Guia do Estudante

Cinco estrelas: conheça o curso de Física da USP

Carolina Vellei | 20/04/2014

Gostar de ciências e de descobrir como o universo funciona são características de quem se interessa pela física. Entender leis e propriedades da matéria pode parecer difícil, mas quem está na área garante que vale a pena se esforçar para fazer o que gosta. Quem garante isso são estudantes da Universidade de São Paulo (USP) que fazem Física. O curso tem conceito máximo na avaliação do GUIA DO ESTUDANTE e está entre as melhores do Brasil tanto pela infraestrutura de pesquisa como pela qualidade do corpo docente.

“Escolhi física porque quero colaborar para descobrir coisas novas e úteis a todas as pessoas”, conta Bruno Morais Javarez. Ele é aluno do primeiro ano do curso de bacharelado e está animado para ajudar a valorizar a área de física, que segundo ele, não é tão priorizada hoje. “Preferi a USP porque ela poderia me oferecer mais oportunidades para realização do meu objetivo”, explica.

Karoline Penteado sempre quis fazer Física, mas nunca teve coragem de assumir esse sentimento até que encontrou um professor no Ensino Médio que a incentivou a seguir esse sonho. “Sempre quis estudar na USP, porque ela é uma das melhores”, conta. Ela está no primeiro ano de Física, com habilitação em licenciatura.

No campus São Paulo, o Instituto de Física (IF) oferece o curso de bacharelado e de licenciatura em Física, distribuídos no período diurno e noturno. Existem várias habilitações, que podem ser consultadas diretamente no site da USP. O acesso ao curso se dá por meio do vestibular, aplicado anualmente pela Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest).

O dia da matrícula no Instituto de Física da USP. (Foto: Arquivo Pessoal/Bruno Morais Javarez)

O dia da matrícula no Instituto de Física da USP. (Foto: Arquivo Pessoal/Bruno Morais Javarez)

Recepção dos Calouros

Os alunos aprovados são recepcionados pelos veteranos com muita festa. É tradição nos cursos da USP a organização de comissões responsáveis por dar as boas vindas aos calouros. No IF, quem organiza é o Centro Acadêmico e a Atlética. “E por quem mais quiser ajudar também, claro”, conta Vitor Gonçalves, aluno do 5º ano do curso de bacharelado em Física. Ele faz parte da Atlética e também toca na bateria da Física. “Todos nós conseguimos imaginar como deve ser difícil entrar em um novo universo, sair da casa dos pais, mudar de cidade… E ainda começar a estudar Cálculo! Anualmente nos esforçamos para fazer do trote uma atividade saudável: uma desculpa pra todos se conhecerem e virarem amigos”, garante o veterano.

Até os pais podem participar da integração, como conta Karoline: “Meu pai veio comigo porque eu sou menor de idade e ficou o dia inteiro curtindo a felicidade do dia aqui comigo! Teve futebol de sabão, churrasquinho, guache e lama. Me pintaram inteira e me encheram de lama, mas eu estava achando tudo legal e engraçado”, disse. Quem não quer se sujar tem liberdade para dizer isso e participar de outras atividades. “Os veteranos respeitaram muito a gente e se esforçaram para proporcionar a integração do pessoal. Eles perguntavam sobre quem queria levar o trote e quem não queria”, explica Bruno.

Atividades extracurriculares

Um dos pontos positivos do curso de Física na USP é amplo leque de atividades extracurriculares que os alunos podem se engajar. De xadrez à rugby, passando pelo atletismo e a bateria, tudo é explicado para os calouros durante a Semana de Recepção, que também é organizada pelos próprios estudantes. “Estou treinando futsal agora e também estou frequentando as reuniões da bateria, que é uma das melhores da USP”, comenta Bruno com orgulho. Para o veterano Vitor, atividades extracurriculares podem ajudar de várias formas: desde relaxar um pouco dos estudos, até a aprender a lidar com pessoas, entender como as entidades se organizam e ver como todos podem construir algo coletivamente. “O papel da Universidade é formar cidadãos completos. Eu melhorei muito como pessoa e devo isso a tudo que fiz na Física além de resolver exercícios”, revela.

Seu colega Eduardo Soci Rehder, do primeiro ano, entrou para o time de basquete. Para ele, fazer esportes ajuda a relaxar das aulas de Cálculo, que são dadas desde o começo do curso. “Me disseram que Cálculo 1 é bem puxado, mas os professores são muito bons e os veteranos se organizaram para ajudar os calouros por meio de aulas de reforço”, diz Eduardo.

Disciplinas da graduação

No primeiro semestre, os alunos de bacharelado têm aulas de Cálculo Diferencial e Integral I, Introdução à Física, Física Experimental I e Vetores e Geometria. Na licenciatura, eles começam com Ótica, Fundamentos de Mecânica, Introdução às Medidas Físicas (laboratório), Cálculo l e Geometria Analítica. A grade completa, com as disciplinas de todos os semestres, pode ser consultada no site da USP.

O começo é bem puxado e Bruno explica por que: “Temos que ter uma base bem forte nesse início pra darmos conta das coisas mais à frente. A física precisa de uma formalização matemática muito grande e, por isso, eles dão tanto enfoque nesse início”. Vitor, que já está no 5º ano, diz que já reprovou algumas vezes, mas que isso “não é um bicho de sete cabeças como pintam por aí”. Para ele, é um sinal de que o estudante precisa rever a matéria com mais calma e nada que um pouco mais de empenho não resolva. Segundo ele, os professores aplicam provas de recuperação nas férias e os próprios alunos se organizam em grupos de estudos para se ajudarem.

Palavra dos estudantes:

“Tente entender se você tem paixão por isso. A física é que nem aquele seu parente que você vive brigando, mas não consegue ficar longe. Não é fácil, mas nada que um misto de amor e dedicação não resolva. Você sabe que escolheu certo quando olha para o quadro, vê aquele monte de equações e gráficos e sorri feito bobo, enxergando a beleza por trás daquilo tudo. Quando começa a ver física em detalhes que não via antes. É isso que te faz ter a certeza e pensar ‘é isso o que vou fazer no resto da minha vida’” (Vitor Gonçalves)
 “Se você quer física, faça. O curso é o máximo e não há nenhum que se aproxime. Se as pessoas falarem para você não fazer ou que é difícil e afins, não desista, esteja disposto! E que venha todo mundo pra Física”. (Karoline Penteado)
“Eu acho que se você gosta muito de algo, deve pelo menos tentar, não deve desistir porque as pessoas falam que vai ser difícil”. (Eduardo Soci Rehder)
“O mais importante na época do vestibular é tentar procurar seus objetivos de vida. Tentar entender com o que você realmente se identifica. A física é muito mais ampla do que a gente aprende na escola. A gente estuda desde o macrocosmo até o microcosmo e isso é muito significativo, é muito bonito. Felizmente cada pessoa tem um objetivo diferente e, se você gosta de estudar as leis naturais no seu interior, e quer vivenciar tudo isso nos laboratórios, então a física é seu lugar. A USP é muito completa nesse sentido, te oferece desde professores e palestrantes renomados, até laboratórios e uma biblioteca bem completos”. (Bruno Morais Javarez)

Compartilhe

Os melhores cursos de Arqueologia do Brasil

Amanda Previdelli | 11/04/2014

arqueologia

Arqueologia é a ciência que estuda as sociedades humanas por meio de objetos fabricados e utilizados no passado.

Para o arqueólogo, materiais e objetos antigos contam a história de culturas do passado. Com conhecimento de história, observa marcas deixadas num território e, assim, compreende como ele foi ocupado. Com isso, ele traça hipóteses e teorias sobre a evolução das sociedades.

Ele pode trabalhar em centros de pesquisa, universidades, e também como consultor na elaboração de relatórios de sítios arqueológicos, antes da construção de grandes empreendimentos, como hidrelétricas, gasodutos, rodovias ou indústrias.

O currículo do curso engloba disciplinas específicas, como pré-história, história da sociedade brasileira e cartografia. Há aulas, também, de sociologia, filosofia e estatística. As disciplinas práticas são realizadas desde o primeiro ano em parques naturais e sítios arqueológicos. Parte da carga horária pode ser cumprida nos laboratórios de documentação de acervos.

Confira os melhores cursos:

Faculdade Estrelas
(SE) Laranjeiras – UFS ★ ★ ★ ★
(GO) Goiânia – PUC Goiás ★ ★ ★
(PI) São Raimundo Nonato – Univasf-PI ★ ★ ★
(PI) Teresina – UFPI ★ ★ ★

* Dados do Guia do Estudante Profissões Vestibular 2014

Confira como fazemos a avaliação

Compartilhe

Os melhores cursos de Engenharia Naval do Brasil

Amanda Previdelli | 07/04/2014

navio

Engenharia naval é a área da engenharia que cuida do projeto, da construção e da manutenção de embarcações e seus equipamentos.

O engenheiro naval projeta a estrutura, os motores e os demais componentes de navios. Para isso, considera o uso a ser dado à embarcação, a quantidade de carga ou de passageiros a ser transportada, a distância a ser percorrida e o local de operação, se em rios, lagos, mares ou oceanos.

Esse curso possui dois anos de formação básica com muita física, matemática, computação e química. Em seguida, começam as matérias específicas das engenharias (mecânica de fluidos, termodinâmica e ciência e resistência dos materiais) e da formação profissionalizante (hidrodinâmica, estruturas navais, projeto e navio e plataformas marítimas, construção naval e transporte aquaviário).

Em aulas práticas de laboratório, o aluno constrói e testa modelos e maquetes estruturais, não só de embarcações tradicionais como também de submarinos e robôs subaquáticos. O estágio e o projeto de conclusão de curso são obrigatórios.

>> Compre o Guia do Estudante Profissões Vestibular 2014

Confira as melhores escolas:

Faculdade Estrelas
(RJ) Rio de Janeiro – UFRJ ★ ★ ★ ★ ★
(SP) São Paulo – USP ★ ★ ★ ★ ★

* Dados do Guia do Estudante Profissões Vestibular 2014

 

Confira como fazemos a avaliação

Compartilhe

UFRGS inclui disco “Tropicalia” na lista de leituras obrigatórias

Carolina Vellei | 31/03/2014

“Eu quis cantar
Minha canção iluminada de sol
Soltei os panos sobre os mastros no ar
Soltei os tigres e os leões nos quintais
Mas as pessoas na sala de jantar
São ocupadas em nascer e em morrer”
(Trecho de ‘Panis et Circencis’, composta por Caetano Veloso e Gilberto Gil)

Você com certeza já ouviu essa música. Se não lembra, ouça abaixo, na voz d’Os Mutantes:

A música faz parte do disco “Tropicalia ou Panis et Circencis”, lançado em 1968. Ele foi um marco na música brasileira e é considerado um “disco-manifesto” do tropicalismo, movimento de contestação que surgiu em pleno regime militar. Encabeçado por Caetano Veloso e Gilberto Gil, conta ainda com a participação de Tom Zé, Nara Leão, Gal Costa, Os Mutantes e do maestro Rogério Duprat.

Agora ele também faz parte da lista de leituras obrigatórias da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É a primeira vez que a instituição coloca uma obra sonora entre as exigências para o vestibular. No site oficial do Gilberto Gil você consegue ouvir o disco na íntegra e também ter acesso às letras.

tropicalia-ou-panis-et-circencis-1968-capa

Para o vestibular 2015, serão comprados outros onze autores. Além do disco, entraram na lista também a escritora portuguesa Lídia Jorge, com a obra A noite das mulheres cantoras; e os autores gaúchos Tabajara Ruas, com o livro O amor de Pedro por João, e Sergio Faraco, com o livro de contos Dançar tango em Porto Alegre.

Para ver a lista de obras completa, acesse o site da comissão de vestibular da UFRGS.

Comentários: nenhuma pessoa comentou

Categoria: Sem categoria

Compartilhe

Os melhores cursos de Música do Brasil

Amanda Previdelli | 31/03/2014

20121226-Musicoterapia

O curso de Música compreende a arte e a técnica de criar melodias combinando ritmos e sons vocais, instrumentais, acústicos ou eletrônicos. O profissional da área pode compor, reger e interpretar obras eruditas e populares.

Como compositor, cria peças e anota0as em partituras para serem executadas por instrumentistas e cantores. Como arranjador, faz versões de uma peça musical. Como maestro, dirige orquestras, bandas, conjuntos instrumentais e vocais. Já como intérprete, pode se especializar na execução de determinado instrumento ou dedicar-se ao canto.

O curso exige uma disciplina diária de estudo e, na maioria das escolas, alguma vivência no campo musical são pré-requisitos básicos para quem pretende ingressar. O processo de ingresso inclui teste de conhecimentos gerais sobre a área e uma prova de aptidão, nos quais são avaliadas a técnica e a habilidade em Música.

A matriz curricular tem disciplinas como história da música e da arte e percepção musical. O bacharelado oferece várias habilitações, como canto, composição, regência e instrumento.

>> Compre o Guia do Estudante Profissões Vestibular 2014

Confira onde estão os melhores cursos:

Faculdade Estrelas
(MG) Belo Horizonte – UFMG ★ ★ ★ ★ ★
(RS) Porto Alegre – UFRGS ★ ★ ★ ★ ★
(SP) São Paulo – Unesp ★ ★ ★ ★ ★
(SP) São Paulo – USP ★ ★ ★ ★ ★
(BA) Salvador – UFBA ★ ★ ★ ★
(DF) Brasília – UnB ★ ★ ★ ★
(GO) Goiânia – UFG ★ ★ ★ ★
(MG) Belo Horizonte – Uemg ★ ★ ★ ★
(MG) Uberlândia – UFU ★ ★ ★ ★
(PB) João Pessoa – UFPB ★ ★ ★ ★
(PR) Curitiba – UFPR ★ ★ ★ ★
(PR) Maringá – UEM ★ ★ ★ ★
(RJ) Rio de Janeiro – UFRJ ★ ★ ★ ★
(RJ) Rio de Janeiro – Unirio ★ ★ ★ ★
(RN) Natal – UFRN ★ ★ ★ ★
(RS) Pelotas – UFPel ★ ★ ★ ★
(RS) Santa Maria – UFSM ★ ★ ★ ★
(SC) Florianópolis – Udesc ★ ★ ★ ★
(SP) Campinas – Unicamp ★ ★ ★ ★
(SP) Ribeirão Preto – USP ★ ★ ★ ★
(SP) São Paulo – Fasm ★ ★ ★ ★

*Dados do Guia do Estudante Profissões Vestibular 2014

* Veja como fazemos a avaliação

Comentários: nenhuma pessoa comentou

Categoria: Música

Tags: ,

Compartilhe