Guia do Estudante

Posts da categoria ‘Correção’

Análise de mais uma redação: A persistência do racismo

Ana Lourenço | 22/07/2016

Com base na proposta da semana passada (acesse aqui), os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema “A persistência do racismo na sociedade brasileira”. Já publicamos a primeira correção de um dos textos enviados pelos nossos leitores, que você pode acessar aqui. Leia agora a segunda redação e, em seguida, a análise feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie.

marcha-genocidio-povo-negro
Marcha Nacional contra o Genocídio do Povo Negro (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

Herança da escravidão

A escravidão negra no Brasil deixou marcas profundas na sociedade que persistem até hoje, visto que perseguições contra negros nas redes sociais e nas ruas são comuns, outro retrato desse racismo persistente é a marginalização do negro no país.

Em julho de 2015 a jornalista Maria Júlia, do Jornal Nacional, foi atacada através das redes sociais com comentários racistas na ocasião uma grande mobilização foi feita no país, mas infelizmente a situação se repete todos os dias com anônimos que não recebem a mesma atenção e seus agressores saem impunes graças ao suposto anonimato que a internet oferece. 

O racismo no Brasil vai além de ofensas discriminatórias do dia a dia sabendo que nem todos tem a coragem de dizer o que pensam. Após a assinatura da Lei Áurea, em 1888, o negro foi jogado de lado a margem da sociedade e teve que lutar muito para conquistar seu espaço. Cerca de 60% da população carcerária no país é negra, dados como esse revelam as dificuldades que os mesmos enfrentam no acesso à educação, saúde e a moradia de qualidade.

Desse modo, deve se instituir como pena que aqueles que forem flagrados profanando ofensas raciais a prestar serviço comunitário em comunidades carentes, de maioria negra para os mesmos verem que não há diferença nenhuma e são todos seres humanos. Além disso, campanhas de conscientização devem ser feitas nas escolas infantis para educar crianças desde pequenas contra o racismo.

Quer ver a análise da sua redação publicada no blog na semana que vem? Então desenvolva o texto com base na proposta desta semana, Rio 2016: O legado olímpico, até domingo (24). Atenção: não serão corrigidas redações com outros temas!

Análise da proposta:

A proposta de redação pede a produção de um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema A persistência do racismo na sociedade brasileira. Esse gênero de texto consiste na defesa de uma ideia por meio de argumentos e explicações e o objetivo central é convencer o leitor de seu ponto de vista.

A estrutura do texto dissertativo-argumentativo deve possuir introdução, desenvolvimento e conclusão. Na introdução o candidato deve contextualizar o tema abordado e já assumir um ponto de vista. No desenvolvimento, apresentar os argumentos. O candidato precisa ficar atento para não copiar os textos motivadores na hora da argumentação, e se utilizar citações, é necessário usar aspas e identificar o autor. Como o objetivo é convencer quem está lendo, espera-se do candidato um bom embasamento e capacidade de persuasão. Além disso, a construção do texto precisa ser coesa e coerente, respeitando uma ordem lógica. Ao concluir, é necessário apresentar uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos e que seja possível de ser realizada.

Fuga ao tema, desrespeito aos direitos humanos e descumprimento do gênero dissertativo-argumentativo podem anular a redação do Enem. Não cometa esse erro!

>> Veja aqui algumas dicas para melhorar sua redação

Análise da redação do aluno:

É importante que o estudante treine a argumentação e gramática. Revisar as características do gênero dissertativo-argumentativo e o que escrever em cada parte (introdução, desenvolvimento e conclusão) também é essencial para não prejudicar a estrutura do texto. Antes de redigir, faça tópicos do que irá abordar, assim fica mais fácil fazer a encadeação das ideias. E, por último, estudar mais coerência e coesão textual, pois são importantes na organização dos argumentos.

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta: O estudante cometeu alguns desvios ortográficos que devem ser evitados.

À margem: todas as locuções adverbiais femininas recebem acento indicador de crase.
Têm x tem: tem (acompanha sujeito na terceira pessoa do singular), têm (acompanha sujeito na terceira pessoa do plural).
Proclamar x Profanar: Proclamar (declarar em voz alta publicamente), profanar (violar algo que é sagrado).

Competência II – Compreender a proposta: O parágrafo de introdução é uma breve apresentação sobre o tema. É importante fazer a contextualização, usando um fato histórico, citação de autoridade de conhecimento. Mas também é importante expor o ponto de vista: a tese que será defendida ao longo do texto deve ficar explícita na introdução.

Competência III – Selecionar e relacionar argumentos:

Sobre a argumentação dos casos de racismo na internet (2° parágrafo): Sempre que defender o ponto de vista na argumentação, procure citar exemplos de fatos concretos, dados estatísticos, retirados de fontes sérias que validem o argumento. A argumentação deve ser pautada na consequência do tema e não na causa.

Ao redigir sobre um tema, faça pesquisa em fontes variadas de informação, isso refletirá na qualidade da argumentação. Deve-se evitar argumentos óbvios, desgastados. É importante trazer uma provocação ao debate.

Sobre a argumentação na proposta de intervenção (4° parágrafo): Sempre que apresentar um argumento, deve-se fazê-lo de modo imparcial, não é correto expor a opinião direta ou subjetiva do emissor (quem escreve).

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação:

Para introduzir os argumentos é necessário conhecer os elementos de coerência que irão ajudar a organizar tópicos frasais, transformar ideias em argumentos. O 3° parágrafo, por exemplo, deveria vir primeiro, sendo que aborda numa sequência a causa do racismo, e o parágrafo que exemplifica essa exposição viria depois. Faltou uma sequência linear na disposição dos argumentos.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema:

O parágrafo de conclusão é para apresentar uma solução para o problema abordado nos argumentos anteriores. Como mudar essa situação? Quem e como poderá mudar? Quem será o público-alvo dessa intervenção? Ao responder a essas questões, você estará apresentando a solução efetiva para o problema.

Nota: 720

Já viu a nova proposta de redação da semana? Acesse aqui para ver o tema: Rio 2016 – O legado olímpico. Você pode enviar seu texto até domingo (24).

Compartilhe

Análise de redação: A persistência do racismo

Ana Lourenço | 20/07/2016

Com base na proposta da semana passada (acesse aqui), os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema “A persistência do racismo na sociedade brasileira”. Leia abaixo uma das redações enviada por um de nossos leitores e veja, em seguida, a análise feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie.

racismo-brasil-marcha-mulheres
Marcha das Mulheres Negras Contra o Racismo (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

No Brasil, desde a colonização, há um processo de sincretismo, em que a cultura da nação sofre influência africana, europeia e indígena. Entretanto, devido ao eurocentrismo – grande valorização e hegemonia das tradições e das características do povo europeu – e ao papel do português como colonizador há, até hoje, uma exaltação de tudo que vem do branco e desprezo e preconceito pelo que é de origem negra, tornando um país de fortes influências africanas, racista, que mesmo ciente de tal flagelo, permanece excludente ao longo dos séculos.

Com o passado histórico brasileiro demarcado pela opressão étnica, o racismo, gerador de violência, ódio e discórdia, tornou-se um fator cultural de extrema prevalência no país e, por isso, deve ser urgentemente, combatido. Segundo Nelson Mandela: “Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar”. A partir dessa afirmação de um dos símbolos da luta contra a segregação de raças, há a comprovação de que a grande questão do preconceito é que valores de aversão à diversidade são doutrinados na sociedade e, para reverter a atual situação, é necessária uma mudança educacional que promova a igualdade e a harmonia.

Em virtude dessa discriminação amplamente difundida, a sociedade brasileira, em sua maioria, demonstra uma certa ojeriza pela produção cultural negra e pela estética da etnia, o que é explícito e reforçado pela mídia. Nos meios de comunicação de massa, como o cinema, a televisão e a internet, é visível a falta de espaço para a produção de origem afrodescendente e a ausência de papéis – principalmente de protagonistas – em filmes, séries e novelas para atores negros. Contudo, quando existem personagens disponíveis, são usados para a construção de estereótipos preconceituosos, a exemplo de negros retratados como criminosos ou trabalhadores de subempregos.

Fica evidente a necessidade de ação para a mudança do atual contexto de desigualdades entre raças, que continua assolando o país. Portanto, o Ministério da Educação deve realizar a inserção de tópicos fundamentais no currículo escolar para a formação cidadã, de modo a introduzir o estudo da história dos povos africanos – essencial para o entendimento da construção sincretista brasileira – e também deve ser discutido nas aulas de Sociologia a importância do negro na sociedade e o seu legado cultural. Além disso, o Ministério da Cultura deve usar de seus recursos para ampliar o incentivo à produção artística afrodescendente, que por meio de discussões inovadoras e personagens diferenciados, promova a diversidade da cultura e a desconstrução da imagem estereotipada que difama o negro.

Quer ver a análise da sua redação publicada no blog na semana que vem? Então desenvolva o texto com base na proposta desta semana, Rio 2016: O legado olímpico, até domingo (24). Atenção: não serão corrigidas redações com outros temas!

Análise da proposta:

A proposta de redação pede a produção de um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema A persistência do racismo na sociedade brasileira. Esse gênero de texto consiste na defesa de uma ideia por meio de argumentos e explicações e o objetivo central é convencer o leitor de seu ponto de vista.

A estrutura do texto dissertativo-argumentativo deve possuir introdução, desenvolvimento e conclusão. Na introdução o candidato deve contextualizar o tema abordado e já assumir um ponto de vista. No desenvolvimento, apresentar os argumentos. O candidato precisa ficar atento para não copiar os textos motivadores na hora da argumentação, e se utilizar citações, é necessário usar aspas e identificar o autor. Como o objetivo é convencer quem está lendo, espera-se do candidato um bom embasamento e capacidade de persuasão. Além disso, a construção do texto precisa ser coesa e coerente, respeitando uma ordem lógica. Ao concluir, é necessário apresentar uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos e que seja possível de ser realizada.

Análise da redação do aluno:

O estudante compreendeu bem o tema. O texto seguiu o tipo dissertativo cobrado no Enem, e o autor usou argumentos pertinentes que ratificaram o seu ponto de vista.

>> Veja aqui algumas dicas para melhorar sua redação

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta: A redação foi desenvolvida de acordo com a norma culta e não houve nenhum desvio ortográfico grave que comprometesse o texto.

Competência II – Compreender a proposta: Compreendeu a proposta e elaborou uma boa introdução, contextualizando bem o tema e o ponto de vista.

Competência III – Selecionar e relacionar argumentos: Soube selecionar os argumentos. Citou o ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela, que é um ícone da luta pela igualdade racial. Além de apontar como a mídia influencia na criação de estereótipos dos negros.

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação: As frases foram compostas coerentemente e o texto segue uma ordem lógica.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema: Apresentou boas propostas de intervenção (que não fugiram ao que foi abordado no texto), mostrando que a valorização e o conhecimento do legado cultural produzido pelo negro podem ajudar no combate ao racismo.

Nota: 900

Já viu a nova proposta de redação da semana? Acesse aqui para ver o tema: Rio 2016 – O legado olímpico. Você pode enviar seu texto até domingo (24).

Compartilhe

Análise de mais uma redação: Lixo e meio ambiente

Ana Lourenço | 13/07/2016

Com base na proposta da semana passada (acesse aqui), os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema “Gestão de resíduos na sociedade brasileira”. Já publicamos a primeira correção de um dos textos enviados pelos nossos leitores, que você pode acessar aqui. Leia agora a segunda redação e, em seguida, a análise feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie.

Lixo, meio ambiente e reciclagem
Imagem: iStock

Lar, doce lar?

Desde a segunda metade do século XVIII, o meio ambiente começou a sentir o impacto do novo modelo de produção (baseado na força motriz, nas máquinas e no sistema fabril). O famoso rio Tâmisa foi testemunha do desenvolvimento de Londres, alcançando por duas vezes na história o status de “rio biologicamente morto”. O afã por grande poder econômico, não raro no passado e no presente, suplantam os cuidados que são devidos ao meio ambiente para que haja, ao menos, a preservação do equilíbrio entre homem e natureza. O Brasil não se situa longe desse panorama na gestão de resíduos.

A “casa comum” – como foi chamada a terra pela campanha da fraternidade (movimento da Igreja Católica) – merece nossa atenção de maneira especial no tempo atual, em que o Brasil convive com os problemas de um rápido crescimento econômico. Menos da metade das unidades federativas possui programas de coleta seletiva de lixo. A reciclagem torna o resíduo reutilizável e se fosse implantada de maneira mais intensa e desenvolvida poderia contribuir para a diminuição das áreas destinadas a lixões de céu aberto, bem como diminuir o consumo de matérias primas por meio da reintrodução de materiais como plásticos e papéis no ciclo de produção.

Um outro aspecto que merece especial atenção é o grande volume de lixo tecnológico gerado pela febre contemporânea que legou ao Brasil um lugar dentre os maiores consumidores de celulares do planeta. São cerca de 50 toneladas de lixo eletrônico (contando-se ainda outros setores, além do de comunicações) que tendem a crescer, ainda mais, nos próximos anos. Contudo, de acordo com uma pesquisa da Dell, apenas 10% dos computadores descartados em todo mundo são destinados a reciclagem.

Acidentes como o de Mariana-MG e enchentes em diversas cidades (que praticamente já se tornaram normais aos noticiários) são exemplos de que há uma lacuna na consciência sobre a importância que se deve dar ao meio ambiente. A dita “casa comum” requer cuidados particulares, haja visto que, a espécie humana mora aí e precisa, assim como os demais animais, de condições específicas para viver de forma saudável. 

Os atuais 2,24% dos orçamentos estatais direcionados para a área ambiental deveriam ser dilatados e melhor administrados. O Ministério da Cultura poderia promover uma disseminação pelos veículos midiáticos (TV, rádio, jornais, outdoor etc) de propagandas que explicitem a importância da separação do lixo para a reciclagem e do combate à poluição do meio ambiente. Os governos estaduais deveriam ser mais empenhados em soluções dinâmicas para a questão ambiental servindo-se de pesquisas universitárias e subsídios federais para a manutenção de políticas de limpezas das cidades, reciclagem, monitoramento do descarte de resíduos industriais e, ainda, organização na coleta de resíduos tecnológicos como baterias, pilhas, celulares inutilizados etc. Estado e população devem se aliar na busca e manutenção diária da ordem na “casa comum”.

Quer ver a análise da sua redação publicada no blog na semana que vem? Então desenvolva o texto com base na proposta desta semana, A persistência do racismo na sociedade brasileira, até domingo (17). Atenção: não serão corrigidas redações com outros temas!

Análise da proposta:

A proposta de redação pede a produção de um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema Gestão de resíduos na sociedade brasileira. Esse gênero de texto consiste na defesa de uma ideia por meio de argumentos e explicações e o objetivo central é convencer o leitor de seu ponto de vista.

A estrutura do texto dissertativo-argumentativo deve possuir introdução, desenvolvimento e conclusão. Na introdução o candidato deve contextualizar o tema abordado e já assumir um ponto de vista. No desenvolvimento, apresentar os argumentos. O candidato precisa ficar atento para não copiar os textos motivadores na hora da argumentação, e se utilizar citações, é necessário usar aspas e identificar o autor. Como o objetivo é convencer quem está lendo, espera-se do candidato um bom embasamento e capacidade de persuasão. Além disso, a construção do texto precisa ser coesa e coerente, respeitando uma ordem lógica. Ao concluir, é necessário apresentar uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos e que seja possível de ser realizada.

Análise da redação do aluno:

O aluno compreendeu bem a proposta e expôs fontes externas, que corroboraram seus argumentos. O texto é coerente, coeso e escrito na norma culta.

>> Veja aqui algumas dicas para melhorar sua redação

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta: O estudante dominou bem a linguagem padrão.

Competência II – Compreender a Proposta: Compreendeu bem a proposta e soube argumentar para defender seu ponto de vista.

Competência III – Selecionar, relacionar argumentos: Introduziu bem, apresentando o tema e a tese. Defendeu bem sua tese, expondo conhecimento de mundo e fontes externas para validar os argumentos.

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação: O texto todo é muito bem construído e articulado. Os parágrafos foram muito bem relacionados.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema: Propôs uma solução coerente às ideias antes expostas, de maneira convincente e criativa em todos os âmbitos.

Nota: 920

Já viu a nova proposta de redação da semana? Acesse aqui para ver o tema: A persistência do racismo na sociedade brasileira. Você pode enviar seu texto até domingo (17).

Compartilhe

Análise de redação: Lixo e meio ambiente

Ana Lourenço | 12/07/2016

Com base na proposta da semana passada (acesse aqui), os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema “Gestão de resíduos na sociedade brasileira”. Leia abaixo uma das redações enviada por um de nossos leitores e veja, em seguida, a análise feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie.

Latas lixo reciclável
Imagem: iStock

Segundo Sartre, filósofo francês, o ser humano é livre e responsável; cabe a ele escolher seu modo de agir. Logo, com o avanço do sistema capitalista, recai sobre o homem o compromisso de tornar o mundo mais sustentável. No século XXI, a preocupação com a gestão de resíduos na sociedade brasileira, necessária para a melhoria da saúde pública, reflete essa realidade.

Com o advento do capitalismo, aliado, posteriormente, à globalização, a sociedade pós-moderna adquiriu características peculiares, como o consumo em excesso e irresponsável, a respeito do descarte irregular do lixo, notamos isso através das mídias e dos livros de sociologia. A falta ou a má gestão de resíduos no nosso país é fruto da ideia de que, pela extensão a qual Terra possui, o planeta é capaz de abrigar todo lixo produzido. Sendo assim, é preciso reeducar as pessoas em relação à sustentabilidade.

Como bem ilustrou um dos maiores físicos que já existiu, Isaac Newton, toda ação gera uma reação de mesma intensidade. No contexto do tema apresentado, a ação antrópica provoca reações que trazem consigo problemas aos seres humanos e ao ecossistema. A nós, a principal consequência gerada pela ausência da gestão do lixo, segundo o Ministério do Meio Ambiente, são as enchentes, que são causadas, na maioria das vezes, pelo entupimento de bueiros por sacolas plásticas e produtos industriais. O descarte irresponsável de metais pesados, por exemplo, leva peixes à morte.

A fim de atenuar o problema, o Ministério da Educação deve alterar a grade curricular dos alunos do ensino fundamental e médio, criando uma nova disciplina que aborde as questões relacionadas à sustentabilidade e à coleta seletiva, necessárias ao avanço. Além disso, o Governo Federal deve, aliado as Organizações não Governamentais (ONG´s), ligadas ao meio ambiente, aplicar campanhas de abrangência nacional junto às emissoras de televisão, como forma de estímulo à redução da falta de controle ao direcionamento dos resíduos.

Quer ver a análise da sua redação publicada no blog na semana que vem? Então desenvolva o texto com base na proposta desta semana, A persistência do racismo na sociedade brasileira, até domingo (17). Atenção: não serão corrigidas redações com outros temas!

Análise da proposta:

A proposta de redação pede a produção de um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema Gestão de resíduos na sociedade brasileira. Esse gênero de texto consiste na defesa de uma ideia por meio de argumentos e explicações e o objetivo central é convencer o leitor de seu ponto de vista.

A estrutura do texto dissertativo-argumentativo deve possuir introdução, desenvolvimento e conclusão. Na introdução o candidato deve contextualizar o tema abordado e já assumir um ponto de vista. No desenvolvimento, apresentar os argumentos. O candidato precisa ficar atento para não copiar os textos motivadores na hora da argumentação, e se utilizar citações, é necessário usar aspas e identificar o autor. Como o objetivo é convencer quem está lendo, espera-se do candidato um bom embasamento e capacidade de persuasão. Além disso, a construção do texto precisa ser coesa e coerente, respeitando uma ordem lógica. Ao concluir, é necessário apresentar uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos e que seja possível de ser realizada.

Fuga ao tema, desrespeito aos direitos humanos e descumprimento do gênero dissertativo-argumentativo podem anular a redação do Enem. Não cometa esse erro!

Análise da redação do aluno:

O texto do aluno foi muito bem escrito. Ele soube discutir o tema com um bom vocabulário e argumentos sólidos.

>> Veja aqui algumas dicas para melhorar sua redação

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta: Mostrou domínio da norma culta e não cometeu erro grave.

Competência II – Compreender a Proposta: Abordou e compreendeu bem a proposta.

Competência III – Selecionar, relacionar argumentos: O aluno conseguiu selecionar e relacionar bem os argumentos. Em alguns casos poderia ter sido mais objetivo, mas não cometeu nenhum erro grave que compromete o entendimento do texto.

Uma parte do texto que poderia ser melhorada é a última frase do primeiro parágrafo: “No século XXI, a preocupação com a gestão de resíduos na sociedade brasileira, necessária para a melhoria da saúde pública, reflete essa realidade.” Como se trata da introdução, ele já deveria mencionar se a realidade é negativa ou positiva.

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação: Não cometeu nenhum erro grave que poderia comprometer sua nota e o entendimento do seu texto.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema: O aluno propôs melhorias que envolveram o governo, ONGs, mídia e sociedade. As melhorias apresentadas são possíveis de serem realizadas e, o mais importante, respeitaram os direitos humanos.

Nota: 920

Já viu a nova proposta de redação da semana? Acesse aqui para ver o tema: A persistência do racismo na sociedade brasileira. Você pode enviar seu texto até domingo (17).

Compartilhe

Análise de mais uma redação: A importância do voto consciente

Ana Lourenço | 09/07/2016

Com base na proposta da semana passada (acesse aqui), os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema “A importância do voto consciente para a sociedade brasileira”. Já publicamos a primeira correção de um dos textos enviados pelos nossos leitores, que você pode acessar aqui. Leia agora a segunda redação e, em seguida, a análise feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie.

Voto Brasil
Imagem: iStock

Se para Maquiavel, o desejo dos governantes é oprimir e o dos governados é de não serem oprimidos, isso define a importância do voto, haja vista que ele é a melhor forma de expor a sua vontade, contra a opressão dos poderosos. Apenas com o início da república, a escolha do governante pelo povo, passou a ser concretizada, porém, de modo censitário. Com o advento da universalidade do voto, na década de 1980, e com as crises políticas enfrentadas no Brasil, levantam-se dúvidas se realmente votamos com consciência e conhecimento necessário.

Em primeiro plano, destacam-se as crises políticas brasileiras imprimidas por meio de ocorrência de desvio de dinheiro público, compra de votos, improbidade administrativa – entre outros casos de corrupção que, atualmente, tem tirado o desejo de votar de parte da população. Nesse contexto, entende-se que a ociosidade política de cada cidadão se contrapõe ao pensamento de Aristóteles – que pregava a participação do povo – tendendo, dessa forma, no crescimento das crises políticas e da opressão exercida pelo Estado.

Segundo Durkheim, a educação é determinante na formação do ser social e, nesse sentido, também na formação da consciência política em cada um. Seguindo essa linha de pensamento, infere-se que os vários defeitos no sistema educacional brasileiro têm ligação direta com a falta de conhecimento político e, consequentemente, com o exercício de voto de forma alienada e equivocada. As falhas na educação persistem, pois esse é o desejo do governante, assim, podendo exercer a opressão sobre o povo livremente.

Percebe-se, portanto, que a má qualidade da educação brasileira somada à falta de interesse do povo na política contribui para a opressão exercida pelo governante. Para tal, faz-se necessário que as mídias exerçam seus papéis de conscientização e de divulgação da informação de forma categórica, possuindo da imparcialidade e da não obstrução da notícia. A televisão em específico deve atuar, por meio de propagandas e programas, na difusão da importância do voto e da participação política, para que assim, o povo entenda e exerça o seu direito de forma hábil.

Quer ver a análise da sua redação publicada no blog na semana que vem? Então desenvolva o texto com base na proposta desta semana, Gestão de resíduos na sociedade brasileira (acesse aqui), até amanhã (10). Atenção: não serão corrigidas redações com outros temas!

Análise da proposta:

A proposta de redação pede a produção de um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema A importância do voto consciente para a sociedade brasileira. Esse gênero de texto consiste na defesa de uma ideia por meio de argumentos e explicações e o objetivo central é convencer o leitor de seu ponto de vista.

A estrutura do texto dissertativo-argumentativo deve possuir introdução, desenvolvimento e conclusão. Na introdução o candidato deve contextualizar o tema abordado e já assumir um ponto de vista. No desenvolvimento, apresentar os argumentos. O candidato precisa ficar atento para não copiar os textos motivadores na hora da argumentação e se utilizar citações é necessário usar aspas e identificar o autor. Como o objetivo é convencer quem está lendo espera-se do candidato um bom embasamento e capacidade de persuasão. Além disso, a construção do texto precisa ser coesa e coerente, respeitando uma ordem lógica. Ao concluir o é necessário apresentar uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos e que seja possível de ser realizada.

Análise da redação do aluno:

A redação é bem escrita e ele conseguiu selecionar bons argumentos. Só poderia ter articulado e relacionado melhor suas ideias.

>> Veja aqui algumas dicas para melhorar sua redação

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta: Mostrou ter domínio da norma culta e usou muito bem o vocabulário.

Competência II – Compreender a Proposta: O estudante poderia expor com maior clareza qual é a problemática em relação ao voto consciente e mostrar em qual argumento irá se apoiar.

Competência III – Selecionar, relacionar argumentos: Os argumentos foram bem selecionados, mas ele poderia ter criado uma relação maior entre eles. No segundo parágrafo, por exemplo, o estudante diz que os casos de corrupção tiram o desejo de votar dos cidadãos, só que a questão não é o desejo, pois o voto é obrigatório. Enquanto no quarto parágrafo ele cita o desinteresse político da população. Ele poderia ter unido essas informações, uma vez que elas possuem relação. E poderia também ter trabalhado melhor a questão do desinteresse político relacionando com a questão da educação e da corrupção.

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação: O texto é bem construído, mas o estudante precisa tomar cuidado para não lançar muitas informações no mesmo parágrafo e não conseguir pontua-las de forma clara.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema: Concluiu bem o texto e apresentou uma boa proposta de intervenção, possível de ser realizada e que respeitou os direitos humanos. Mas poderia ter elaborado alguma solução para o problema da educação, já que foi levantado no texto.

Nota: 800

Já viu a nova proposta de redação da semana? Acesse aqui para ver o tema: Gestão de resíduos na sociedade brasileira. Você pode enviar seu texto até amanhã (10).

Compartilhe

Análise de redação: A importância do voto consciente

Ana Lourenço | 07/07/2016

Com base na proposta da semana passada (acesse aqui), os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema “A importância do voto consciente para a sociedade brasileira”. Leia abaixo uma das redações enviada por um de nossos leitores e veja, em seguida, a análise feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie.

Voto consciente no Brasil
Imagem: iStock

O cenário atual do Brasil configura-se de intensas mudanças e tomadas de atitudes político-sociais. Com isso, vem-se discutindo a importância do voto consciente na sociedade, relacionando a necessidade desse mecanismo democrático com os impactos causados no país. Por isso, é necessário que a sociedade reflita sobre a legitimidade e o valor do voto.

A ausência de consenso político e social, em relação a escolha de um candidato eleitoral, advém de um passado histórico-cultural repleto de atitudes autoritárias que desrespeitam os direitos humanos, um exemplo, o Coronelismo e o “voto de cabresto” durante a República Velha.

Apesar das transformações políticas ocorridas no governo de Getúlio Vargas na revolução de 1930, a herança do passado influencia a questão política eleitoral com a permanência da troca de favores, com a compra de votos e com a corrupção em geral.

É importante salientar que a ação de aliciação e desvirtuação da venda de votos acarretam consequências que refletem a situação governamental do país, intensificando a desigualdade, o desrespeito, a degeneração e a desmoralização presentes na sociedade.

Portanto, é essencial a atuação do Estado, da sociedade e das instituições sociais na conscientização do voto, ressaltando a seriedade e a magnitude desse sistema que tem o poder de transformar a nação. Os segmentos do Governo Federal devem criar e ampliar as políticas e projetos eficazes de esclarecimento e de informação sobre o voto durante os processos eleitorais, sinalizando a maior participação dos setores administrativos no acompanhamento da fiscalização das infrações nas eleições e na garantia da legitimidade do voto.

Quer ver a análise da sua redação publicada no blog na semana que vem? Então desenvolva o texto com base na proposta desta semana, Gestão de resíduos na sociedade brasileira (acesse aqui), até domingo (10). Atenção: não serão corrigidas redações com outros temas!

Análise da proposta:

A proposta de redação pede a produção de um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema A importância do voto consciente para a sociedade brasileira. Esse gênero de texto consiste na defesa de uma ideia por meio de argumentos e explicações e o objetivo central é convencer o leitor de seu ponto de vista.

A estrutura do texto dissertativo-argumentativo deve possuir introdução, desenvolvimento e conclusão. Na introdução o candidato deve contextualizar o tema abordado e já assumir um ponto de vista. No desenvolvimento, apresentar os argumentos. O candidato precisa ficar atento para não copiar os textos motivadores na hora da argumentação e se utilizar citações é necessário usar aspas e identificar o autor. Como o objetivo é convencer quem está lendo espera-se do candidato um bom embasamento e capacidade de persuasão. Além disso, a construção do texto precisa ser coesa e coerente, respeitando uma ordem lógica. Ao concluir o é necessário apresentar uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos e que seja possível de ser realizada.

Análise da redação do aluno:

A redação é muito bem escrita, mas o estudante poderia e deveria ter aprofundado mais na argumentação. Ele selecionou bem os argumentos, mas não soube explora-los para enriquecer o texto.

>> Veja aqui algumas dicas para melhorar sua redação

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta: Mostrou ter domínio da norma culta. Os parágrafos foram bem construídos e o estudante usou corretamente a pontuação e ortografia.

Competência II – Compreender a Proposta: Compreendeu bem a proposta e soube argumentar para defender seu ponto de vista.

Competência III – Selecionar, relacionar argumentos: Os argumentos foram bem selecionados, mas ele poderia ter explorado um pouco mais a argumentação.

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação: O texto todo é muito bem construído e articulado. Os parágrafos tem ligação e o estudante domina os elementos de coesão.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema: Concluiu bem o texto e apresentou uma boa proposta de intervenção, com soluções que envolveram o poder público e a sociedade. As melhorias apresentadas são possíveis de serem realizadas e respeitaram os direitos humanos.

Nota: 960

Já viu a nova proposta de redação da semana? Acesse aqui para ver o tema: Gestão de resíduos na sociedade brasileira. Você pode enviar seu texto até o próximo domingo (10).

Compartilhe

Veja mais 3 erros comuns nas redações

guiadoestudante | 30/06/2016

escrevendo-computador
Imagem: iStock

Já sabemos que a correção da prova do Enem tem como base a avaliação de cinco competências: domínio da norma padrão da língua escrita; compreensão do tema proposto; capacidade de selecionar, organizar, relacionar e interpretar fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista; conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção do texto e elaboração de uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos.

Se o estudante fizer tudo isso, a nota 1000 está garantida, mas nem sempre é isso o que acontece. Alguns erros, como fuga ao tema ou ao gênero, cópia de textos motivadores, textos com menos de sete linhas e desrespeito aos direitos humanos na elaboração da proposta de intervenção, podem zerar a redação. E outros erros comuns como pontuação, acentuação e concordância podem tirar pontos que irão fazer falta na sua nota final.

A proposta da semana já está no ar: A importância do voto consciente (acesse). Você pode enviar seu texto até domingo (3). Atenção: não serão corrigidas redações com outros temas!

Veja três erros comuns nas redações enviadas para a proposta da semana passada:

1. Crase é diferente de acento agudo

Nós sabemos que o uso da crase é um tormento na vida do estudante. Além de fazer o uso correto, o estudante não pode cometer o erro de confundir crase com o acento agudo. A crase é a junção da preposição “a” com o artigo “a”, representada pelo acento. Já o acento agudo serve para indicar a sílaba tônica de cada palavra, ou seja, a sílaba mais forte.

Exemplo de erro na acentuação:

Nesse panorama, cabe avaliar de que maneira o poder público pode reduzir a desigualdade da centralização de renda e impulsionar as classes mais baixas á uma ascensão econômica…

No exemplo acima o aluno usou acento agudo, mas o correto seria usar crase, se fosse necessário. Neste caso a crase NÃO É necessária, portanto o “a” deveria vir sem acento. Erros desse tipo tiram ponto da norma culta e precisam ser evitados.

>> Veja aqui algumas dicas para melhorar sua redação

2. Proposta de intervenção

A quinta competência avaliada na prova de redação é a elaboração de uma proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. É uma competência muito importante, pois se o estudante não respeitar os direitos humanos, a redação é zerada. E, acreditem, muitos alunos ainda cometem esse erro.

A proposta de intervenção, além de respeitar os direitos humanos, deve apresentar soluções possíveis de serem realizadas. Os corretores avaliam a capacidade do estudante em mostrar soluções criativas e que fujam do senso comum. Nessa competência os corretores redobram as exigências para fazer com que as propostas considerem valores universais de cidadania, liberdade e diversidade sociocultural. Fique muito atento a isso!

Além dessas exigências, a proposta de intervenção deve vir somente no final. É ao concluir o texto que o aluno deverá acrescentar suas propostas, nunca no início.

Exemplo:

Desde a revolução industrial, no século XIX, as tecnologias vem avançando cada vez mais, isso acaba gerando certos problemas, como desigualdade no mundo tecnológico, o governo tem que desenvolver uma solução para esse impasse.

Lembre-se: A introdução serve para contextualizar o tema e apresentar o ponto de vista. As soluções devem vir na conclusão.

3. Não se separa sujeito do predicado

Exemplo: “Por conseguinte fazendo com que os habitantes daqueles locais, permaneçam em suas residências.

A vírgula depois da palavra “locais” não tem função na frase – e, pior que isso, separa o sujeito do predicado.

>> Veja outras explicações sobre erros comuns no blog Dúvidas de Português!

Comentários: nenhuma pessoa comentou

Categoria: Correção, Dica, Redação

Compartilhe

Análise de mais uma redação: Vida urbana no século XXI

guiadoestudante | 29/06/2016

Com base na proposta da semana passada (acesse aqui), os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema “Vida urbana no século XXI: A cidade é para todos?”. Já publicamos a primeira análise de texto enviado por um dos nossos leitores, e agora você lerá a avaliação de mais um. Fique ligado nos erros e acertos!

Quer ver a análise da sua redação publicada no blog na semana que vem? Então desenvolva o texto com base na proposta desta semana, A importância do voto consciente (acesse), até domingo (3). Atenção: não serão corrigidas redações com outros temas!

Leia a redação e em seguida a correção feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie.

cidade-vida-urbana
Imagem: iStock

Na última década, a população mundial tornou-se predominantemente urbana. Produto desse fato, as cidades contemporâneas abrigam um intenso fluxo de pessoas e serviços e, concomitantemente, problemas associados a tais fatores. Perante a grande e crescente população mundial, tais centro urbanos não conseguem atender, ampla e satisfatoriamente, todos os cidadãos, os quais veem seus direitos inalienáveis desrespeitados.

Em primeira instância, ressalta-se que a urbanização, no âmbito nacional, ocorreu de modo rápido e desorganizado. Por conseguinte, são recorrentes, marcadamente nas metrópoles, problemas relativos à infraestrutura e ao saneamento básico, os quais atingem, em destaque, camadas mais pobres da população. Além dos empecilhos estruturais, há a crescente população, proveniente de movimentos migratórios e da natalidade, a qual acaba acarretando uma macrocefalia urbana, que ocasiona dificuldades de vivência.

Nesse contexto, é de se salientar que, em associação à urbanização, sucede-se a instalação empresarial. A partir desta, empresas são atraídas para certas cidades, favorecendo a especulação imobiliária e a valorização de serviços no entorno. Assim sendo, a população de menor poder aquisitivo acaba não tendo acesso aos centros que concentram capitais e melhores serviços básicos, como a saúde. Ademais, evidencia-se, conjuntamente, o processo de segregação socioespacial feito justamente com tal intuito, através, por exemplo, de condomínios fechados ou de cinemas e teatros com preços elevados.

Sob tal perspectiva, acrescenta-se a problemática em torno da mobilidade urbana. Esta, comumente, apresenta-se deficitária no que tange ao transporte público, dificultando a locomoção e, por extensão, o acesso a certas áreas das cidades. Tal dificuldade atinge fortemente os indivíduos residentes nas periferias urbanas, haja vista os obstáculos de acesso, via deslocamento, a locais culturais, saudáveis e de interesse.

Portanto, percebe-se que as cidades exibem grandiosidade, mas expõem, em associação, problemas para fornecer sistemas de qualidade a todos. Assim, é essencial que o Poder Público transfira investimentos para adequar a infraestrutura urbana, ao mesmo tempo que forneça transportes com custos mais baixos à população mais pobre. A sociedade, por sua vez, deve combater a segregação socioespacial através de seus próprios hábitos, não se separando de certos cidadãos conscientemente. Desse modo, ter-se-á um meio urbano verdadeiramente para todos, com respeito ao direito destes.

Análise da proposta:

A proposta de redação pede a produção de um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema: “Vida urbana no século XXI: A cidade é para todos?”. Esse gênero de texto consiste na defesa de uma ideia por meio de argumentos e explicações e o objetivo central é convencer o leitor de seu ponto de vista. A estrutura do texto dissertativo-argumentativo deve possuir introdução, desenvolvimento e conclusão.

Na introdução o candidato deve contextualizar o tema abordado e já assumir um ponto de vista. No desenvolvimento, apresentar os argumentos. Para construir argumentos sólidos e difíceis de serem refutados é necessário estar por dentro do assunto. Não deixe de acompanhar o noticiário, ler revistas, jornais e sites de notícias. Ao concluir o texto o estudante também precisa apresentar uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Procure apresentar propostas de intervenção que fujam do senso comum e que sejam possíveis de serem realizadas, os corretores irão analisar isso.

Fuga ao tema, desrespeito aos direitos humanos e descumprimento do gênero dissertativo-argumentativo podem anular a redação do Enem. E, acreditem, muitos candidatos ainda cometem esse erro.

Análise da redação do aluno:

A redação é bem escrita, discute o tema com vocabulário rico e argumentos consistentes.

>> Veja aqui algumas dicas para melhorar sua redação

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta: O estudante mostrou ter domínio da norma culta e não cometeu nenhum erro grave.

Competência II – Compreender a Proposta: Abordou muito bem o tema, apresentando argumentos claros e bem fundamentados.

Competência III – Selecionar, relacionar argumentos: Ele soube construir bem os argumentos para defesa de seu ponto de vista, falou da urbanização rápida e desorganizada que trouxe problemas de infraestrutura que prejudicam a todos, mas principalmente a população de menor poder aquisitivo. E apresentou também o problema da especulação imobiliária que afasta algumas pessoas e cria uma segregação socioespacial.

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação: Não cometeu nenhum erro grave que poderia comprometer sua nota e o entendimento do seu texto.

Dica: Em duas situações o estudante usou a locução “através de”. Essa locução significa “de uma lado a outro”, “cruzar”. Enquanto a locução “por meio de” significa “por intermédio de”. O ideal seria que o estudante fizesse essa substituição e utilizasse “por meio de”. Alguns dicionários já aceitam o uso de “através de” com o sentido de “por meio de”, mas ressaltam que o uso pode ser menos elegante. Na dúvida, é bom evitar. Vamos garantir a nota mil, não é mesmo? 😉

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema: Por último, o aluno propôs melhorias que envolveram o poder público e a sociedade. As melhorias apresentadas são possíveis de serem realizadas e respeitaram os direitos humanos.

Nota: 940

Já viu a nova proposta de redação da semana? Acesse aqui para ver o tema: A importância do voto consciente. Você pode enviar seu texto até o próximo domingo (3).

Comentários: nenhuma pessoa comentou

Categoria: Correção, Redação

Compartilhe

Análise de redação: Vida urbana no século XXI

guiadoestudante | 28/06/2016

Com base na proposta da semana passada (acesse aqui), os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema “Vida urbana no século XXI: A cidade é para todos?”.


Imagem: iStock

Leia abaixo uma das redações enviada por um de nossos leitores e veja a análise feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie:

As concentradas oportunidades de uma vida melhor nas grandes cidades tem estimulado gradativamente a migração para polos urbanos. No entanto, nem sempre as metrópoles estão prontas para receber essas demandas de novos moradores. E isso tem causando grandes desequilíbrios tanto nos núcleos urbanos quanto rurais.

Para que haja uma boa dinâmica na densidade demográfica de uma população, é necessário que uma absorção dessa cidade seja respeitado. Porém, como uma célula colocada em meio hipertônico, muitas cidades tem absorvido muito mais que seu limite de saturação, tornando-se extremamente lotadas. Essa realidade se comprova pelo excesso da população vivendo nas periferias de locais em risco de desastres naturais, excesso de carros nas ruas e ofertas insuficientes de empregos.

Outrossim se dá no meio rural. Por conta da contante emigração, a baixa concentração da população no campo é um incentivo para o não investimento nessas áreas. Isso faz com que cada vez mais a transição para meios urbanos seja necessária, centralizando os polos econômicos e industriais, tornado esse ciclo ininterrupto.

Logo, percebe-se que para a solução dessa problemática, faz-se necessária uma grande atuação do Governo Federal. Espera-se dele que amplifique as oportunidades de trabalho e estudo nas zonas não metropolitanas, por meio de implantação de mais indústrias, gerando emprego para a população local. E também a criação, em parceria com a iniciativa privada, de mais centros de qualificação (universidade, escolas técnicas…), a fim de oferecer mais perto o que muitos buscam tão longe. Desse modo, além do surgimento de uma sociedade mais igualitária, essa problemática se atenuará.

Análise da proposta:

A proposta de redação pede a produção de um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema: “Vida urbana no século XXI: A cidade é para todos?. Esse gênero de texto consiste na defesa de uma ideia por meio de argumentos e explicações e o objetivo central é convencer o leitor de seu ponto de vista.

A estrutura do texto dissertativo-argumentativo deve possuir: Introdução, desenvolvimento e conclusão. E na conclusão o candidato deve apresentar uma proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Um dos motivos para zerar a prova de redação do Enem é fugir ao gênero cobrado. E, acreditem, muitos candidatos ainda cometem esse erro.

O estudante precisa contextualizar o assunto abordado e já definir seu ponto de vista no primeiro parágrafo (introdução) e depois disso apresentar seus argumentos. É muito importante acompanhar o noticiário e ler bastante para construir argumentos sólidos e objetivos. São com esses argumentos que você irá convencer o leitor. E no final, ao concluir seu texto, apresente propostas de intervenção que fujam do senso comum e que sejam possíveis de serem realizadas.

Análise da redação do aluno:

O texto, como um todo, é bom e discute o tema, embora o estudante cometa alguns deslizes no uso da norma culta. Além disso, é importante ficar por dentro de temas da atualidade para ter mais segurança na argumentação.

>> Veja aqui algumas dicas para melhorar sua redação

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta: O estudante cometeu alguns erros de grafia, pontuação e concordância que atrapalham a nota final. Estudar gramática é muito importante para evitar esse tipo de erro.

– O verbo ter, por exemplo, ao ser conjugado na terceira pessoa leva acento circunflexo.

– A frase “E isso tem causando grandes desequilíbrios…” deveria ter sido escrita assim: “Isso tem causado desequilíbrios…”.

– Após a conjunção “outrossim” era necessário o uso da vírgula e o estudante também esqueceu de colocar o “s” na palavra “constante”.

Competência II – Compreender a proposta: Apesar da redação ser bem estruturada, ela peca pela falta de elementos concretos, como dados estatísticos e conceitos teóricos. Isso a enriqueceria e faria com que o texto “trabalhasse” a favor de sua argumentação.

Competência III – Selecionar, relacionar argumentos: O estudante teve dificuldade na construção dos argumentos e defesa do ponto de vista.

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação: Estudar mais os conectivos para que as ideias apresentadas não fiquem confusas e sem ligação.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema: A proposta de intervenção não é ruim, mas não abarca tudo o que foi discutido durante o texto.

 Nota: 660

Já viu a nova proposta de redação da semana? Acesse aqui para ver o tema: A importância do voto consciente. Você pode enviar seu texto até o próximo domingo (3).

Comentários: nenhuma pessoa comentou

Categoria: Correção, Redação

Compartilhe

Leia a análise de mais uma redação sobre o tema Inclusão Digital

Ana Prado | 23/06/2016

inclusao-digital

Com base na proposta da semana passada (clique para ver), os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema “Inclusão digital: uma meta do Brasil contemporâneo.

Leia abaixo uma redação enviada por um de nossos leitores e veja a análise feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie:

Inclusão digital: meta do Brasil contemporâneo

Não há como negar que boa parte dos brasileiros se rendeu aos celulares e computadores, principalmente, nos últimos anos, o número de adeptos cresceu muito. Mas é surpreendente ver dados do IBGE de 2013 que afirmam que menos de 50% dos jovens brasileiros tem acesso à internet.

A inclusão digital tem papel importantíssimo no desenvolvimento econômico do Brasil e na melhoria das condições de vida da população. Com a revolução da internet, qualquer um que não souber trabalhar com tecnologia poderá ser facilmente prejudicado. É preocupante saber que o governo comemora que a quantidade de internautas no Brasil seja maior que a população de países como Itália e França, quando o necessário é comparar os números e perguntar qual o índice de acesso a sistemas digitais lá, em países de primeiro mundo.

Exclusão social é consequência de exclusão digital, porque quem não tem oportunidade de sequer ter contato com tecnologia, não poderá competir com quem vive com isso diariamente. Para combater a desigualdade, seja regional ou social, é preciso inclusão. Também se tem ciência de que o avanço socioeconômico do país só se concretizará quando obtiver-se igualdade.

Os governos estaduais têm o dever de unir-se ao governo federal nessa causa: incentivar o uso de computadores em escolas sim, mas não só nelas, também em prefeituras e disponibilizar cursos gratuitos e atrativos naqueles locais de difícil acesso, possibilitando assim, um país com mais igualdades e avanços no cenário mundial.

Comentários:

Esse é um exemplo de redação que, se melhor estruturada, principalmente na construção da argumentação, pode conquistar uma boa nota no ENEM.

Na frase “Exclusão social é consequência de exclusão digital”, por exemplo, o estudante deveria ter invertido a frase, pois a exclusão digital é que é um reflexo das desigualdades sociais que o país enfrenta até hoje.

Como o ENEM cobra temas da atualidade, é necessário que o estudante leia mais livros, jornais, revistas e acompanhe o noticiário para não errar na hora de argumentar. Ao citar fontes de informação com base em obras, estudos científicos e fatos atuais ou históricos, diminui-se a possibilidade de refutação dos argumentos.

Outro ponto importante é que ele também poderia ter proposto soluções mais criativas e inovadoras para a solução do problema.

Dica dada, é hora de treinar com o próximo tema. Veja aqui.

Compartilhe