Guia do Estudante

Cinco estrelas: conheça o curso de Gestão Ambiental da USP

Malú Damázio | 11/01/2016

(Imagem: Thinkstock)

Já pensou em um curso que una disciplinas das áreas de Biológicas, Exatas e Humanas? A graduação em Gestão Ambiental da Universidade de São Paulo (USP) é assim. Durante as aulas, os estudantes aprendem tópicos dos três campos do conhecimento, para pensar em soluções sustentáveis para o ambiente. O papel deste profissional é elaborar e gerir projetos de conservação e manejo do meio ambiente; realizar estudos de possíveis impactos ambientais que podem ser causados por obras e construções; certificar a atuação de empresas neste ramo e fornecer consultoria a elas. Ele também pode desenvolver atividades de educação ambiental em instituições públicas e privadas e também no terceiro setor, sendo que a maior parte das oportunidades está ligada à área de marketing empresarial.

O curso da USP funciona na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), em Piracicaba, no interior de São Paulo, é noturno e tem duração mínima de quatro anos. O ingresso na universidade se dá por meio da Fuvest, processo seletivo próprio, e também pelo Enem, via Sisu. Larissa Lopes, aluna do oitavo período, ressalta que a graduação aborda o ambiente de forma multidisciplinar. “O curso de Gestão Ambiental atendeu às minhas expectativas por ser bem holístico. Sempre me interessei pela área e resolvi estudar algo que aumentasse minhas ferramentas para ajudar a minimizar os impactos causados pela ação humana ao meio ambiente.” Para quem deseja morar na capital paulista, a instituição também oferece a carreira na Escola de Artes, Ciências e Humanidades (Each USP), localizada na zona leste de São Paulo.

Pedro Simões, estudante do sexto semestre, conta que a primeira impressão do campus de Piracicaba pode ser um pouco assustadora, porque há uma grande quantidade de prédios, alguns distantes dos outros. Mas o aluno lembra que é só uma questão de tempo até você se acostumar e adorar a universidade! “As aulas são espalhadas pelo campus e você meio que sente perdido nas primeiras semanas, mas, com o tempo, a Esalq vira sua casa. Hoje existem laboratórios completos e bem equipados, salas multimídia e bibliotecas vastas.”

Estrutura do curso
Durante o curso – primeiro do país a ser criado nesta área – os estudantes terão disciplinas como Administração de Recursos Humanos, Introdução às Ciências Sociais e Direito Ambiental, além de matérias do campo das Biológicas, que abrange temas como Botânica, Zoologia, Ecologia, Hidrologia, Microbiologia. Mas não pense você que as Exatas ficam de fora! Cálculo, Estatística, Contabilidade e Métodos Quantitativos são algumas das aulas que fazem parte do currículo. No entanto, na graduação ainda há poucas disciplinas voltadas a políticas públicas no setor ambiental, conta Pedro. “Outro tema que faz falta na grade são matérias voltadas para resolução de problemas ambientais”, diz.

Com base teórica forte, os estudantes de Gestão Ambiental da Esalq têm apenas algumas atividades em laboratório.  Larissa conta que as aulas que são dadas nesses espaços, como Botânica Geral e Microbiologia, contam com boa infraestrutura e equipamentos necessários para as práticas. “O professor é acompanhado por um ou mais monitores que nos ajudam a usar os instrumentos e esclarecem dúvidas que vão surgindo no decorrer da explicação.”

Mesmo com poucas disciplinas laboratoriais e aulas durante a noite, há várias oportunidades para colocar a mão na massa! Os professores programam visitas técnicas e trabalhos de campo no período diurno, para que os estudantes possam conhecer melhor o dia-a-dia de um profissional da área. Bruna Juliani, do sétimo período, diz que duas das matérias que mais oferece prática são Botânica Geral e Sistemática Ambiental. Se dentro do laboratório os alunos estudam de forma aprofundada as identificações botânicas, nas viagens eles podem ver de perto como elas crescem nos biomas Cerrado e Mata Atlântica. “Nós vamos para Cananeia, no interior do estado, em uma viagem bem legal que acontece já no primeiro ano do curso”, lembra Juliana Fiallos, também do sétimo semestre. Itirapina e Ilha Comprida são outros locais visitados pelos estudantes, além de São Paulo, Campos do Jordão e Angatuba.

(Imagem: Thinkstock)

Mão na massa!
Outra forma de conhecer o cotidiano de um profissional formado é através dos estágios fora da universidade. Bruna, que é estagiária em uma agência de bacias hidrográficas há um ano, ressalta que a experiência foi importante para definir a carreira, ela seguirá na área de gestão de recursos hídricos. “Desde o primeiro semestre já me engajei em um grupo de estágio, na área da botânica e sistemática de plantas medicinais, onde participei de projetos de levantamento taxonômico e etnobotânico de diversas espécies medicinais de Piracicaba e região. Agora, no meu atual trabalho, desenvolvo atividades administrativas financeiras no setor de cobrança pelo uso dos recursos hídricos.”

As pesquisas em laboratórios da USP também são um bom modo de descobrir outra área, a acadêmica. Foi o que o aluno do sétimo semestre Álvaro Marsola fez. Ele é estagiário e realiza iniciação científica no Laboratório de Análise Ambiental e Geoprocessamento da Esalq. “A experiência é excepcional. Lá, estou em contato com os projetos dos professores, com a rotina de um laboratório em seu dia a dia, além de poder executar meu projeto de iniciação científica”, diz. Seus planos são seguir na carreira de pesquisador e cursar mestrado e doutorado no campo de mudanças climáticas.

Para os estudantes, o ensino multidisciplinar da Esalq e as experiências universitárias, acadêmicas ou não, são as grandes vantagens do curso de Gestão Ambiental da USP. “Temos a possibilidade de participar de diversos grupos de extensão, laboratórios e estágios ao longo da graduação. Assim, o aluno não tem contato apenas com a sala de aula e, consequentemente, opinião do professor acerca de determinados temas, mas há a possibilidade de vivenciá-los, seja em debates e conversas com os colegas, seja no dia a dia dos seus estágios dentro e fora da universidade”, destaca Álvaro.

Palavra de Estudante

Bruna Juliani: “No campus de Piracicaba, desde o primeiro semestre, o aluno ingressante tem a oportunidade de participar dos diversos grupos de estágios da Esalq. Praticamente todos os meus colegas de turma estão realizando algum estágio, desde trabalhos na área de solos, hidrologia, botânica, laboratório de química, até atividades de educação ambiental na própria universidade. Há também oportunidades de intercâmbio, principalmente por meio dos convênios da USP com as universidades estrangeiras. Tenho muitos amigos do curso que participaram de programas de intercâmbio na França, Holanda, Estudos Unidos, Canadá, Dinamarca e Finlândia.”

Pedro Simões: “A melhor das experiências universitárias foi o meu intercâmbio para o Canadá. Observar como estão os países de primeiro mundo quanto a ações sustentáveis, seja no planejamento urbano, seja na obtenção de fontes de energia – e até mesmo em programas sociais e desenvolvimento tecnológico – e por fim fazer uma comparação com o nosso país, realmente mostra o quanto temos para crescer e evoluir em todos os setores. O que na verdade, a meu ver, são áreas de atuação para o gestor ambiental.”

Larissa Lopes: “Na Esalq, eu pude atuar em um projeto de extensão de Educação Ambiental voltado para alunos de ensino fundamental e médio. Tenho a oportunidade também de fazer parte de Bateria da Esalq USP, chamada To.Ba.L.Q, onde pude aprender a tocar tamborim e levar nosso música e alegria para os jogos que acontecem entre as atléticas, eventos ou até mesmo em ações sociais em asilos e para crianças com Síndrome de Down.”

Compartilhe

5 estrelas: Engenharia Agrícola na UFCG

Ana Lourenço | 05/01/2016

*por Lisandra Matias

Num país com grande vocação para o campo, como o Brasil, sempre há carência de bons profissionais formados nas carreiras agrárias. E a Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), na Paraíba, dá sua contribuição. O curso de Engenharia Agrícola é um dos melhores do país, avaliado com 5 estrelas pelo GUIA DO ESTUDANTE.

Aberto em 1977, ele é mais antigo do que a própria instituição, uma vez que sua origem está ligada à Universidade Federal da Paraíba (UFPB), da qual a UFCG se originou, em 2002. O bacharelado tem duração de quatro anos e 50 vagas são abertas semestralmente.

engenharia-agricola
Foto: Thinkstock

Professores e pesquisa

Um dos diferenciais do curso é a qualificação dos professores. Segundo o coordenador Luciano Saboya, todos os professores que ministram disciplinas associadas diretamente à Engenharia Agrícola são doutores.  A força da pós-graduação stricto sensu (mestrado e doutorado), com três linhas de pesquisa – Concentração em Irrigação e Drenagem, Processamento e Armazenamento e Construções Rurais e Ambientais – é outro atrativo. As pesquisas feitas lá acabam repercutindo em todo o curso e, muitas vezes, envolvem estudantes de graduação.

Infraestrutura e prática

Em relação às instalações físicas, o curso conta com seis laboratórios para práticas de instrumentações e máquinas nas áreas de construções rurais e ambiência, armazenamento e processamento de produtos agrícolas, irrigação e salinidade, sensoriamento remoto, engenharia de irrigação e drenagem.

Os alunos também se beneficiam da proximidade da universidade com o setor extrativista e com órgãos de pesquisa do setor agrícola, como a Embrapa Algodão, localizada em Campina Grande. Isso amplia as possibilidades de emprego para os graduandos e abre oportunidade de envolvimento em pesquisas.

Compartilhe

Você se interessa por Farmácia? Veja um curso cinco estrelas – o da UFG

Ana Lourenço | 22/12/2015

*por Lisandra Matias, com reportagem de Malú Damázio

As carreiras da área da saúde são essenciais em qualquer região do país. No centro-oeste, uma das graduações mais bem avaliadas é a da Universidade Federal de Goiás (UFG), que completou 70 anos em outubro de 2015. Ela é oferecida no campus Colemar Natal e Silva, em Goiânia (GO).

Pharmacy chemist woman in drugstore

Foto: Thinkstock

Mão na massa

Desde o primeiro semestre, os estudantes são estimulados a por em prática nos laboratórios os conhecimentos vistos em sala de aula. Ao longo da graduação, há seis estágios curriculares em diferentes campos de atuação do farmacêutico, como em unidades básicas de saúde, farmácias hospitalares e equipes multiprofissionais em programas de saúde da família.

Infraestrutura e parcerias

Grande parte das atividades é desenvolvida nas dependências da própria UFG: na farmácia universitária, em que medicamentos e cosméticos são manipulados e distribuídos; no centro analítico de controle de qualidade de alimentos e medicamentos, que atende a comunidade e empresas dos ramos alimentício e farmacoquímico; e no Laboratório Escola de Análises Clínicas Rômulo Rocha, que realiza exames de pacientes atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

O curso participa de atividades de extensão que, segundo a coordenadora Telma Alves Garcia, buscam levar serviços de atenção básica à comunidade. A graduação também possui convênios de intercâmbio com instituições do exterior e parcerias para estágio e desenvolvimento de pesquisas com empresas privadas dos setores industrial, cosmético e alimentício. “Com o propósito de preparar os estudantes para o ingresso no mercado de trabalho, promovemos atividades voltadas aos concluintes, como palestras de profissionais que atuam em empresas que, geralmente, recebem nossos alunos para o estágio ao final do curso”, conta.

Farmácia da UFG em números:

  • 422 alunos na graduação
  • 18% dos estudantes contam com bolsa de iniciação científica (pesquisa)
  • 159 professores
  • 90,5% doutores
  • 8% mestres
  • 320 projetos de pesquisa desenvolvidos por professores (anualmente)
  • 13 instituições estrangeiras parceiras para intercâmbio de alunos

Compartilhe

Oriente sua bússola, saiba onde fazer Engenharia Mecânica

Tati de Assis | 18/12/2015

 

Uma das atribuições do engenheiro mecânico é projetar sistemas de refrigeração (Créditos: Morgue File)

Uma das atribuições do engenheiro mecânico é projetar sistemas de refrigeração (Créditos: Morgue File)

 

O bacharel em engenharia mecânica desenvolve, projeta e supervisiona a produção de máquinas, equipamentos, veículos, sistemas de aquecimento e outras ferramentas específicas da indústria mecânica.

Par dar conta de tanta coisa, o curso é bem puxado, com duração de cinco anos. Além das disciplinas básicas das engenharias, os alunos encaram diferentes áreas da Física, como termodinâmica, mecânica dos fluidos e transmissão de calor. Estágio supervisionado e monografia são obrigatórios.

>> Saiba mais sobre o curso e a carreira de Engenharia Mecânica

Os postos de emprego estão concentrados nas indústrias automobilística e aeronáutica, mas há vagas em outros setores. Se quiser, você pode se aventurar em usinas geradoras de energia e plataformas para extração de petróleo. Que tal?

Se você gostou da descrição geral do curso, dê uma olhadinha na tabela abaixo com as melhores faculdades. Acerte o passo e se prepare.

 

Faculdade Estrelas
(DF) Brasília – UnB ★★★★★
(PA) Belém – UFPA ★★★★★
(RS) Porto Alegre – UFRGS ★★★★★
(SC) Florianópolies – UFSC ★★★★★
(SP) Campinas – Unicamp ★★★★★
(SP) São Carlos – USP ★★★★★
(SP) São José dos Campos – ITA

*Eng. Mecânica-aeronáutica

★★★★★
(SP) São Paulo (USP)

 

★★★★★

Compartilhe

Ranking Guia do Estudante: As melhores escolas Ciências Contábeis

Tati de Assis | 14/12/2015

 

O trabalho do contabilista auxilia na saúde financeira de uma empresa (Créditos: Morgue File)

O trabalho do contabilista auxilia na saúde financeira de uma empresa (Créditos: Morgue File)

 

Antes da lista das faculdades cinco estrelas, uma perguntinha: você sabe o que o contabilista faz? Pois bem, ele coordena e controla os registros de negócios de uma empresa (compras, vendas, investimentos e aplicações), de modo a dar uma visão precisa do patrimônio. 

Para dar conta de tamanha responsabilidade, o curso é bem puxado. Nos primeiros semestres, o estudante se depara com disciplinas como sociologia, economia, direito e administração. Depois, aparecem matérias voltadas para a formação técnica e gerencial, como teoria da contabilidade, planejamento e contabilidade financeira. A duração é de quatro anos.

>> Saiba mais sobre o curso e a carreira de Ciências Contábeis

O contabilista está em alta no mercado de trabalho com a adoção das Normas Internacionais da Contabilidade. Há ofertas em empresas privadas e em órgãos do setor público. Há também a possibilidade de prestar consultoria para pequenas e médias empresas.

As melhores faculdades estão concentradas no Sudeste. Se você mora em outra região, mas quer estudar nestas escolas, prepare o coração (e o bolso) para mudança. Boa preparação.

 

Faculdade Estrelas
(DF) Brasília – UnB ★★★★★
(ES) Vitória – Fucape

*Ciências Contábeis (Contador Global)

★★★★★
(MG) Belo Horizonte – PUC Minas ★★★★★
(MG) Belo Horizonte – PUC Minas ★★★★★
(MG) Viçosa – UFV ★★★★★
(PR) Curitiba – UFPR ★★★★★
(PR) Londrina – UEL ★★★★★
(RJ) Rio de Janeiro – IBMEC-RJ ★★★★★
(RJ) Rio de Janeiro – UFRJ ★★★★★
(RN) Natal – UFRN ★★★★★
(RS) Caxias do Sul – UCS ★★★★★
(RS) Santa Maria – UFSM ★★★★★

Compartilhe