Literatura

Todos os campos são obrigatórios

Do Romantismo ao Concretismo, conheça as escolas literárias brasileiras

Cada romance, conto ou poema é uma criação artística única, que expressa a subjetividade de seu autor. Mas conhecer os movimentos literários a que estão ligados os escritores permite ampliar a compreensão sobre seus livros

Ler os livros de bons autores é, além de um grande prazer, indispensável para conhecer a literatura de qualquer país. As resenhas e os comentários de obras brasileiras e portuguesas, presentes neste site, auxiliam o entendimento sobre o significado das criações, mas não dispensam sua leitura.
Qualquer obra de arte pode ser considerada única, pois expressa a subjetividade de seu autor. Mas, para ampliar a compreensão do significado e do alcance de romances, contos ou poemas, é necessário também levar em conta que as obras surgem em determinada situação histórica e estão impregnadas pelo ambiente social, econômico e político em que vive ou viveu seu criador. Podem ser encontrados traços comuns em diferentes obras, de escritores diversos, provenientes do mesmo período.


É por isso que os estudiosos dividem as obras de acordo com as escolas literárias nas quais elas podem ser inseridas. Além de facilitar o aprendizado das modificações da cultura no decorrer dos séculos, essa divisão em períodos pode acrescentar novos elementos à compreensão de cada livro em particular.

INÍCIO DA LITERATURA BRASILEIRA
No Brasil, colônia de Portugal entre o século XVI e o início do XIX, as primeiras criações literárias são consideradas parte da literatura portuguesa. O professor Antonio Candido, um dos mais respeitados estudiosos do país, considera que a literatura nacional teve início de fato no século XVIII, com o arcadismo, movimento que exaltava ideais neoclássicos, inspirados na Antiguidade greco-romana.
É claro que, antes disso, foram escritos muitos textos literários no Brasil, mas eram manifestações esparsas e limitadas, sem que houvesse uma sistemática atividade que envolvesse criadores e seu público. Isso só começou com os poetas árcades.

ROMANTISMO
Com o romantismo, desenvolve-se e amplia-se a criação literária nacional. Os ideais românticos, nascidos na Europa no fim do século XVIII, espalharam-se pelo mundo por meio dos artistas franceses. A liberdade conquistada na Revolução Francesa teve influência determinante nas características do movimento. Era a libertação da poética neoclássica e a passagem para uma linguagem mais espontânea, carregada de emoções.


Foi com Suspiros Poéticos e Saudades, de Gonçalves de Magalhães, que nasceu o romantismo no Brasil, em 1836. Seus autores expressavam, no plano literário, a busca por uma identidade nacional, num país que se tornara formalmente independente de Portugal pouco tempo antes.


Entre as principais características do romantismo estão: subjetivismo, valorização das emoções e das paixões, liberdade de criação, desejo de igualdade e nacionalismo. Um de seus principais escritores foi José de Alencar, autor de Iracema, O Guarani, Senhora e Lucíola.


A poesia romântica comportou diversos temas. Inicialmente, era forte a vertente nacionalista ou indianista. Os principais escritores desse período foram Gonçalves de Magalhães e Gonçalves Dias, considerado o primeiro grande poeta do romantismo no país. Destacam-se a exaltação à natureza, o sentimentalismo, a representação da figura do índio como um ser idealizado e o nacionalismo.
A poesia considerada ultra-romântica é representada por autores como Álvares de Azevedo, Casimiro de Abreu e Fagundes Varela. As obras ainda eram carregadas de sentimentalismo, mas tinham elementos diferentes, como a exaltação do “eu” e temas como morte, tristeza e solidão.


A adesão ao movimento pela abolição dos escravos de muitos escritores românticos deu origem ao movimento mocondoreiro, influenciado pela poesia social do francês Victor Hugo. Destaca-se o baiano Castro Alves. O nome condoreiro vem de condor, pássaro de vôo mais alto das Américas, que era o símbolo do movimento, pois dava a idéia de grandiosidade.

NATURALISMO/REALISMO
O início do naturalismo/realismo é marcado por duas obras, ambas de 1881: O Mulato, de Aluísio de Azevedo, e Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis.


O fim do século XIX foi marcado por grandes transformações no Brasil. A monarquia entrou em decadência, foi aprovada a Lei Áurea, que aboliu a escravatura, e a economia – principalmente o café – se voltou para o mercado externo. O surgimento do naturalismo e do realismo deve ser entendido nesse contexto.


A ênfase nas emoções dá lugar a abordagens que procuram a objetividade. Os temas são também mais polêmicos, como as críticas à Igreja Católica e à burguesia.


Naturalismo e realismo costumam ser apresentados juntos, porque surgiram no mesmo período histórico e possuem muitos elementos comuns. Suas obras têm como características o objetivismo, universalismo e materialismo. A literatura passa a focalizar temas e personagens ligados à realidade da época, ou seja, apresenta-se como expressão do real.


Na literatura naturalista, há uma presença maior do determinismo – linha de pensamento desenvolvida pelo filósofo francês Hippolyte Taine –, segundo o qual o homem é determinado pelo meio em que vive, pela sua raça (estágio de sua evolução física) e pelo momento histórico. Os romances naturalistas mostram personagens cujo destino é determinado por esses elementos, e a narrativa assume um caráter de tese científica. O principal autor dessa escola, no Brasil, foi o maranhense Aluísio de Azevedo, que escreveu, além da obra citada, O Cortiço, Casa de Pensão e outras histórias em que a tragédia e a fatalidade apareciam como decorrência direta das situações nas quais viviam os personagens.

SIMBOLISMO E PRÉ-MODERNISMO
Os livros Missal e Broquéis, de Cruz e Sousa, ambos de 1893, marcam o surgimento do simbolismo no Brasil. Fortemente influenciado pela literatura de autores como os franceses Baudelaire e Verlaine, esse movimento levava mais longe o subjetivismo já cultivado pelos românticos. Enfatizava os elementos sensíveis e a preocupação com a arte pela arte, sem sua vinculação direta com a situação social e política. Os poemas simbolistas movem-se num mundo abstrato, construído por meio de imagens simbólicas.


No começo do século XX, já no período republicano, o Brasil viveu episódios como a revolta de Canudos, na Bahia, o ciclo do cangaço, no Nordeste, e o ciclo da borracha, na Amazônia. Era o tempo da “república do café-com-leite” (união das oligarquias paulistas e mineiras para dividir o poder) e das primeiras mobilizações amplas e greves de operários em São Paulo. A literatura sofre os efeitos dessas mudanças e passa a buscar um registro mais afinado com os novos tempos.


Nesse período, surgem autores que, ainda sem todas as características renovadoras do modernismo, já não fazem a mesma literatura de antes. São os precursores dos modernistas que viriam logo a seguir.


A preocupação científica se mantém forte em várias obras desse período, bem como a importância de temas regionais ou que buscam entender o Brasil de forma mais profunda. Na poesia, a referência é Augusto dos Anjos, que, com um único livro, Eu, atraiu interesse para sua estranha obra. Na prosa, Euclides da Cunha marca esse período de transição com Os Sertões, de 1902.


Outro autor que traz à tona aspectos pré-modernistas é Lima Barreto, autor de Triste Fim de Policarpo Quaresma. Monteiro Lobato, lembrado principalmente por suas contribuições à literatura infantil, focaliza em suas obras adultas temas regionais, principalmente relacionados ao Vale do Paraíba
e ao interior de São Paulo.

MODERNISMO
A Semana de Arte Moderna de 1922, realizada no Teatro Municipal de São Paulo, é considerada o marco do modernismo no Brasil. Um dos objetivos principais desse movimento era dar uma identidade nacional às artes. Isso não excluía as contribuições vindas de fora, já que os modernistas trouxeram da Europa influências estéticas de movimentos de vanguarda como o expressionismo, o cubismo, o futurismo e o surrealismo.


Num mundo conturbado pela I Guerra Mundial (1914-1918) e pela Revolução Russa (1917), o Brasil vivia um período de modernização das principais cidades. Entre os escritores da primeira fase modernista destacam-se Mario de Andrade, Oswald de Andrade, Manuel Bandeira e Alcântara Machado.


Mario de Andrade publicou, em 1922, Paulicéia Desvairada, no qual criticava o provincianismo de São Paulo. Oswald de Andrade escreveu poesia e prosa, tendo sido ainda o autor de dois textos fundamentais do modernismo brasileiro: o Manifesto da Poesia Pau-Brasil (1924) e o Manifesto Antropófago (1928). Bandeira, de início influenciado pelo simbolismo, publicou, em 1930, Libertinagem, sua primeira obra plenamente modernista.

FASE REGIONALISTA
O segundo período do modernismo é a fase regionalista, cujas principais obras surgiram entre 1930 e 1945. O desejo de conhecer o Brasil a fundo levou os escritores a debruçarem-se sobre as transformações de um país que era ainda basicamente agrário e atrasado.


Eles incorporavam o coloquialismo dos modernistas de 1922, mas as experiências formais não eram determinantes. Os autores regionalistas queriam expressar a vivência do povo dos locais mais remotos do país, num registro em que a denúncia social caminhava com a criação literária.
Em 1930, a jovem Rachel de Queiroz publicou O Quinze, que tem como pano de fundo a miséria causada pela grande seca nordestina de 1915. Entre outros escritores importantes desse período, destacam-se José Lins do Rego, que iniciou em 1932 o ciclo da cana-de-açúcar, ao publicar Menino de Engenho, e Graciliano Ramos, que escreveu Vidas Secas, obra considerada referência do movimento. Erico Verissimo, autor gaúcho, tem também seu lado regionalista, com o monumental O Tempo e o Vento.

DRUMMOND, CABRAL E ROSA
O modernismo, como movimento renovador, não existia mais nos anos 1940, mas continuava a ser forte referência para os artistas. Na poesia, destacam-se dois autores: Carlos Drummond de Andrade e João Cabral de Melo Neto. Drummond, que participara, em Minas Gerais, do movimento modernista, atinge nessa época a maturidade artística. João Cabral, com sua poesia cerebral e cuidadosamente pensada, leva adiante as preocupações com a palavra e a expressão artística literária num momento de crise como foi o período do pós-guerra.


As inovações lingüísticas e formais se desenvolvem também na prosa. Guimarães Rosa, autor de Grande Sertão: Veredas, não se limita a traçar um retrato das populações sofridas, como os autores regionalistas. Suas experimentações, como a criação de palavras, que tornam único o modo como se expressam seus personagens, correspondem a inquietações artísticas mais profundas, sintonizadas com os grandes autores do século XX em todo o mundo.

CONCRETISMO
O último movimento literário significativo do século XX foi o concretismo, cujo marco é simbolizado pela Exposição Nacional de Arte Concreta no Museu de Arte Moderna (MAM) de São Paulo, em 1956.
No entanto, seus principais autores – Haroldo de Campos, Augusto de Campos e Décio Pignatari – já editavam havia alguns anos a revista Noigandres, em que elaboraram a nova estética.


O concretismo é marcado pela abolição dos versos e pela utilização de recursos gráficos como parte da própria composição literária. O poema concretista leva em conta não apenas a disposição espacial das palavras, como também o tipo de desenho das letras, as cores empregadas, desenhos, fotografias e outros elementos visuais. O objetivo era revitalizar a invenção poética, com a rejeição das formas tradicionais do verso.

CRIAÇÕES RECENTES
A produção literária mais recente apresenta enormes variações de temas e procedimentos. Durante a ditadura militar (1964-1985), tiveram peso as questões ligadas à falta de liberdade no país. De lá para cá, cresceram de importância os elementos relativos às mudanças no Brasil, como a industrialização. Alguns temas significativos são o vazio da vida urbana e o cotidiano nas grandes metrópoles. Há muitos autores contemporâneos expressivos. A paulistana Lygia Fagundes Telles fez sua estréia, ainda adolescente, na década de 1930, mas alcançou maior destaque com As Meninas, de 1973. Rubem Fonseca, de estilo irônico, destaca-se na criação de contos de temática urbana e violenta.



Ofertas

Nas bancas!