Guia do Estudante

RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Bacharelado

Legenda:

Graduação

Graduação Tecnológica

É a condução das relações entre povos, nações e empresas nas áreas política, econômica, social, militar, cultural, comercial e do Direito. Esse bacharel analisa o cenário mundial, investiga mercados, avalia as possibilidades de negócios e aconselha investimentos no exterior. Promove entendimentos entre empresas e governos de diferentes países, abrindo caminho para exportações, importações e acordos bilaterais ou multinacionais. A internacionalização da economia amplia o campo de atuação desse profissional, que pode trabalhar em ministérios, embaixadas e ONGs. 

 

 

 

Dúvida do vestibulando

Qual a diferença entre Relações Internacionais e Comércio Exterior?

O profissional de Relações Internacionais conduzir as relações entre povos, nações e empresas. Sua função é promover o entendimento para facilitar acordos políticos, militares, a econômicos e culturais. Já o profissional de Comércio Exterior se ocupa do intercâmbio comercial entre nações, principalmente das relações de compra e venda entre empresas.

Mercado de Trabalho

A globalização exige que as empresas brasileiras internacionalizem suas atividades. Esse profissional é requisitado em bancos e empresas privadas quanto em câmaras de comércio e associações setoriais. “O mercado tem demandado do bacharel habilidades como a avaliação e sistematização de informações e elaboração de estratégias de ação que não se restringe ao conhecimento técnico”, diz Paulo Pereira, coordenador do curso da PUC-SP. O setor público também demanda o profissional para assessorar ministérios e agências, secretarias municipais e estaduais, consulados e demais representações estrangeiras. Os postos de trabalho estão concentrados no eixo Rio-São Paulo e em Brasília, mas novas vagas aparecem nas capitais nordestinas.

Salário inicial: de R$ 2.000,00 a R$ 2.500,00 (fonte: prof. Matheus Souza, da Unijorge).

As melhores escolas

5 estrelas

DF Brasília UnB, MG Belo Horizonte PUC Minas, RJ Rio de Janeiro PUC-Rio, RS Porto Alegre UFRGS;

4 estrelas

BA Salvador Unijorge, DF Brasília UniCEUB, Taguatinga UCB-DF, PR Curitiba Unicuritiba, RJ Rio de Janeiro Ibmec-RJ, RR Boa Vista UFRR, RS Porto Alegre ESPM-Sul Rel. Intern. (ênf. em mkt. e neg.), SP Franca Unesp, Marília Unesp, São Paulo ESPM-SP PUC-SP, USP;

3 estrelas

DF Brasília Iesb-DF, MG Belo Horizonte Ibmec-MG, UniBH, PA Ananindeua Unama, PB João Pessoa UEPB, PE Recife Fac. Damas, RJ Niterói UFF, Unilasalle-RJ, Rio de Janeiro ESPM-RJ Rel. Intern. (ênf. em neg. e mkt.), SC Balneário Camboriú Univali, Florianópolis Unisul, Tubarão Unisul, SP São Paulo Faap, Facs. Int. Rio Branco, Fasm, Universidade Anhembi Morumbi;

Curso

O currículo divide-se em três grandes áreas: política, direito e economia. Durante a graduação, os alunos estudam bastante sociologia, economia e história. Questões sobre a guerra e a paz, o papel das organizações internacionais e a integração regional são alguns dos temas tradicionais. Além disso, têm aulas práticas, durante as quais fazem simulação de negociações políticas, empresariais, comerciais e diplomáticas. Trata-se de uma formação que exige muita leitura e o domínio de línguas estrangeiras - o inglês é indispensável. Na maioria das instituições de ensino é necessário que os estudantes façam estágio em empresas ou instituições públicas ou privadas que possuem atuação internacional. As escolas exigem a realização de um trabalho de conclusão de curso. Atenção: algumas instituições possuem enfoques específicos, como negócios e marketing (ESPM-RJ e ESPM-Sul), negócios internacionais (Fecap e Universidade Candido Mendes), comércio exterior (Unaerp), integração (Unila) e defesa e gestão estratégica.

Duração média: quatro anos.

Outros nomes: Ciências e Humanidades (rel. intern.); Defesa e gestão estrat. intern.; Humanidades (rel. intern.); rel. econ. intern.; rel. intern. e Comércio ext.; rel. intern. e integração.


O que você pode fazer

Agências governamentais

Planejar ações dos governos federal, estaduais ou municipais nos setores político, econômico, comercial, social e cultural.

Analista internacional

Coletar dados e elaborar relatórios sobre a conjuntura internacional para órgãos governamentais, empresas privadas e ONGs. Participar da elaboração de programas de cooperação com outras nações.

Comércio exterior

Identificar oportunidades de comércio e intermediar a importação e a exportação de produtos.

Compartilhe