logo-ge

Gil Vicente: Resumo e análise de Auto da Barca do Inferno

O criador do teatro português e um dos maiores gênios da dramaturgia mundial apresenta nessa peça um painel crítico da sociedade de sua época

Na peça Auto da Barca do Inferno, Gil Vicente coloca vários personagens numa situação-limite. Todos estão mortos e chegam a um porto onde há duas embarcações: uma é chefiada pelo Anjo, que conduz ao paraíso; a outra, comandada pelo Diabo e seu Companheiro, vai para o inferno. Os personagens se apresentam diante do espectador como em um desfile, ao fim do qual cada um terá de enfrentar seu destino.

Esses personagens não representam indivíduos definidos, mas, sim, tipos sociais. Ou seja, não têm características psicológicas particulares. Servem como espécies de modelo, para exemplificar qual era, segundo Gil Vicente, o comportamento de determinados setores da sociedade da época. Por isso, podem ser denominados personagens alegóricos.

As alegorias são imagens que servem de símbolo a interpretações, como representações de uma situação ou de um setor social. Nessa peça, por exemplo, um fidalgo com um pajem e uma cadeira são uma alegoria para toda a nobreza ociosa de Portugal. O autor se inspirou bastante no teatro alegórico medieval, puramente cenográfico, e também nos momos – manifestações populares em que figuras fantasiadas representavam os vícios e as virtudes. Os autos eram representações comuns na Idade Média, em geral de conteúdo satírico ou alegórico. Publicado em 1517, o Auto da Barca do Inferno é, de acordo com o autor, um “auto de moralidade”.

Personagens 

ANJO – arrais, ou seja, navegante da barca celeste.

DIABO E SEU COMPANHEIRO – conduzem a barca infernal.

FIDALGO – representa todos os nobres ociosos de Portugal.

ONZENEIRO – simboliza o pecado da usura e a classe dos agiotas.

PARVO – representa o povo português, rude e ignorante, porém bom de coração e temente a Deus.

FRADE – representa os maus sacerdotes.

BRÍSIDA VAZ – alcoviteira (cafetina), simboliza a degradação moral e a feitiçaria popular.

JUDEU – representa os infiéis, que são alheios à fé cristã.

CORREGEDOR E PROCURADOR – encarnam a burocracia jurídica da época.

ENFORCADO – é o símbolo da falta de fé e da perdição.

QUATRO CAVALEIROS – representam as cruzadas contra os mouros e a força da fé católica.

Enredo

O Fidalgo é o primeiro a aproximar-se dos barcos, acompanhado de um pajem e de uma cadeira, símbolo de sua pretensa nobreza. O Fidalgo dirige-se primeiramente à Barca do Inferno, ainda sem reconhecer seu capitão. Quando enfim o Diabo se apresenta, o Fidalgo recusa-se a entrar no batel (barco) infernal, alegando que se salvaria por deixar na outra vida quem rezasse por ele. O Diabo responde-lhe com ironia:

“Quem reze sempre por ti?…

Hi-hi-hi-hi-hi-hi-hi!…

E tu viveste a teu prazer,

cuidando cá guarecer

(encontrar abrigo, salvação)

porque rezam lá por ti?

Embarca!, ou embarcai!,

que haveis de ir à derradeira,

(final)

mandai meter a cadeira

que assim passou vosso pai”.

Nesse trecho, é possível perceber a fineza da ironia do Diabo – personagem pelo qual fala muitas vezes a voz do autor. Observe, por exemplo, como o Diabo muda o pronome de tratamento de “tu” para “vós” no verso: “Embarca!, ou Embarcai!”, colocando em dúvida a nobreza de seu interlocutor. No último verso do trecho, o Diabo ofende a linhagem do Fidalgo, dizendo que o pai do personagem também teria tido como destino a danação. O Fidalgo encaminha-se então para a barca do paraíso, na qual é duramente reprimido pelo arrais do céu, o Anjo, que o acusa de “tirania” e o manda de volta à barca infernal, para a qual ele se encaminha resignadamente.

O Onzeneiro (agiota) carrega uma bolsa, símbolo de sua ganância. Assim como o Fidalgo e os demais personagens, ele acredita erroneamente em sua salvação. Após travar diálogo com o Diabo, encaminha-se para o batel celeste, do qual é repelido e obrigado a retomar seu destino, ou seja, o inferno.

Esse triplo movimento (Barca do Inferno, Barca do Céu, Barca do Inferno) é seguido pela maioria dos personagens. Por isso, a peça apresenta uma estrutura esquemática, que se disfarça pela inclusão da figura do Parvo, personagem que representa o povo e é colocado assimetricamente entre os condenados.

O Parvo, por ser tolo e inocente, não é condenado, embora utilize uma linguagem chula e muitas vezes ofensiva. Dirige-se ao Diabo da seguinte forma:

“Furta-cebolas! Hiu! Hiu!

Excomungado das igrejas!

Burrela, cornudo sejas!

(diminutivo de burra,

zombaria, esparrela)

Toma o pão que te caiu,

A mulher que te fugiu

Pera a Ilha da Madeira!

Ratinho da Giesteira,

(trabalhador do campo)

O demo que te pariu!”

Ao Parvo segue-se o Sapateiro, que leva consigo as ferramentas, símbolos de seu ofício e de sua maneira de ganhar dinheiro com a necessidade alheia. Ele espera salvar-se por ter confessado seus pecados e comungado antes de morrer. O Diabo, porém, o condena por sua hipocrisia, que o levava a roubar seus clientes logo depois de assistir às missas.

O Frade carrega armas de combate – um capacete e uma espada – e uma amante, Florença. Um dos personagens mais ridicularizados do auto, ele baila o tordião (dança cortesã) e dá aulas de esgrima diante do Diabo. O Frade acredita que, graças à sua condição de sacerdote, encontrará salvação. Após ser ironizado pelo Diabo e pelo Parvo, o padre segue o caminho dos demais danados.

Brísida Vaz é uma alcoviteira (dona de prostíbulo) e carrega vários apetrechos: hímens postiços, peças de encantar os homens, artigos de feitiçaria – o que indica que Gil Vicente condenava crendices e superstições populares. Seu destino é a perdição. Ela ainda argumenta, em vão, que salvou mais meninas do que Santa Úrsula. Utilizando linguagem vulgar, chama o Anjo de “barqueiro, mano, meus olhos”.

O Judeu aparece acompanhado de um bode e, por não seguir a fé cristã, não compreende tudo o que está ocorrendo. Inicialmente, nenhum dos barqueiros deseja levá-lo. O Diabo, por fim, consente em carregá-lo, mas a reboque. Em Portugal, naquela época, estava disseminado um forte antissemitismo (preconceito contra os judeus), A cena escrita por Gil Vicente expressa essa situação. Cabe aos leitores atuais entendê-la no contexto do período em que foi criada.

Os dois personagens que se seguem – o Corregedor e o Procurador – chegam carregados de livros e de processos. São corruptos e falam numa linguagem empolada, cheia de citações em latim, nas quais quase sempre incorrem em erros. Achincalhados pelo Parvo, são logo mandados para a Barca do Inferno, cada vez mais cheia.

O Enforcado também é um condenado, embora esperasse encontrar salvação porque lhe disseram que iria para o céu se abdicasse da vida. Logo percebe que havia sido enganado e acaba aceitando entrar na barca satânica.

O auto se encerra com quatro cavaleiros trazendo uma cruz, o que indica que morreram nas cruzadas, defendendo a fé cristã. Após uma curta resposta ao Diabo (“Quem morre por Jesus Cristo não vai em tal barca como essa!”), encaminham-se à barca celeste.

Tempo e espaço

Na obra, o tempo e o espaço não são definidos. Encontram-se em uma dimensão mítica, às margens do rio da morte, o rio Letes, já que se trata de uma obra alegórica.

Biografia

Dramaturgo e poeta, Gil Vicente nasceu provavelmente em Guimarães (Portugal), em 1465. Dados seguros sobre sua biografia, porém, não são conhecidos. Sabe-se que desde o início do século XVI vivia na corte, em Lisboa, onde organizava festas e comemorações. Como poeta lírico, encontra-se representado no Cancioneiro Geral de Garcia de Resende. É considerado o criador do teatro em Portugal. Como dramaturgo, produziu 44 peças, de inúmeros temas. Nelas, é marcante o caráter crítico e satírico, de sentido moralizante. A circulação de sua obra se fazia, em parte, por meio de folhetos impressos e em literatura de cordel. No entanto, alguns dos títulos do escritor foram proibidos ou expurgados pela censura inquisitorial. Sete deles foram incluídos em 1551 no Index (lista de livros cuja leitura era proibida pela Igreja Católica). A primeira reunião completa de suas criações, a Compilação de Todas as Obras de Gil Vicente, foi organizada sob responsabilidade do filho, Luís Vicente, em 1562. O escritor morreu entre 1536 e 1540.

Trechos comentados

“Corregedor – Ó arrais dos gloriosos,

passai-nos neste batel!

Anjo – Oh, pragas pera papel

pera as almas odiosos!

Como vindes preciosos,

sendo filhos da ciência!

Corregedor – Oh, habetatis, clemência

e passai-nos como vossos!

Parvo – Hou, homem dos breviários,

rapinastis coelhorum

et pernis perdigotorum

e mijais nos campanários!”

Comentário

Nesse trecho, há uma amostra do realismo linguístico de Gil Vicente. O Corregedor utiliza termos em latim para se defender. O Parvo faz, então, uma hilariante paródia de seu discurso: “rapinastis coelhorum et pernis perdigotorum”, ou seja, “rapinastes – roubastes – coelhos, pernis e perdizes”.

“Anjo – Eu não sei quem te cá traz…

Brísida – Peço-vo-lo de giolhos! (joelhos)

Cuidais que trago piolhos,

anjo de Deos, minha rosa?

Eu sô aquela preciosa

que dava as moças a molhos,

a que criava as meninas

pera os cónegos da Sé…

Passai-me, por vossa fé,

meu amor, minhas boninas, (margaridas)

olhos de perlinhas finas!

E eu som apostolada,

angelada e martelada,

e fiz cousas mui divinas.

Santa Úrsula nom converteu

tantas cachopas como eu (…)” (meninas, raparigas)

Comentário

Brísida Vaz tenta convencer o Anjo a deixá-la entrar na barca celeste. Usando linguagem vulgar, como se o Anjo fosse um dos seus clientes, chama-o de “meu amor, minhas boninas”, e afirma que espera salvar-se porque “criava as meninas” (prostitutas) para os padres da Sé – outra crítica do autor aos maus sacerdotes.