logo-ge

Saiba como fazer intercâmbio pelo Ciência sem Fronteiras

A meta do programa é distribuir 101 mil bolsas de estudo no exterior até 2015

Você já pensou em fazer intercâmbio? Uma das possibilidades para quem se interessa em estudar fora é o Ciência sem Fronteiras, criado em 2011 pelo governo federal. O programa oferece bolsas de estudo no exterior a estudantes de graduação e pós-graduação, nas áreas de ciências exatas e biológicas, para investir na qualificação e desenvolvimento dos futuros profissionais brasileiros, aumentando sua presença nas grandes universidades de todo o mundo.

Até dezembro de 2013, mais de 60 mil alunos já haviam sido beneficiados. Saiba mais sobre o programa e veja abaixo como participar.

Requisitos

Para a bolsa de graduação, o candidato deverá (além de possuir nacionalidade brasileira), preencher os seguintes requisitos:

– Estar matriculado em um curso superior, nas áreas especificadas (exatas e biológicas), em uma das instituições parceiras do programa;
– Ter completado no mínimo 20% e no máximo 90% do currículo previsto para o curso (no momento do início da viagem);
– Ter obtido 600 ou mais pontos no Enem, em exames realizados a partir de 2009;
– Apresentar bom desempenho acadêmico;
– Não ter já usufruído de bolsa de estudos no exterior, financiada pela Capes ou pelo CNPq;
– Comprovar proficiência no idioma do país.

Para a bolsa de tecnológo, o candidato deverá:

– Estar matriculado em curso superior de tecnologia nas áreas e temas prioritários;
– Ter cursado no mínimo um semestre e estar, no máximo, no penúltimo semestre do curso, no momento do início da viagem;
– Apresentar proficiência no idioma do país;
– Possuir bom desempenho acadêmico.

Para as bolsas de doutorado, o candidato deverá:

– Estar formalmente matriculado em curso de doutorado reconhecido pela Capes (apenas para doutorado sanduíche);
– Não ser aposentado;
– Ter proficiência do idioma do país;
– Não possuir título de doutor.

Bolsas

Para se candidatar a uma bolsa, procure, na sua instituição, o coordenador institucional do programa. A inscrição é feita diretamente no site do Ciência sem Fronteiras, no período devido (que deverá ser acompanhado aqui), com a escolha do país onde deseja estudar, o preenchimento dos formulários e a separação dos documentos solicitados. Se selecionado, o candidato não pode escolher para qual instituição irá – a decisão será tomada pelas universidades estrangeiras do local escolhido em conjunto com a Capes e o CNPq.

As bolsas de graduação oferecidas são de 870 dólares mensais, enquanto as de doutorado sanduíche e doutorado pleno são de 1300 dólares. A meta do programa é que, até 2015, 101 mil bolsas sejam preenchidas, das quais 75 mil serão financiadas com recursos do Governo Federal e 26 mil com recursos da iniciativa privada.

Áreas contempladas

Para participar, o candidato deve estar matriculado em cursos das seguintes áreas:

– Engenharias e demais áreas tecnológicas;
– Ciências Exatas e da Terra;
– Biologia, Ciências Biomédicas e da Saúde;
– Computação e Tecnologias da Informação;
– Tecnologia Aeroespacial;
– Fármacos;
– Produção Agrícola Sustentável;
– Petróleo, Gás e Carvão Mineral;
– Energias Renováveis;
– Tecnologia Mineral;
– Biotecnologia;
– Nanotecnologia e Novos Materiais;
– Tecnologias de Prevenção e Mitigação de Desastres Naturais;
– Biodiversidade e Bioprospecção;
– Ciências do Mar;
– Indústria Criativa (voltada a produtos e processos para desenvolvimento tecnológico e inovação);
– Novas Tecnologias de Engenharia Construtiva;
– Formação de Tecnólogos.

Países

O Ciência sem Fronteiras possui acordo com instituições da Alemanha, Austrália, França, Coreia do Sul, EUA, Noruega, Japão, entre outros. Veja aqui as condições de cada país.

LEIA MAIS

– Notícias de vestibular e Enem