Guia do Estudante

ENGENHARIA ELÉTRICA

Bacharelado

Legenda:

Graduação

Graduação Tecnológica

É a área da engenharia que lida com a geração, a transmissão, o transporte e a distribuição da energia elétrica. O engenheiro eletricista planeja, supervisiona e executa projetos nas áreas de eletrotécnica, relacionadas à potência da energia. Ele está habilitado a construir e a aplicar sistemas de automação e controle em linhas de produção industrial, no desenvolvimento de componentes eletroeletrônicos, na operação e manutenção de equipamentos em hospitais e clínicas e em projetos de instalações elétricas em indústrias, comércios e residências. Também participa do projeto e da construção de usinas hidrelétricas, termelétricas e nucleares. Além das concessionárias de energia, o profissional com essa graduação encontra emprego em empresas de telecomunicações (desde fábricas de celulares até operadoras de sistemas de comunicação), indústrias de equipamentos, automação, fábricas de motores e geradores, consultorias ou em empresas prestadoras de serviços em computação.  

Mercado de Trabalho

Assim como nas outras engenharias, o mercado de trabalho para este profissional está em alta. Alguns fatores importantes aquecem a área, como o boom na construção civil, os investimentos em infraestrutura, com destaque para a energia, a ampliação e a modernização dos serviços de telecomunicação e o processo de inovação tecnológica nas indústrias. "No setor de telecomunicação, o maior foco é a popularização da TV digital e a transmissão de dados de quarta geração (internet 4G)", afirma o professor Marco Isaías Alayo Chávez, coordenador do curso de Engenharia Elétrica-Sistemas Eletrônicos da USP em São Paulo. "Já no setor de energia, os investimentos não são apenas em geração (construção de usinas, sobretudo hidrelétricas), mas também na gestão e melhora dos sistemas de distribuição e transmissão." As maiores oportunidades de emprego estão no setor privado, em empresas de telecomunicação, de tecnologia da informação e em construtoras, mas um grande mercado de trabalho para esse engenheiro são os órgãos públicos (ministérios, agências reguladoras, companhias de energia). É o que afirma Lúcio Martins da Silva, coordenador do curso de engenharia elétrica da UNB, em Brasília. Outro empregador de destaque é o segmento de automação industrial, um nicho tradicional de atuação para o engenheiro eletricista. As ofertas se concentram nos pólos industriais das regiões Sul e Sudeste.

Salário inicial: R$ 4.068,00 por 6 horas diárias (fonte: Crea-SP);

As melhores escolas

5 estrelas

MG Belo Horizonte UFMG, Itajubá Unifei, Juiz de Fora UFJF Eng. Elétr. (energia); Eng. Elétr. (robótica e autom. ind.); Eng. Elétr. (sist. de potência); Eng. Elétr. (sist. eletrôn.); Eng. Elétr. (telecom.), Uberlândia UFU, PB Campina Grande UFCG, PE Recife UFPE. RJ Rio de Janeiro UFRJ, RS Porto Alegre UFRGS, Santa Maria UFSM, SC Florianópolis UFSC, SP Campinas Unicamp, São Carlos USP Eng. Elétr. (eletrôn.); Eng. Elétr. (sist. de energia e autom.), São Paulo USP Eng. Elétr. (autom. e contr.); Eng. Elétr. (comput.); Eng. Elétr. (energia e autom.);

4 estrelas

BA Salvador UFBA, CE Fortaleza UFC, DF Brasília UnB, ES Vitória Ufes, GO Goiânia UFG, MG Belo Horizonte Cefet-MG, São João del Rei UFSJ, Viçosa UFV, PA Belém UFPA, PB João Pessoa IFPB, PR Cornélio Procópio UTFPR, Curitiba PUCPR Eng. Elétr. (ênf. em telecom.), UFPR, UTFPR, Londrina UEL, RJ Rio de Janeiro Cefet-RJ Eng. Elétr. (eletrot.), PUC-Rio Eng. Elétr. (eletrôn. e comput.); Eng. Elétr. (sist. de energia elétr.); Eng. Elétr. (telecom.), RN Natal UFRN, RS Porto Alegre PUCRS Eng. Elétrica-Eletrônica, São Leopoldo Unisinos, SC Joinville Udesc, SP Bauru Unesp, Guaratinguetá Unesp, Ilha Solteira Unesp, São Bernardo do Campo Centro Universitário da FEI Eng. Elétr. (telecom.), São Caetano do Sul Mauá, São Paulo PUC-SP;

3 estrelas

AM Manaus Ufam, BA Juazeiro Univasf-BA, Vitória da Conquista IFBA, CE Fortaleza Unifor-CE Eng. Elétr. (eletrot.), Sobral UFC, ES Vitória Ifes-ES, MA São Luís UFMA, MG Belo Horizonte PUC Minas, Ituiutaba Feit-Uemg, Poços de Caldas PUC Minas, Uberlândia Fac. Pitágoras de Uberlândia, MS campo Grande UFMS, PE Recife UPE Eng. Elétr. Eletrot., PR Foz do Iguaçu Unioeste, Pato Branco UTFPR, RJ Niterói UFF, Petrópolis UCP-RJ Rio de Janeiro Uerj Eng. Elétr. (eletricidade ind.); Eng. Elétr. (sist. de potência), Volta Redonda UniFOA, RS Alegrete Unipampa, Bento Gonçalves UCS, Canoas Ulbra, Ijuí Unijuí, Passo Fundo UPF, Pelotas UCPel, SC Blumenau Furb, Criciúma Fac. SATC, Jaraguá do Sul Católica SC, Joaçaba Unoesc, Palhoça Unisul Eng. Elétr. (telemática), SP Campinas USF, Santos Unisanta, São José dos Campos Etep Facs.-São José dos Campos, São Paulo Mackenzie, USJT, Taubaté Unitau Eng. Elétr. e Eletrôn.;

Curso

Prepare-se para enfrentar muito cálculo.O currículo começa com disciplinas básicas, como matemática, física e informática. As contas acompanham o aluno também nas aulas de economia e administração. A parte mais interessante fica por conta das aulas práticas e dos experimentos em laboratório, que costumam aparecer desde o início da graduação. A formação profissionalizante tem início no terceiro ano, com aulas de projetos de sistemas elétricos, materiais elétricos, sistemas digitais e eletromagnetismo, entre outras. No último, além das disciplinas, os alunos se dedicam ao trabalho de conclusão do curso. O estágio é obrigatório e, geralmente, feito a partir do quarto ano.

Atenção: antes de escolher o seu curso, verifique se existe alguma ênfase, como sistemas de energia, telecomunicações, computação, automação ou eletrotécnica.

Duração média: cinco anos.

Outros nomes: Ciência e Tecnologia (eng. elétr.); Ciências exatas (eng. elétr.); eng. elétr. e eletrôn.; eng. elétr. eletrot.; eng. ind. elétr.;



O que você pode fazer

Automação

Projetar equipamentos eletrônicos destinados à automação de linhas de produção industrial.

Eletrônica

Desenvolver circuitos eletrônicos para aquisição de dados (por exemplo, áudio, temperatura, umidade, pressão), transmissão de dados por radiofrequência, entre outros.

Eletrotécnica (potência e energia)

Planejar e operar sistemas elétricos, da geração à distribuição de energia. projetar e construir usinas, estações, subestações, redes de geração de energia e equipamentos usados no sistema de geração, transmissão e distribuição. Ampliar as redes de alta-tensão e dar manutenção a elas.

Engenharia biomédica

Projetar e construir equipamentos médico-assistenciais em hospitais, clínicas e laboratórios especificar e gerenciar sua utilização.

Hardware e programação

Desenhar componentes e desenvolver sistemas.

Instrumentação

Projetar e desenvolver equipamentos para a realização de medidas, registro de dados e atuadores.

Microeletrônica

Projetar, fabricar e testar circuitos integrados (chips) destinados a sistemas de computação, telecomunicações e de entretenimento, entre outras finalidades.

Telecomunicações

Desenvolver serviços de expansão de telefonia e de transmissão de dados por imagem e som. projetar e construir sistemas e equipamentos para telefonia e comunicação em geral e de processamento digital de sinais.

Compartilhe