logo-ge

Como estudar as obras obrigatórias do vestibular?

#ClubedoLivroGE: professores dão dicas para ajudar com a leitura. Leia a terceira matéria da série

(ilariasbooks.tumblr.com/Giphy)

A carga de leitura de quem está prestando o vestibular já é alta só por conta da quantidade de conteúdos disciplinares cobrados nas provas. Além disso, ainda há a lista de livros obrigatórios – só a Fuvest, maior vestibular do país, tem oito obras que são cobradas especificamente. É muita coisa, a gente sabe. E, por isso mesmo, fomos conversar com alguns professores em busca de dicas que possam te ajudar na hora de enfrentar os livros. Mãos à obra? 

Você já leu, na primeira matéria da série, sobre o que deve prestar atenção enquanto estiver lendo os livros. Na segunda, sobre o que pode ser cobrado sobre eles nas questões do vestibular. Dessa vez, nós perguntamos para os professores quais dicas eles tinham para estudar os livros.

Tente se organizar para ler todas as obras. Como a lista dos livros é divulgada com bastante antecedência, tem tempo suficiente para você montar um cronograma. Se quiser, participe do nosso Clube do Livro (saiba mais aqui) – no fim de cada mês a gente vai comentar os aspectos mais importantes da obra.

Como já comentamos antes, memorização não é o mais importante, mas vale sim fazer fichamentos, ok? “Neles devem constar não apenas uma enumeração das ações importantes para o desenvolvimento do enredo, no caso de obras narrativas, mas também comentários específicos sobre a linguagem empregada ”, explica Diogo Mendes, professor do Descomplica.

Assistir adaptações da história, no teatro ou no cinema, é bem legal para “observar as possibilidades de recortes interpretativos”, como lembra o professor João Jonas, do colégio Miguel de Cervantes. Ler resumos pode ser legal pra refrescar a memória, mas nunca, jamais (!) dispense a leitura da obra completa. Vai que cai alguma coisa que ficou de fora do resumo?

O professor André Valente, do cursinho da Poli, acha que trocar ideias com os amigos sobre a obra sempre pode ser proveitoso. E reforça: “Procure ler com calma, sem tanta pressa. Anote as informações que for colhendo”. “Leitura deve ser um momento em que o aluno deve relaxar, se divertir”, finaliza a professora Elaine Antunes, do colégio Dínamis. “Ler não deve ser um sofrimento em hipótese alguma.”

Acaba aqui a nossa série sobre obras obrigatórias! Clique para ler a parte 1 e a parte 2. Boa sorte e #partiu ler todos esses livros! 😉