Guia do Estudante

ENGENHARIA AERONÁUTICA

Bacharelado

Legenda:

Graduação

Graduação Tecnológica

É o ramo da engenharia que se ocupa do projeto e da manutenção de aeronaves e do gerenciamento de atividades aeroespaciais. O engenheiro aeronáutico envolve-se no projeto e na construção de todos os tipos de aeronave, como aviões, helicópteros, foguetes e satélites. Esse profissional é fundamental para a segurança de qualquer voo. É ele o responsável pelo processo de manutenção, pela realização de reparos e pelas inspeções periódicas da estrutura e dos equipamentos, como asas, motores e fuselagem. Cuida também dos sensores e instrumentos de controle. Além de fabricar aviões, pode gerenciar obras e serviços ligados à infraestrutura aeronáutica, como a construção de aeroportos, o planejamento de linhas e o gerenciamento de tráfego aéreo.

Fique de Olho

Pleno Emprego

A expressão acima, usada para descrever um mercado em que todos estão empregados, encaixa-se perfeitamente às carreiras de engenharia aeronáutica e espacial. Isso porque o Brasil forma menos da metade do número de que precisa de engenheiros aeronáuticos. O principal motivo é que são poucas as vagas oferecidas pelas universidades, especialmente por causa da falta de professores capacitados. Há ainda quem opte por trabalhar fora do país – a boa formação dos profissionais brasileiros nessa área tem feito com que sejam procurados por empresas internacionais.

Mercado de Trabalho

O principal motor do mercado para esse engenheiro é a Embraer, empresa líder no mercado mundial de aviação comercial de pequeno e médio porte. A empresa amplia seu peso na indústria mundial com a produção de aeronaves executivas e de defesa e a abertura de novas fábricas e escritórios na Europa, América do Norte e Ásia. As turbulências na economia internacional desaceleraram as vendas externas na virada da década, mas a boa notícia é que o mercado está de novo se aquecendo. “Existe emprego para todos porque o setor não para de crescer e as escolas formam menos da metade do número de engenheiros de que o país precisa”, afirma Flávio Luiz de Silva Bussamra, coordenador do curso do ITA, em São José dos Campos. Além da própria Embraer, existem boas oportunidades de trabalho no conglomerado de empresas menores que prestam serviços para a Embraer, no Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), na Força Aérea Brasileira e em empresas de helicópteros, um
setor em expansão no Brasil, sobretudo na capital paulista.

Salário inicial: R$ 4.068,00 por 6 horas diárias (fonte: Crea-SP);

As melhores escolas

5 estrelas

SP São Carlos USP, São José dos Campos ITA Eng. Aeroespacial; Engenharia Aeronáutica;

Curso

Os dois anos de formação básica trazem bastante conteúdo das disciplinas física, química, matemática e computação. A partir do terceiro ano, começam as matérias tecnológicas, como eletrônica e dinâmica de sistemas de controle, além das específicas. Em aerodinâmica, por exemplo, o aluno estuda dinâmica de gases e fluidos. Em algumas escolas, o aluno pode optar por uma área de especialização, no terceiro ano. No fim do curso é obrigatório apresentar um trabalho de conclusão. Atenção: o ITA, a Univap, a UnB e a UFMG oferecem curso de Engenharia Aeroespacial.

Duração média: cinco anos.

Outros nomes: Ciência e Tecnologia (eng. aeroespacial); eng. Aeroespacial; eng. Aeron. e espaço; Mobilidade (eng. aeron.).



O que você pode fazer

Engenharia espacial

Projetar satélites e foguetes, definindo os dados técnicos necessários a sua construção, a seu lançamento e a sua operação.

Manutenção

Coordenar a realização de reparos, manutenção preventiva e inspeções periódicas das estruturas, dos sistemas e equipamentos de aeronaves.

Projeto

Desenhar a estrutura e os componentes de aeronaves, definindo os materiais e os processos empregados na produção e realizando ensaios e testes antes da fabricação em escala industrial.

Sistemas

Projetar, construir, testar e instalar motores, instrumentos de controle e sensores em aeronaves. Definir as especificações dos mecanismos que controlam o trem de pouso, a alimentação de combustível e a pressurização da cabine, entre outros.

Compartilhe