logo-ge

Zebras do vestibular: Maio de 68 não é exclusivo da França

Manifestações ocorreram em países desenvolvidos, subdesenvolvidos, capitalistas e socialistas, destaca professor


Público do festival de Woodstock, reflexo de 68 que teve lugar nos EUA em 1969

por Fábio Brandt

Não é raro que o Maio de 1968 seja estudado apenas como as manifestações estudantis ocorridas no mês de maio, em Paris. Mas o período é mais complexo que isso, alerta Lucas Kodama, professor de história do Anglo Vestibulares. "Foi uma onda de mobilizações, sobretudo dos jovens, em muitas partes do mundo, ao mesmo tempo", esclarece o professor. Ele lembra que a capital da Tchecoslováquia protagonizou uma das mais importantes manifestações de 1968: a Primavera de Praga, em que a população local reagiu pacificamente aos tanques de guerra enviados pelo governo soviético para reprimir os protestos.

"Do lado capitalista, jovens franceses foram à rua questionar o capitalismo, a sociedade de consumo e a indústria cultural, caindo um pouco à esquerda. Mas não eram favoráveis ao que estava acontecendo no bloco do socialismo", diz o professor. Do lado socialista, os jovens também questionaram sua forma de governo, "querendo um socialismo menos autoritário, mas sem buscar o capitalismo", destaca Kodama, ressaltando a diversidade de objetivos das manifestações de 1968.

SAIBA MAIS: O ano que sacudiu o mundo (AVENTURAS NA HISTÓRIA)

Outro ponto importante é que o espírito contestador de 68 inspirou manifestações ocorridas nos anos seguintes. "Em Woodstock, milhares de jovens foram cantar e ouvir música em 1969. Mas era reflexo daquele momento. Estavam cantando a paz, criticando a Guerra do Vietnã", exemplifica o professor Kodama.

SAIBA MAIS: Um dia em Woodstock (AVENTURAS NA HISTÓRIA)

No Brasil, lembra o professor, o espírito de 68 se fez presente em protestos contra a ditadura militar, como a Passeata dos Cem Mil – ocorrida em junho de 1968. "É uma serie de eventos que aconteceram em várias partes do mundo: mundo rico, pobre, subdesenvolvido, desenvolvido, socialista, capitalista. Cada um com suas demandas regionais, mas todos entendendo que era necessário mudar", conclui Kodama.

SAIBA MAIS:

– Entrevista com Vladimir Pereira, líder da Passeata dos Cem Mil (AVENTURAS NA HISTÓRIA)

– Zebras do vestibular: Saiba como ocorreu a Revolução Chinesa

– Zebras do vestibular: Confira dicas sobre as revoluções Mexicana, Cubana e Sandinista

– Zebras do vestibular: Batalha de Stalingrado foi mais decisiva que o Dia D

– Zebras do vestibular: Conheça relações entre crise de Honduras e história da América Latina