logo-ge

Polícia desmonta esquema que fraudou 11 vestibulares de Medicina

Estima-se que grupo tenha faturado cerca de R$ 5 milhões em menos de um ano de investigações

(Polícia Civil de Goiás/Divulgação)

A Polícia Civil de Goiás desarticulou, na última semana, uma quadrilha responsável por fraudar 11 vestibulares de Medicina. O grupo estava sendo investigado desde setembro de 2016 – estima-se que, neste período, tenha lucrado cerca de R$ 5 milhões.

Foram cinco pessoas presas na Operação “Monge”, nomeada em homenagem a um estudante que cometeu suicídio após não conseguir a aprovação. A quadrilha cobrava de R$ 80 mil a R$ 100 mil de cada candidato, atuando em 11 estados e no Distrito Federal.

O grupo fazia o aliciamento de universitários e profissionais de disciplinas isoladas, que faziam inscrições nas universidades e realizavam as provas, repassando as respostas certas aos candidatos pagantes via ponto eletrônico ou celular.

Segundo o delegado Cleybio Januário, 110 pessoas têm participação comprovada na fraude, incluindo candidatos e seus pais. Também ficou comprovado que mais de 50 pessoas estão cursando Medicina após a fraude.