logo-ge

Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia

Define e inova sistemas de produção, monitora equipamentos e controla a qualidade em cada uma das etapas

Este engenheiro – bioquímico, de bioprocessos ou de biotecnologia – conhece a química e a física relativas aos processos industriais que envolvem substâncias produzidas por seres vivos e aplica esse conhecimento no processo de fabricação de bebidas, alimentos, biocombustíveis e refino de petróleo. Define e inova sistemas de produção, monitora equipamentos e controla a qualidade em cada uma das etapas. Na área médica, atua em equipe no desenvolvimento de vacinas e novos métodos de diagnósticos; na agroindústria, faz o melhoramento vegetal e da produção pecuária e cria bioinseticidas, produtos para combater pragas agrícolas que usam como ingrediente ativo vírus, fungos ou bactérias. Também pode atuar em controle e saneamento ambiental. Algumas atividades desse profissional se sobrepõem às funções dos engenheiros químico ou sanitário.

Dúvida do vestibulando

QUAL A DIFERENÇA ENTRE BIOTECNOLOGIA E BIOQUÍMICA E AS ENGENHARIAS NESSAS ÁREAS?

O graduado em Biotecnologia ou Bioquímica trabalha principalmente como pesquisador. Já aquele que faz um curso que contenha no nome a palavra “engenharia” coloca esse conhecimento na prática, na indústria. Numa mesma empresa, por exemplo, o bioquímico pode se dedicar à pesquisa de enzimas. Mas é o engenheiro quem providenciará os acertos nos processos e equipamentos que usam essas enzimas. O que define essa diferença é a formação: enquanto o curso em Bioquímica enfatiza conteúdos das Ciências Biológicas, o de engenheiro inclui grande carga de Exatas.

O que você pode fazer

Alimentos e bebidas Na indústria alimentícia, monitorar os sistemas produtivos que empregam processos bioquímicos, como a fermentação.

Biocombustíveis Acompanhar o processamento de biomassa vegetal na produção de bioenergia e biocombustíveis.

Agricultura Otimizar a produção de insumos para a agricultura, como bioinseticidas e agentes para o controle biológico de pragas.

Enzimas Empregar essas substâncias orgânicas em indústrias farmacêuticas, têxteis, de fertilizantes ou de papel e celulose.

Manejo ambiental Monitorar o tratamento e o despejo de efluentes líquidos e de esgotos nas indústrias que empregam processos químicos ou nas secretarias de Meio Ambiente.

Saúde Na indústria farmacêutica, acompanhar a produção de medicamentos para a saúde animal ou humana.

Mercado de Trabalho

Todas as indústrias que usam processos fermentativos para fabricar um novo produto oferecem oportunidades para esse engenheiro. Os principais empregadores são as indústrias alimentícias, de bebidas fermentadas, de produtos lácteos, farmacêuticas e de combustíveis. Companhias dedicadas ao tratamento de efluentes também são uma frente de atuação, bem como empresas do setor de álcool e açúcar, que passam por uma nova fase, com a produção de etanol a partir dos resíduos das usinas. Para aproveitar essa matéria-prima alternativa (bagaço e palha de cana), a indústria sucroalcooleira precisa de engenheiros que saibam transformar celulose em glicose, o que envolve processos industriais diferentes de rotas empregadas anteriormente. Boas oportunidades nas regiões tradicionais de plantação de cana. A proliferação de doenças no país com potencial epidêmico, como dengue e zika vírus, aumenta a demanda pelo biotecnólogo, chamado para trabalhar no desenvolvimento de vacinas.

Curso

No início, o currículo é forte nas Ciências Exatas, próprias das engenharias – cálculo, probabilidade, física e química. Nos anos seguintes entram as disciplinas profissionalizantes, específicas em bioquímica, na qual o aluno aprende microbiologia e enzimas e conhece processos como fermentação, aeração e esterilização. A realização de estágio e a entrega de um trabalho de conclusão de curso são obrigatórios.

Duração média: 5 anos.

Outros nomes: Eng. Bioquím.; Eng. Biotecnológica; Eng. Biotecnológica e de Bioprocessos; Eng. de Biotecnol.; Eng. de Biotecnol. e Bioprocessos.