logo-ge

Conheça a origem do conjunto de canais de Amsterdã

Há 400 anos, nascia o fabuloso conjunto de canais do centro de Amsterdã. A obra-prima do urbanismo surgiu da necessidade de organizar o caos da cidade

O frenético ritmo de desenvolvimento do Século de Ouro dos Países Baixos dominava a Amsterdã dos anos 1600. Comerciantes abastados, artistas e trabalhadores braçais chegavam diariamente, depois que as províncias do norte se uniram, no fim do século 16, em busca de independência. O comércio estava mais próspero que nunca, impulsionado pela criação da Companhia das Índias Orientais em 1602. Ciência, tecnologia e arte floresciam. O clima era de liberdade religiosa e de pensamento. Nesse cenário humanista e liberal, nasceu um projeto de desenvolvimento urbano que se tornaria a marca registrada da cidade holandesa: a construção do cinturão de canais.

À beira d’Água

A população de Amsterdã aumentava em escala extraordinária e a cidade crescia desgovernada para acompanhar o boom demográfico. Em 1585, havia ali 30 mil habitantes. Um século depois, o número chegaria aos 200 mil. Subúrbios ilegais brotavam nos entornos da muralha que cercava a cidade, um perigo para a segurança local. Planejar o espaço urbano não era luxo de cidade rica: era questão de sobrevivência. O modelo de canais dispostos em semicírculo foi, na verdade, uma solução óbvia para uma cidade que se formou à beira d¿água e sempre se viu às voltas com soluções para conviver e prosperar nessa condição. Como descreve o jornalista e especialista em planejamento urbano Fred Feddes em A Millennium of Amsterdam (sem versão traduzida no Brasil): “A água não foi nem uma escolha nem uma virtude para os moradores. Ela estava lá desde o começo”.

Um ditado popular dizia que “Deus criou o mundo, mas os holandeses criaram a Holanda”. Amsterdã começou a ser erguida por volta do ano 1000 por colonizadores que chegaram à região então conhecida como Amstelland, uma área pantanosa, com um grande lago e alguns rios. Na época, valas de 1 m de largura eram cavadas no solo ensopado para drená-lo, padrão que ainda hoje pode ser visto em pontos da cidade, como os canais do bairro de Jordaan. Por volta de 1265, diques foram reforçados para a construção de uma barragem – a “Dam” do nome da cidade – no Amstel, rio que a corta e foi tão moldado pelo homem ao longo da história, que é considerado por alguns como seu primeiro canal. Entre 1428 e 1450, escavou-se o antigo Stedegracht, que passou a delimitar a área da cidade e funcionava como fosso de proteção.

ah-121-caminhos-agua
Vias aquáticas também eram cavadas para escoar as mercadorias do porto para a cidade – a vocação de Amsterdã para o comércio se manifestou desde cedo e o motivo para isso foi bastante prático. “Os Países Baixos como um todo não têm recursos naturais importantes. A terra é muito pantanosa para se cultivarem grãos e o clima não é excepcional”, afirma Kees Zandvliet, professor de História da Universidade de Amsterdã e chefe de pesquisas, exposições e educação do Museu de Amsterdã. Some a isso o fato de a cidade estar localizada em uma estrutura de delta, que facilita a circulação de navios, num ponto privilegiado da Europa, no Mar Báltico e próximo a países como França, Inglaterra e Alemanha. Quando a cidade crescia, uma nova faixa de terra era adicionada à sua área e acrescentava-se também uma de água, em forma de canal. A tecnologia para essas obras? “Sempre a boa e velha força humana”, diz Zandvliet. “Eram pessoas com pás, jogando a lama para o lado ou recolhendo-a em um barco.”

Foi dessa forma que Amsterdã cresceu até as últimas décadas do século 16, quando o fluxo populacional se intensificou, abarrotando a cidade e também áreas fora da muralha. A Trégua dos Doze Anos, entre 1609-1621, que interrompeu a Guerra dos Oitenta Anos contra os espanhóis, foi a oportunidade para ampliar as fortificações, expandir o centro, regularizar áreas ilegais e aumentar o porto da cidade. “A história mostra que os canais não eram populares na época”, afirma Feddes. “Eles eram uma necessidade, precisavam estar ali.”

Expansão

Para a cidade, dinheiro e mão de obra não eram problemas. Em 1610, um projeto inicial foi encomendado pelo Conselho da cidade a Hendrick Jacobsz Staets. Como seus desenhos originais desapareceram, não se sabe se a ideia da estrutura em semicírculo foi dele. O que se sabe é que Maurício de Nassau (o mesmo personagem da invasão holandesa em Pernambuco) foi consultado. Hoje, os historiadores acreditam que a expansão deu-se em etapas, e os canais paralelos e concêntricos Herengracht (em português, “Canal dos Senhores”), Keizersgracht (“Canal do Imperador”) e Prinsengracht (Canal do Príncipe”), de 1613, foram seu ponto alto. Em 1620, eles foram prolongados até o Rio Amstel e deram o formato atual da cidade, metade de um círculo no qual o diâmetro maior marca o encontro com as águas do mar.

“Amsterdã não era uma cidade nova, e durante a expansão foi preciso trabalhar com o que já havia ali. A água foi usada no projeto”, diz Emma van Oudheusden, do museu Het Grachtenhuis, em Amsterdã, que trata da história dos canais. “Seria muito mais caro, por exemplo, construir ruas ou bulevares.”

Segregação

Maior do que qualquer outro projeto urbanístico holandês da época, a construção não foi um mar de rosas. Quem morava no local foi pressionado a se mudar, levando junto sua casa de madeira. “A expansão em larga escala significou segregação social: os ricos passaram a viver ao longo dos canais e os trabalhadores, nas pequenas ruas abertas para servir de conexão e pontos de comércio”, diz Feddes. Há histórias de membros do Conselho da cidade que adquiriam os terrenos por preços baixíssimos para revender à prefeitura – e isso não era crime. A conta foi paga pela população. “A cidade era governada por calvinistas”, diz Zandvliet. “De manhã, eles faziam negócios e, à tarde, se reuniam na prefeitura para decidir o que era melhor para Amsterdã.”

Curiosamente, pouco se sabe sobre a obra em si. Os canais foram cavados ao mesmo tempo, a partir do Lago IJ, em direção ao sul da cidade. A areia retirada era usada para tornar a área ao seu redor mais alta e protegida da água. Não há registros de quantos trabalhadores colocaram a mão na massa. “Analisei uma série de arquivos em busca de imagens da construção e nada encontrei, mas deveria haver milhares de pessoas trabalhando”, diz Feddes.

Próximo do centro, o Herengracht era o canal mais luxuoso. Junto com o Keizersgracht, o canal central que só não virou um bulevar nos moldes do que havia em Haia por causa do alto custo, foi concebido como área residencial. Nenhum dos dois recebia o tráfego de barcos com mercadorias do porto – só eram usados para o transporte de pessoas. O Prinsengracht, o mais externo dos três, concentrava residências, mercados, comércios e armazéns e era o único com conexão direta para o IJ.

Decadência

Os terrenos de frente para a água foram divididos em longas faixas e vendidos para a construção de casas – que seguiam regras específicas. “A altura e a área máxima eram predeterminadas”, diz Emma. “Nos fundos, não era permitido construir e os espaços eram ocupados por jardins.”

O Ano do Desastre (1672), quando a Holanda sofreu ataques da Inglaterra, de estados germânicos e da França, mudou os rumos do projeto. Os terrenos que faltavam para completar o semicírculo foram vendidos quase de graça ou viraram parques.

Os séculos seguintes foram de vacas magras, em especial depois da invasão francesa, que durou até 1813. Por isso, no fim dos anos 1800 teve início um movimento para se fecharem muitos canais. Tratava-se de uma questão de saúde pública. Sem sistema de esgoto, que só viria em 1900, tudo acabava na água.

A situação, que nunca foi boa (o terreno plano e a divisão dos canais tornavam a circulação da água lenta), chegou a um ponto desastroso com uma epidemia de cólera no começo do século 20. Cobrir os canais era visto como sinal de progresso. Mais ruas significava espaço para os carros, que ganhavam importância no transporte. “No século 19, o governo fez de tudo para a cidade voltar a ser um importante centro econômico”, diz Emma. “As pessoas não viam mais beleza nos canais.” Quando pareciam destinados aos livros de história, uma mudança de mentalidade tomou conta de Amsterdã no início do século 20. Turistas eram atraídos para a cidade construída sobre a água. A Europa vivia um momento de resgate de suas heranças e a cidade dos canais era um de seus cartões-postais mais preciosos, exóticos e raros.

 

*Texto originalmente publicado no site de Aventuras na História em agosto de 2013.