logo-ge

A menos de um mês da Fuvest, veja quais temas devem ser revisados

Professores indicam os assuntos que caem com mais frequência na prova

A primeira fase da Fuvest 2015, vestibular que seleciona candidatos para a Universidade de São Paulo e para o curso de Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, acontece no dia 30 de novembro. Se você vai fazer a prova, provavelmente está ansioso. Isso é normal e um pouco de stress faz bem para manter sua mente alerta. Em excesso, no entanto, pode atrapalhar os seus planos de estudos. Para ajudá-lo a aproveitar bem as semanas que antecedem a prova, o GUIA DO ESTUDANTE traz dicas de professores e lista os temas que merecem mais atenção em cada matéria.

Para começar, é importante não desacelerar muito o ritmo de estudos – mas também não se deve aumentá-lo a ponto de chegar exausto à prova. "Esta é a hora de se manter atento e saber que tudo o que for estudado ajuda. É preciso manter o ritmo que o estudante manteve todo esse tempo e não parar de estudar achando que já sabe tudo. Também é bom evitar alterações bruscas de rotina, pois isso só aumentaria o stress. Se ele costumava estudar toda noite até então, deve continuar fazendo isso – mesmo que diminua um pouco o tempo de estudo", aconselha o diretor pedagógico do cursinho Oficina do Estudante, Célio Tasinafo.

Certo, então sabemos que os estudos devem continuar. Mas qual deve ser o foco? Reforçar o que já se sabe ou aprender coisas novas? Segundo Célio, o ideal é procurar um meio-termo, não deixando nenhuma disciplina de lado. Você deve focar naquilo em que tem conhecimentos intermediários em cada disciplina – não perdendo tempo fazendo exercícios sobre o que já está cansado de saber, mas também não tentando aprender agora o que não conseguiu aprender em um ano.

– Fuvest divulga relação candidato/vaga do vestibular 2015
– "Quem leva a sério consegue", diz diretor executivo da Fuvest
– Prepare-se para a Fuvest fazendo as provas antigas
– Resumos e análises das obras literárias exigidas pela Fuvest e Unicamp 2015

Outra boa forma de investir seu tempo é com as obras literárias obrigatórias (veja a lista aqui). "Isso faz a diferença. Não basta ler análises, mas também não adianta só ler o livro. O ideal é fazer as duas coisas, contextualizando as obras e estabelecendo relações entre elas", afirma Célio. "As questões geralmente não são diretas e sobre uma obra só – elas são de literatura comparada, em alguns casos abordando até cinco ou seis livros de uma vez", completa.

Por fim, resolva provas anteriores. Se não puder separar cinco horas seguidas para resolver as 90 questões, tente resolver pelo menos dez de cada vez – de preferência respeitando o tempo que terá no dia (3,3 minutos para cada questão). E, para se manter mais calmo, a dica de Célio é não se comparar com outros. Evite conversar com seus colegas sobre como e por quanto tempo cada um estudou. Esses papos podem deixá-lo inseguro. Lembre-se de que cada pessoa tem suas preferências na hora de estudar.

O conteúdo

A primeira fase da Fuvest conterá 90 questões de múltipla escolha, com cinco alternativas, de Português, História, Geografia, Matemática, Física, Química, Biologia e Inglês, além de algumas interdisciplinares. A duração da prova será de cinco horas.

 Área   Temas mais importantes Dicas
Português

>> Dedique-se a estudar as obras literárias obrigatórias (cerca de 35% das questões* envolvem isso) e gramática (16%). Interpretação de texto é outro tema muito comum (35%).

Em literatura, foque em:

Romantismo ("Viagens na minha terra", "Memórias de um sargento de milícias" e "Til")
Realismo-Naturalismo ("Memórias póstumas de Brás Cubas", "O cortiço" e "A cidade e as serras")
Modernismo, especialmente no que diz respeito às obras da Segunda Fase ("Capitães da Areia", "Vidas secas" e "Sentimento do mundo").

Em língua portuguesa, há três grandes tendências na prova:

– Descrição linguística — ou seja, identificar a classe a que pertence uma palavra;

– Norma padrão e desvios dessa norma (e aí entram ortografia, regência, concordância etc.);

– Efeitos de sentido produzidos por palavras e pelas combinações entre elas.

*Os números vieram de levantamento feito pelo cursinho Oficina do Estudante com base nas três últimas edições da Fuvest.

– Para treinar interpretação de textos, leia muito e tente explicar o que entendeu com suas próprias palavras. Resolver exercícios sobre isso também ajuda.

– Em literatura, dê ênfase na intertextualidade entre as obras, em seus pontos comuns e divergentes, como os vestibulares costumam cobrar. A dica fundamental é tentar compreender as peculiaridades de cada autor, bem como os contextos de produção e recepção de cada obra.

 

 

História

>> A prova de História é constituída de: Geral (40%), Brasil (34%), Temática (constituições, conceitos, por exemplo, com 17%). Há uma tendência de valorização de assuntos realizados à História a partir do século XIX e, no caso da História do Brasil, ao período republicano. Veja alguns pontos específicos que podem ser pedidos:

* História Geral: Primeira Guerra Mundial (devido ao centenário do conflito! Atenção para os motivos da Guerra, sua "mundialização" e consequências).
* História do Brasil: Vargas (devido aos 60 anos do suicídio) e Regime Militar (devido aos 50 anos do Golpe – atenção também para o Governo João Goulart e suas "Reformas de Base" em relação aos antecedentes do Golpe).

– Foque no significado geral do processo histórico, e não em episódios ou personagens famosos: mais do que um conjunto de nomes ou datas, o candidato deve estar a par das principais linhas de força (sociais, econômicas e políticas) que atuaram nos grandes períodos da história.

– O GUIA preparou um especial sobre os 100 anos da Primeira Guerra. Leia aqui.

Geografia

>> O conteúdo mais frequente está em geografia geral (63%). Geografia do Brasil aparece em 37% das questões.

A Fuvest não cobra atualidades diretamente – o que pode acontecer é que fatos recentes sejam usados como gancho para uma pergunta sobre um tema clássico. É pouco provável, por exemplo, que caia algo sobre a crise da água em si; mas há grandes chances de cair algo sobre a água – ciclos, influência no planeta etc. Atenção também para:

– Globalização – Blocos Econômicos
– A Terceira Revolução Industrial
– As Potências Emergentes
– As Disparidades Socioeconômicas Mundiais
– Problemas Ambientais Globais
– Mudanças na Estrutura da População Brasileira
– Problemas Urbanos Estruturais e Ambientais
– Cartografia – Leitura e análises de Mapas, Gráficos e Tabelas.
– Fontes Alternativas de Energia
– Problemas Sociais e Estruturais Urbanos
– Problemas Ambientais Urbanos
– Agronegócio no Brasil
– Migrações Internacionais
– Petróleo – Pré-sal
– Oriente Médio

– A prova costuma trazer questões que exigem interpretação: o aluno precisa correlacionar diferentes temas e entender o contexto. Não há um conceito abordado de maneira isolada.

– Tome muito cuidado na leitura das questões; palavras como "totalmente", "parcialmente", "exclusivamente" podem levar aluno a se atrapalhar na hora de entender o que se pede.

– A leitura de gráficos, mapas e tabelas é muito cobrada. Treine respondendo questões e lendo reportagens que trazem infográficos. (Fizemos um hangout sobre o tema aqui).

 

Matemática

Concentre seus esforços em estudar:
– Geometria Plana (16% da prova);
– Trigonometria (12%);
– Geometria Analítica (11%);
– Logaritmos (11%);
– Geometria Espacial (9%)

Treine resolvendo muitas questões. Mas o principal não é chegar numa resposta, e sim prestar atenção ao raciocínio e ao caminho para se chegar ao final.
Física

>> Os conteúdos que mais aparecem são: Mecânica (43% das questões), Óptica (15%) e Eletricidade (13%). Veja os temas mais importantes:

Hidrostática (empuxo e pressão)

Magnetismo (ímãs e lei de Lenz, movimento de cargas)

Eletrodinâmica (resistores em série e paralelo, potência, energia)

– Ondulatória (frequência, tubos, cordas)

– Cinemática (encontro de móveis, queda livre, lançamentos, movimento circular)

– Dinâmica (leis de Newton, forças)

– Trabalho e energia (sistemas conservativos)

– Óptica (reflexão, refração, espelhos e lentes)

– Eletrostática (força e campo elétricos)

– Termodinâmica (gases, trocas de calor)

– Todas as constantes são dadas no enunciado da questão (como a aceleração gravitacional, por exemplo: 9,8 m/s²). Se você está resolvendo e viu que precisa de uma constante que não foi dada, estranhe: você deve estar indo pelo caminho errado…

– Alguns dos tópicos listados são mais importantes, como velocidade média, leis de Newton, sistemas mecanicamente isolados, hidrostática, teoremas de energia, circuitos elétricos, leis da refração e lentes, calorimetria, equação geral dos gases perfeitos e equação fundamental da ondulatória.

Química * Ligações químicas: tipos de ligações químicas interatômicas (iônica, covalente e metálica) e entre quais tipos de elementos químicos elas ocorrem.
* Ligações intermoleculares: identificar as ligações intermoleculares e estabelecer sua relação com as propriedades físicas (ponto de ebulição e solubilidade), para compostos orgânicos e inorgânicos.
* Química orgânica: reconhecimento das funções orgânicas, nomenclatura e características. O fenômeno de isomeria plana e espacial. Reações de adição, substituição, oxidação, esterificação, saponificação, transesterificação (biodiesel) e polimerização.
* Eletroquímica: relações entre as reações químicas e a corrente elétrica. Pilhas e cálculos de força eletromotriz. Eletrólise ígnea e aquosa. Quantidade de matéria envolvida nestes processos.
* Termoquímica: relações entre as reações químicas e a quantidade de calor. Reações exotérmicas e endotérmicas. Quantidade de matéria envolvida nestes processos. Relacionar a eficiência energética dos combustíveis, e a emissão de gases estufa.
* Funções inorgânicas: reconhecimento das funções inorgânicas, nomenclatura e características. Chuva ácida e efeito estufa: Reações entre determinados óxidos ácidos e a água da chuva ocasionando a chuva ácida. Consequências deste fenômeno. Aumento do efeito estufa causado pelo aumento das emissões de dióxido de carbono, devido à queima de combustíveis fósseis.
* Equilíbrio químico: reversibilidade de reações químicas, constante de equilíbrio, equilíbrios moleculares e iônicos (principalmente pH e pOH), e deslocamento de equilíbrio.
* Soluções: curvas de solubilidade, coeficiente de solubilidade, concentração molar, molaridade de íons, concentração comum, relação entre as unidades de concentração, ppm e porcentagem em massa. Mistura de soluções com solutos diferentes também costuma cair, principalmente reações de neutralização completa entre ácidos e bases.
* Cálculos estequiométricos: cálculos químicos entre os componentes de uma reação baseados em grandezas como quantidade de matéria, massa e volume. Cálculos envolvendo excesso de reagentes, pureza e rendimento.
* Propriedades coligativas: fenômenos causados pela adição de solutos em determinados solventes (aumento da temperatura de ebulição e redução da temperatura de congelamento).
 – Resolva muitos exercícios para fixar o conteúdo e foque nos temas que não domina muito (sem deixar de revisar rapidamente o que já sabe bem). E evite se estressar com os tópicos que considera extremamente difíceis. Seja realista: você dificilmente irá aprender em um mês tudo aquilo que não aprendeu o ano inteiro.
Biologia Biologia celular e Bioquímica: a estrutura da célula de suas organelas, as funções dos diferentes compartimentos celulares, os tipos de substâncias que compõem os seres vivos, o funcionamento destas substâncias, ou seja, o metabolismo, seja ele de construção (síntese de proteínas) seja energético (fermentação, respiração e fotossíntese.
Genética e Evolução: as leis de Mendel; a teoria cromossômica da herança (destaque para herança ligada ao sexo); as aberrações cromossômicas; o conceito de mutações; as noções de biotecnologia, tema muito atual. Quanto à Evolução biológica, além das teorias clássicas (lamarckismo e darwinismo), o neodarwinismo (mutações e recombinação); processos de formação de novas espécies.
Ecologia: Os conceitos básicos, o fluxo de energia, os principais ciclos da matéria, a dinâmica de populações e de comunidades, e uma noção das características dos principais biomas brasileiros. Podemos incluir o estudo das principais parasitoses brasileiras e o conhecimento dos ciclos de vida dos parasitas.
Zoologia: Grupos animais e as características que os descrevem, além da importância ecológica de grupos como os Artrópodes e do conhecimento dos vertebrados. São ainda desejáveis uma noção de embriologia dos cordados e um bom conhecimento da fisiologia animal, principalmente a humana, esta última de muita importância e grande incidência nas provas.
Sistema circulatório. Não só dos humanos, mas dos outros animais também. É indicado estudar também sistema digestório e ciclo hormonal feminino.
Botânica: Características evolutivas, os ciclos haplodiplobiontes na reprodução, fisiologia vegetal. Dê atenção especial ao grupo das angiospermas – reprodução, comparação com outros grupos vegetais, especialmente gimnospermas, germinação.
Fotossíntese. É comum haver questões que comparem a fotossíntese com a respiração celular. Estude ponto de compensação fótico, fatores limitantes da fotossíntese, importância ecológica.
Os demais grupos de seres vivos: Os vírus, os organismos do grupo Monera, os Protistas e os Fungos.
Revise a matéria por resumos e resolvendo exercícios. "E fique atento: se você sempre fica entre duas alternativas e marca a errada, isso indica que seu conhecimento é bom, mas que você não sabe o suficiente. Os autores das questões pensam nos erros possíveis naquele assunto. Então, estude para entender melhor as suas bases teóricas", diz o professor de biologia do Anglo, João Carlos.
Inglês Cerca de 93% da prova de Inglês da Fuvest envolve interpretação de texto. Pode aparecer alguma questão pedindo o significado de uma palavra ou expressão, mas gramática raramente é cobrada. Como os textos costumam ser tirados de revistas e jornais e trazem temas atuais, é importante que o estudante tenha um bom repertório. Para isso, leia muito. Sites de jornais e revistas ingleses e americanos ajudam muito (inclusive a melhorar o vocabulário), mas ler revistas e jornais brasileiros com regularidade já vai dar a você alguma vantagem. Foque nas matérias sobre política, ciência e tecnologia, que são as mais abordadas nas questões. – Não se desespere com as palavras em inglês que você não conhece. Nesses casos, preste atenção ao contexto em que ela aparece. Também fique ligado nos cognatos (termos que são parecidos em inglês e português) e nas alternativas da questão, que são em português e podem trazer a tradução de algumas palavras.

Fontes consultadas: Célio Tasinafo (diretor pedagógico da Oficina do Estudante); equipe de professores do cursinho Oficina do Estudante; João Usberco (supervisor de química do curso Anglo); Patrícia Helena Senne dos Santos (professora e supervisora de inglês do curso Anglo); Ronaldo Carrilho (professor e supervisor de física do curso Anglo); Sezar Sasson e João Carlos (professores de Biologia do Cursinho Anglo); Paulo Roberto Moraes (professor de geografia do Anglo Vestibulares); Platão (professor de português do Anglo);

 

 

LEIA MAIS

– Notícias de vestibular