logo-ge

Confira as notas máximas e mínimas do Enem 2016

Apenas um candidato obteve mais que 800 na prova de Linguagens e Códigos

Após o encerramento da coletiva realizada nesta quarta-feira, 18, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) divulgou em relatório os resultados individuais do Enem 2016. Só 77 candidatos tiveram nota máxima na redação e uma pessoa conseguiu somar mais de 800 pontos na prova de Linguagens. Veja as notas por área do conhecimento:

Ciências humanas e suas tecnologias
Média: 536
Mínima: 317,4
Máxima: 859,1
1.804 zeraram a prova

Linguagens e códigos e suas tecnologias
Média: 523,1
Mínima: 287,5
Máxima: 846,4
3.862 zeraram a prova

Matemática e suas tecnologias
Média: 493,95
Mínima: 309,7
Máxima: 991,5
5.734 zeraram a prova

Ciências da natureza e suas tecnologias
Média: 482,3
Mínima: 316,5
Máxima: 871,3
3.109 zeraram a prova

Veja também

Redação

Apenas 77 candidatos alcançaram a nota máxima (1000). O número total de estudantes que levaram nota zero ou tiveram a anulação da prova foi de 291.806. Dentre os principais motivos, estão:

– Não comparecimento ao segundo dia ou apresentação da redação em branco: 206.127.
– Fuga ao tema: 46.874
– Parte desconectada: 13.276
– Cópia de texto motivador: 8.325
– Texto insuficiente: 7.348
– Não atendimento ao tipo textual: 3.615
– Trechos que ferem os direitos humanos: 4.798 redações.

Como o Inep chega à nota de cada área?
Essa nota é calculada pelo por meio da Teoria de Resposta ao Item (TRI), modelo estatístico que permite que diferentes edições da prova sejam comparáveis. Veja como funciona:

– Para o cálculo da nota, leva-se em conta não apenas o número de acertos do candidato, mas também o nível de dificuldade de cada item. As perguntas são divididas previamente em grupos: fáceis, médias e difíceis. Elas estão misturadas ao longo da prova e não estão sinalizadas, o estudante não sabe qual questão pertence a qual grupo.

– Através de estatísticas e teorias matemáticas, a TRI analisa as respostas do aluno: se constata que ele errou muitas perguntas da categoria “fácil” e acertou muitas perguntas da categoria “difícil”, considera o fato estatisticamente improvável e deduz que ele chutou.

– Assim, a média do aluno que chutou cai. No final, a nota não depende apenas do valor absoluto de acertos. Depende também da dificuldade das questões que se acertou ou errou.

Para o Enem, o objetivo da TRI é evitar que o candidato consiga se valer do fator sorte na hora de responder as questões. Assim reforça-se a cultura de que o importante é uma boa preparação para a prova, uma leitura calma e concentrada das questões e uma reflexão consistente na hora de respondê-las. Chute não tem lugar.

O relatório do Inep pode ser consultado neste link.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ana Paula Quintanilha

    Essas médias foi pra quem fez a primeira edição do Enem, pois quem fez a segunda Edição foi bem prejudicado!!

    Curtir

  2. uai… conheço um amigo que tirou acima dessas notas…

    Curtir

  3. Maiara Andrade

    “Aqui chute não tem lugar.” Ah tá bom, diz isso pra minha nota em matemática. Minha média 4 anos depois de terminar o ensino médio (e não ter estudado nada para a prova) foi maior do que no meu último ano. Dava até pena das crianças na sala, tudo tremendo, achando que ia morrer se não fizer uma boa prova.

    Curtir