta sexta-feira (15) que vai mudar, em maio, o fuso horário para ajudar a poupar energia elétrica num país afetado por uma seca causada pelo fenômeno meteorológico El Niño. “Estamos em tempo de alterações climáticas e nós temos que nos adaptar para que as mudanças afetem menos a qualidade de vida e a felicidade do nosso povo. Estamos enfrentando o fenômeno da seca, que é quase uma tragédia ambiental”, disse ele.

Em dezembro de 2007, o então presidente da Venezuela, Hugo Chávez, atrasou em 30 minutos a hora legal local, para evitar que as crianças tivessem que sair ainda de noite para as aulas. Desde então, a Venezuela passou a estar a menos quatro horas e 30 minutos do Meridiano de Greenwich. Fontes não oficiais dão conta de que a Venezuela poderá voltar ao horário antigo. Nicolás Maduro anunciou ainda que os setores público e privado do país paralisarão na segunda-feira (18), também visando poupar energia. Leia mais.

 

Compartilhe

As notícias internacionais mais importantes da semana de 3 de abril

Ana Prado | 08/04/2016

A semana foi agitada! Indicamos a seguir as notícias mais relevantes para quem vai prestar vestibular:

Maior vazamento de arquivos secretos do mundo, Panama Papers revela esquemas de corrupção  

img1

Neste domingo (3), foi divulgado o maior vazamento de arquivos secretos do mundo: são mais de 11 milhões de documentos – os Panama Papers – que revelam a forma como algumas das pessoas mais ricas e poderosas do mundo se utilizam de paraísos fiscais para ocultar e lavar dinheiro. Estão envolvidos pelo menos 12 líderes mundiais atuais e passados, além de outros 128 políticos e funcionários públicos de diferentes países. Leia mais.

>> Sonegação de impostos e corrupção: você sabe a relação entre elas?

Grécia começa a enviar primeiros grupos de refugiados clandestinos para a Turquia

Um acordo feito entre a União Europeia (UE) e a Turquia começou a ser mais amplamente executado nesta semana. Segundo o acordo, em vigor desde o dia 20 de março, todos os migrantes e refugiados que chegam à Grécia de forma irregular serão mandados de volta para a Turquia. Quem tiver direito à proteção internacional, como é o caso dos sírios, poderá pedir asilo na Grécia. Se não o fizer, será mandado de volta. E caso tenha sido registrado pelas autoridades turcas, terá o pedido recusado, porque, sob o pacto, a Turquia é considerada um país seguro para que as pessoas peçam asilo lá mesmo.

>> Sírios começam a entrar legalmente na Europa

>> Chega à Turquia primeiro grupo de migrantes reenviados pela Grécia

Venezuelanos vão deixar de trabalhar às sextas-feiras para poupar energia e água

Os funcionários públicos da Venezuela não vão trabalhar às sextas-feiras durante dois meses (abril e maio) para reduzir o consumo de eletricidade e água no país, afetado por uma seca provocada pelo fenômeno meteorológico El Niño. O decreto presidencial assinado por Nicolás Maduro estabelece também que os centros comerciais e hotéis têm que passar a gerar nove horas diárias de eletricidade usando fontes próprias, em vez das atuais quatro a que são obrigados há várias semanas. Segundo o presidente Maduro, a barragem de El Guri, que garante 63% da energia elétrica do país, precisa funcionar com um nível de água entre os 260 e 271 metros, mas nesta quarta-feira (6) chegou aos 243 metros.

ONU faz novo alerta para risco de abusos de menores refugiados

A ONU fez novo aviso, nesta sexta-feira (8), para pedir aos países que não retenham refugiados e migrantes menores de idade em centros de detenção e que procurem alternativas para seu acolhimento. “Um número surpreendente de crianças migrantes está detido nas fronteiras e exposto a sofrer abusos físicos por parte dos agentes do Estado”, afirmou em Genebra o alto-comissário para os Direitos Humanos da ONU, Zeid Ra’ad Al Hussein. O alto-comissário disse ainda que as crianças que migram em grandes grupos “correm um risco maior de serem vítimas de violência durante a viagem, incluindo abusos sexuais nas mãos de traficantes e grupos criminosos”.

Sudão do Sul e Oriente Médio concentram quase metade dos casos de emergências humanitárias

atualidades

As emergências humanitárias que atualmente atingem Síria, Iraque, Iêmen e Sudão do Sul são as que mais preocupam a Organização Mundial de Saúde (OMS). “Consideramos que estas emergências são as mais importantes, pelo número de pessoas afetadas e o incrível efeito devastador dos conflitos na saúde. Além disso, são conflitos que não parece que vão se resolver em breve”, disse nesta terça-feira (5) o diretor de Gestão de Emergências e Resposta Humanitária, Rick Brennan. Segundo cálculos da organização, nestes quatro países há mais de 32,5 milhões de pessoas que precisam de assistência médica e sanitária, o que representa quase metade dos 79 milhões de pessoas nesta situação em todo o mundo, no ano de 2015. Saiba mais sobre outras emergências aqui.

Estados Unidos fazem alerta sobre perigos das alterações climáticas para a saúde pública

O governo dos Estados Unidos publicou nesta terça (5) os resultados de um estudo que conclui que as alterações climáticas terão efeitos nocivos na saúde pública da população nas próximas décadas. Desenvolvido durante três anos por órgãos federais, o estudo mostra que no verão de 2030 serão registradas cerca de 11 mil mortes, em comparação com os números atuais, por causa do “calor extremo”, e que em 2100 o número de mortes devido às altas temperaturas chegará a 27 mil, caso não seja feito um esforço “acelerado” para conter as alterações climáticas. A Casa Branca citou o aumento das doenças transmitidas por insetos e a redução do valor nutricional dos alimentos como exemplos de perigos derivados das mudanças climáticas para os seres humanos. Leia mais aqui.

 

Compartilhe

Crise dos refugiados: entenda os principais conceitos

Fábio Sasaki | 10/03/2016

(foto: iStock)

(foto: iStock)

O plano apresentado nesta semana pela União Europeia (UE) e pela Turquia para conter o fluxo de refugiados sírios provocou grande polêmica. O projeto prevê a deportação de todos os migrantes que chegam à Grécia (país que é uma das principais portas de entrada na UE) vindos da Turquia.

A proposta consiste no seguinte: para cada migrante sírio que é mandado de volta para o território turco, a UE receberia outro sírio, que já tivesse registrado pedido de asilo.

Durante esta crise dos refugiados, muitos termos aparecem com frequência no noticiário. Refugiado, migrante, asilo, o que significam?

A compreensão desses conceitos é importante para entender, por exemplo, a proposta da UE que está sendo muito criticada. Então, vamos lá:

O migrante é qualquer pessoa que muda de região ou país. Entre eles, há dois grupos distintos:

– Migrantes econômicos: são aqueles que mudam de região ou país, por vontade própria, para escapar da pobreza e em busca de melhores condições de vida. Uma pessoa da Ucrânia (país que não faz parte da União Europeia) que vai trabalhar na Inglaterra para juntar dinheiro, por exemplo, é considerado um migrante econômico.

– Refugiado: qualquer pessoa que muda de região ou país tentando fugir de guerras, conflitos internos, perseguição (política, étnica, religiosa etc.) e violação de direitos humanos. É o caso de milhões de sírios, afegãos ou eritreus que fogem de seus países para poder sobreviver.

A distinção entre esses conceitos é muito importante do ponto de vista legal. Isso porque apenas os refugiados têm direito a requerer asilo em outro país, de acordo com a Convenção das Nações Unidas sobre o Estatuto dos Refugiados e as diretrizes da União Europeia.

Por isso, quando os refugiados chegam a outro país eles logo entram com um pedido de asilo. Dessa forma, tornam-se solicitantes de asilo, que são as pessoas que pediram proteção internacional. Ao receber o asilo, o migrante ganha o status oficial de refugiado e pode permanecer legalmente no país.

Já quem deixa a pobreza em seu país para encontrar emprego em outra nação, os migrantes econômicos, não tem direito a requerer asilo. Geralmente, quando eles são pegos pelas autoridades de imigração na Europa e não apresentam nenhum documento que comprove o asilo, eles são detidos ou deportados.

Veja também:

Entenda como a crise dos refugiados pode cair no vestibular

Compartilhe

As notícias mais importantes da semana de 29 de fevereiro

Mariana Nadai | 04/03/2016

Aquecimento global pode provocar 500 mil mortes adicionais até 2050

(iStock)

(iStock)

O aquecimento global pode provocar 500 mil mortes adicionais no mundo até 2050 devido às alterações na alimentação e no peso das populações, impulsionadas pela queda da produção agrícola, diz estudo  divulgado na revista The Lancet.

O trabalho é o primeiro a avaliar o impacto das alterações climáticas na dieta e no peso das populações e a estimar o número de mortos até 2050 em 155 países. Leia mais

– Oscar: por que “Spotlight” e “A Grande Aposta” são imperdíveis para os vestibulandos

Democracia retrocede e influência da religião na política aumenta, indica estudo
Um estudo da Fundação Bertelsmann, com sede em Gütersloh, Alemanha, constatou um retrocesso da democracia e da economia social de mercado em todo o mundo e um aumento da influência da religião sobre as instituições políticas e jurídicas.

O projeto, que contou com a participação de 250 cientistas, analisa a situação de 129 países em vias de desenvolvimento e transformação, para avaliar a qualidade dos respectivos governos, a partir da consideração de um total de 17 critérios. Saiba mais

Número de pedidos de asilo na UE mais que dobrou de 2014 para 2015
O número de primeiros pedidos de asilo na União Europeia (UE) mais do que duplicou em 2015, na comparação com o ano anterior, e atingiu 1.255.600, Segundo dados divulgados pelo Eurostat, o Gabinete de Estatística da UE. A maioria dos pedidos foi feita por sírios (362.800 pessoas), tendo o número duplicado diante de 2014. Leia mais

Cientistas dizem ter encontrado prova da relação entre microcefalia e vírus Zika

(iStock)

(iStock)

Cientistas divulgaram ter encontrado a primeira prova de uma ligação biológica entre o vírus Zika, com grande propagação na América Latina, e a microcefalia em recém-nascidos.

Segundo Guo-li Ming, professor de neurologia no Instituto Johns Hopkins de Engenharia Celular, nos Estados Unidos, e um dos responsáveis pelo estudo, os testes de laboratório revelam que o vírus atinge as principais células envolvidas no desenvolvimento do cérebro, destruindo-as ou desativando-as. Saiba mais

Em referendo, suíços rejeitam expulsão automática de estrangeiros
A maioria dos suíços rejeitaram, em referendo popular realizado no último dia 28 de fevereiro, a iniciativa do partido populista União Democrática do Centro (SVP, na sigla em alemão) para uma expulsão automática de criminosos estrangeiros, segundo os resultados oficiais.

Cerca de 59% dos suíços rejeitaram a iniciativa que pretendia endurecer e tornar automático o processo de expulsão de estrangeiros que cometam delitos e infrações no território suíço. Votaram favoravelmente 41,8% dos suíços. Leia mais

Compartilhe

Confira as notícias mais importantes da semana de 22 de fevereiro

Mariana Nadai | 26/02/2016

Obama propõe ao Congresso fechamento da prisão de Guantánamo em Cuba

Garota segura cartaz de protesto, que pede o fechamento da prisão de Guantânamo (foto: Chip Somodevilla/Getty Images)

Garota segura cartaz de protesto, que pede o fechamento da prisão de Guantánamo (foto: Chip Somodevilla/Getty Images)

O presidente Barack Obama encaminhou ao Congresso dos Estados Unidos um plano para fechar a prisão norte-americana localizada na Baía de Guantánamo, em Cuba, informou o The Wall Street Journal. A decisão deve receber forte oposição dos representantes do Partido Republicano no Congresso, que não concorda com qualquer concessão ao regime cubano.

A decisão de Obama ocorre em meio aos preparativos de sua viagem a Havana (capital cubana), em 21 de março, a primeira de um presidente norte-americano a Cuba em quase 60 anos. Saiba mais

– Corrupção: entenda por que ela não é exclusividade dos governantes

Nível do mar subiu mais nos últimos cem anos que nos três milênios anteriores
O nível dos oceanos subiu mais rapidamente ao longo do século XX do que nos três últimos milênios, devido às alterações climáticas, indica um estudo publicado na última segunda-feira (22/02).

Entre 1900 e 2000, os oceanos e os mares do planeta subiram cerca de 14 centímetros, por causa do degelo, principalmente no Ártico, revelaram os autores de estudos publicados na revista científica norte-americana Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS). Leia mais

Síria aceita cessar-fogo proposto pela Rússia e os EUA
O regime de Damasco anunciou, no último dia 23/02, que aceita a proposta russo-norte-americana de cessar-fogo na Síria, mas que ia continuar a combater os “grupos terroristas” como o Estado Islâmico e a Frente Al Nosra, excluídos do acordo.

A trégua deve entrar em vigor em 27 de fevereiro, mas não abrangerá o Estado Islâmico, Frente Al Nusra e outros grupos terroristas. Os militares russos e americanos em conjunto definirão nos mapas os territórios onde atuam os grupos rivais e contra eles não serão realizadas hostilidades, disse o representante especial do presidente da Federação da Rússia para Oriente Médio e África e vice-ministro do Exterior, Mikhail Bogdanov.

Migrações: Suécia teve aumento recorde da população em 2015
A Suécia registrou aumento recorde da população entre 2014 e 2015, cerca de 1%, devido à onda de refugiados que chegaram ao país, informou hoje (22) o Gabinete Nacional de Estatísticas sueco.

A população da Suécia era, em 31 de dezembro de 2015, de 9.851.017 pessoas, mais 103.662 do que em 2014, segundo os números citados pela agência EFE. Saiba mais

Evo Morales reconhece primeira derrota nas urnas em dez anos
O presidente da Bolívia, Evo Morales, reconheceu nesta quarta-feira (24) a primeira derrota nas urnas em dez anos de governo e prometeu respeitar os resultados do referendo realizado há três dias.

No domingo (21), os eleitores bolivianos foram às urnas para votar na reforma constitucional proposta pelo governo, que permitiria a Evo Morales disputar um quarto mandato consecutivo em 2019. A maioria votou contra. Leia mais

Compartilhe

Confira as notícias mais importantes da semana de 25 de janeiro

Mariana Nadai | 29/01/2016

Uma em cada nove crianças no mundo vive em zonas de conflito, diz Unicef

Crianças em acampamento de refugiados na fronteira da Síria (foto: Milos Bicanski/Getty Images)

Crianças em acampamento de refugiados na fronteira da Síria (foto: Milos Bicanski/Getty Images)

Cerca de 250 milhões de crianças no mundo, o equivalente a uma em cada nove, vivem em países afetados por conflitos, informou hoje (26) o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). A entidade pede perto de US$ 3 bilhões para ajudar as mais vulneráveis. Leia mais

Suécia deve rejeitar pedido de asilo de até 80 mil refugiados
A Suécia pretende expulsar entre 60 mil e 80 mil pessoas que em 2015 procuraram refúgio no país e que deverão ter o pedido de asilo rejeitado, anunciou o ministro do Interior, Anders Ygeman. “Estamos falando de 60 mil pessoas, mas poderão chegar às 80 mil”, calculou o ministro em declarações à imprensa sueca, explicando que o governo já sinalizou à polícia e ao gabinete de migrações para organizar a retirada das pessoas de forma gradual, com recurso a voos aéreos especiais. Saiba mais

OMS convoca comitê de emergência para tratar do vírus Zika

img3

Mosquito Aedes Aegypti (imagem: Getty Images)

A diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, anunciou hoje (28) a criação de um comitê de emergência para tratar do vírus Zika. O grupo deve se reunir na próxima segunda-feira (1º) em Genebra para tratar, entre outros assuntos, do aumento de casos de malformações em bebês e de doenças neurológicas possivelmente associado à infecção.

De acordo com a OMS, o comitê também deve definir se a epidemia do vírus Zika constitui emergência em saúde pública de importância internacional, como aconteceu na recente epidemia de ebola detectada na África Ocidental. Leia mais

Obama combaterá Estado Islâmico em outros países além da Síria e Iraque
O presidente norte-americano, Barack Obama, garantiu que os Estados Unidos vão combater o grupo extremista Estado Islâmico em outros países além da Síria e do Iraque, se necessário, destacando o crescente foco na Líbia.

Obama convocou o Conselho de Segurança Nacional para discutir a situação na Líbia, devido ao temor de que um vazio de governança no país norte-africano o torne vulnerável à presença do Estado Islâmico. Saiba mais

Cientistas australianos descobrem maior sistema solar do universo
Um grupo de cientistas descobriu o maior sistema solar do universo conhecido, formado apenas por um planeta e uma estrela – separados por bilhões de quilômetros de distância. As informações são de fontes acadêmicas da Universidade Nacional Australiana.

Ao longo das investigações, a equipe descobriu que o planeta tem massa 12 vezes superior à de Júpiter e orbita ao redor de uma estrela anã chamada TYC 9486-927-1. Saiba mais

Compartilhe

Confira as notícias mais importantes da semana de 11 de janeiro de 2016

Mariana Nadai | 15/01/2016

Saiba quais notícias foram destaque nesta semana e estude para as provas.

Uma em cada quatro crianças que vivem em áreas de conflito não frequenta escola

criancas-sirias-escola-barracao

Crianças sírias em escola improvisada em campo de refugiados (Foto: Carl Court/Getty Images)

Uma em cada quatro crianças (quase 24 milhões) que vivem em 22 países afetados por conflitos não frequenta a escola, de acordo com estudo feito pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

No Sudão do Sul, mostra o estudo, vive a maioria das crianças sem escolarização, já que metade (51%) dos menores com idade para frequentar o ensino primário e secundário não vai à escola. Leia mais

Papa pede que Europa se mantenha aberta aos migrantes
O papa Francisco pediu hoje (11) aos governos europeus que continuem a acolher os migrantes, como “um farol de humanidade”, apesar dos receios de segurança suscitados pelo fluxo inédito de pessoas.

Em discurso aos embaixadores acreditados no Vaticano, o papa disse que “os receios relativos à segurança são importantes e aumentaram consideravelmente com a crescente ameaça do terrorismo internacional”. Saiba mais

Afeganistão, Paquistão, China e Estados Unidos discutem processo de paz afegão
Representantes do Afeganistão, Paquistão, China e Estados Unidos se reuniram com o objetivo de avançar nas negociações pelo processo de paz entre o governo afegão e os talibãs.

Este primeiro encontro faz parte de um “esforço coletivo para facilitar a retomada do processo de reconciliação afegão e coordenar (…) esforços para fazer o processo avançar”, afirmou o assessor de segurança paquistanês, Sartaj Aziz, no início da reunião, em um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Paquistão. Saiba mais

Primeira grande epidemia de Zika no mundo acontece no Brasil, diz infectologista

aedes-aegypti

Mosquito do Aedes aegypti, transmissor do Zika vírus (Foto: Thinkstock)

Um dos mais respeitados infectologistas do país, o professor e ex-diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e coordenador de Controle de Doenças da Secretaria da Saúde de São Paulo, Marcos Boulos, acredita que o país vive atualmente a maior epidemia já registrada no mundo por vírus Zika.

“Houve poucas epidemias no mundo. A primeira grande epidemia de Zika está acontecendo agora no Brasil”, disse. O especialista defendeu o combate sistemático ao mosquito Aedes aegypti, transmissor não apenas do vírus Zika, mas também da dengue e da febre chikungunya. Leia mais

 

 

 

Compartilhe

Confira as notícias mais importates da semana de 4 de janeiro de 2016

Mariana Nadai | 08/01/2016

manifestacao-contra-bomba-coreia-norte

Manifestantes fazem protesto após anúncio de teste com bomba de hidrogênio feito pela Coreia do Norte (foto: Chung Sung-Jun/Getty Images)

Coreia do Norte anuncia teste com bomba de hidrogênio
Na quarta-feira (6), o governo norte-coreano informou ter feito, com sucesso, o seu primeiro teste com uma bomba de hidrogênio, dando um passo significativo no desenvolvimento do programa nuclear. “O primeiro teste com bomba de hidrogênio da República foi realizado com sucesso às 10h [hora local] do dia 6 de janeiro de 2016, baseado na determinação estratégica do Partido dos Trabalhadores”, anunciou a televisão estatal.

O anúncio recebeu a condenação de diversos países, entre eles os Estados Unidos, a China, Coreia do Sul, França e o Japão. A presidenta da Coreia do Sul, Park Geun-Hye, considerou o teste nuclear uma “grave provocação” e ameaça à segurança nacional. Ela pediu sanções internacionais “severas” ao país. O Conselho de Segurança das Nações Unidas divulgou um comunicado informando que “condena veementemente” novos testes nucleares da Coreia do Norte e que pode implementar novas sanções contra Pyongyang.

Pelo menos 20 corpos de migrantes são encontrados na costa da Turquia
Pelo menos 20 migrantes, entre eles várias crianças, morreram na última terça-feira (5) em dois naufrágios ao largo da costa ocidental da Turquia, quando tentavam alcançar as ilhas gregas, informou a agência de notícias turca Dogan. A primeira embarcação partiu da região de Dikili (Oeste), tendo como destino a ilha grega de Lesbos e naufragou, com 22 pessoas a bordo, devido aos fortes ventos no Mar Egeu. Leia mais

Alemanha recebeu 1,1 milhão de pedidos de asilo em 2015
A Alemanha recebeu 1,1 milhão de pedidos de asilo, segundo comunicado do Gabinete Federal das Migrações e dos Refugiados (Bamf, na sigla em alemão). Os sírios representaram quase 40% do total. Saiba mais

Número de mortes por conflitos no campo em 2015 é o maior em 12 anos
O número de assassinatos decorrentes de conflitos no campo em 2015 foi o maior dos últimos 12 anos no Brasil, com 49 mortes registradas, a maior parte na Região Norte, de acordo com os dados de um balanço anual da questão agrária divulgado pela Comissão Pastoral da Terra (CPT). Leia mais

Presidente da Venezuela nomeia novo governo
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, nomeou nessa quarta-feira (6) um novo governo, que deverá “enfrentar a crise econômica” e um Parlamento dominado pela oposição. Na declaração, Maduro anunciou também a nomeação de Aristóbulo Isturiz para vice-presidente do governo do país. Saiba mais

Tabela periódica ganha quatro novos elementos químicos
A tabela períodica ganhou quatro novos elementos químicos, conforme anunciado pela União Internacional de Química Pura e Aplicada (IUPAC). Por enquanto, os elementos são identificados por nomes temporários e pelos números atômicos 113, 115, 117 e 118, mas deverão ganhar nomes e símbolos permanentes. A IUPAC convidou os descobridores dos elementos do Japão, Rússia e Estados Unidos para apresentarem sugestões. Leia mais

Compartilhe

Retrospectiva 2015: Confira os cinco fatos mais importantes do ano no mundo

Ana Lourenço | 31/12/2015

*por Fabio Sasaki


Refugiados são escoltados em campo pela polícia, na Eslovênia. Foto: Jeff J. Mitchell/Getty Images

Jornal francês Charlie Hebdo é alvo de atentado

No dia 7 de janeiro, dois homens armados invadiram a sede do jornal satírico Charlie Hebdo, em Paris, matando 12 pessoas. O atentado aconteceu durante a reunião editorial da equipe do jornal e teve como alvo alguns dos principais cartunistas da França. A motivação para o ataque teria sido a publicação de charges e artigos que ridicularizavam a figura do profeta Maomé e dos fundamentalistas islâmicos.

Dois dias depois, os atiradores foram mortos – eram dois irmãos franceses de origem argelina, supostamente membros da Al Qaeda na Península Arábica. Os atentados provocaram comoção mundial. Em 11 de janeiro, 1,5 milhão de pessoas saíram às ruas de Paris para homenagear as vítimas e manifestarem-se a favor da liberdade de expressão.

>> Retrospectiva: Veja os cinco fatos mais importantes do ano no Brasil

Potências fecham acordo nuclear com o Irã

No dia 14 de julho, o Irã e as principais potências mundiais assinaram um acordo histórico para restringir o alcance do programa nuclear iraniano. A conclusão das negociações coloca um ponto final em um impasse que já durava desde 2001, quando a comunidade internacional descobriu que o Irã mantinha um programa de enriquecimento de urânio.

Em termos gerais, o acordo determina que o Irã terá sua atividade nuclear monitorada e restrita. Alguns dos principais termos do documento estabelecem que o país reduzirá em dois terços o número de centrífugas em suas usinas durante 15 anos e reduzirá seu estoque de urânio enriquecido. Em contrapartida, serão gradualmente retiradas as sanções que provocaram perdas significativas na economia iraniana.

Número de refugiados é o maior desde a II Guerra

Em 2015, o mundo enfrentou a mais grave crise migratória desde a II Guerra Mundial. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), existem mais de 60 milhões de refugiados em todo o planeta.

A crise ganhou enorme visibilidade na Europa. Mais de 300 mil pessoas tentaram cruzar o Mar Mediterrâneo para chegar ao Velho Continente em 2015. A maioria dos refugiados vem da África e do Oriente Médio, fugindo de perseguições políticas e guerras, como a que castiga a Síria desde 2011. Como a travessia é feita em embarcações precárias e superlotadas, os naufrágios são frequentes. Durante o ano, cerca de 3 mil pessoas morreram afogadas no Mar Mediterrâneo. Entre as vítimas está o garoto sírio Aylan Kurdi – a imagem de seu corpo estendido na praia turca de Bodrum comoveu o mundo e simbolizou o drama dos refugiados em 2015.

A Alemanha se dispôs a acolher até 1 milhão de refugiados, mas nações como Hungria, Eslovênia e Áustria resistem em deixar que os estrangeiros cruzem as fronteiras e dificultam sua movimentação pelo continente, agravando a crise.

Estado Islâmico realizam atentados em Paris

No dia 13 de novembro, Paris voltou a ser alvo de atentados terroristas. A organização fundamentalista Estado Islâmico (EI) realizou uma série de ataques simultâneos na capital francesa, que deixou 127 mortos e mais de 180 feridos. Os ataques atingiram seis locais diferentes – bares, restaurantes, uma casa noturna e a entrada do Stade de France. Nos dias seguintes à tragédia, Bruxelas, capital da Bélgica, entrou em alerta máximo devido a suspeitas de atentados terroristas.

Os ataques dão uma nova dimensão ao EI, que, desde 2014 vem expandindo as áreas sob seu controle no Iraque e na Síria. Após o episódio, a França intensificou os bombardeios a bases do EI no Oriente Médio. Em resposta, o grupo extremista ameaçou realizar outros atentados em cidades europeias.

Líderes mundiais assinam acordo ambiental em Paris

No dia 12 de dezembro, representantes de 195 países assinaram o Acordo de Paris durante a 21ª Conferência Geral das Partes (COP-21), realizada na capital francesa. Trata-se do mais abrangente entendimento ambiental desde o Protocolo de Kyoto, assinado em 1997. O acordo também representa um marco histórico, pois obriga todos os países a apresentar metas para reduzir as emissões de carbono – até então apenas os países ricos tinham este compromisso.

O objetivo é que todos os países signatários organizem estratégias para limitar o aquecimento médio do planeta em 1,5 graus centígrados até 2100. No entanto, o acordo é criticado por não criar mecanismos que obriguem o cumprimento dessas metas. Mesmo com alguns pontos estabelecidos em termos genéricos, o documento é considerado a melhor oportunidade para que os países trabalhem de forma conjunta e tentem minimizar os efeitos do aquecimento global.

Compartilhe