Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês

Andor Stern: a história do único sobrevivente brasileiro do Holocausto

Em 1944, Stern foi enviado junto com seus familiares para Auschwitz. O paulista faleceu nesta quinta-feira (7), aos 94 anos

Por Juliana Morales Atualizado em 19 Maio 2022, 17h34 - Publicado em 7 abr 2022, 19h33

Andor Stern, único sobrevivente brasileiro do Holocausto, faleceu nesta quinta-feira (7), aos 94 anos. A família divulgou a informação por meio de uma nota publicada no Instagram de Stern. 

Filho de imigrantes judeus húngaros, ele nasceu em 1928 em São Paulo, mas ainda criança ele se mudou com a família para a Hungria. Em 1942, o então presidente Getúlio Vargas declara apoio aos aliados contra a Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial. Como a Hungria, onde Stern vivia, estava ao lado de Hitler no conflito, o garoto judeu e sua família foram considerados inimigos estrangeiro pelas autoridades húngaras, como mostra o documentário sobre o Holocausto da BBC Brasil.

Stern conseguiu fugir e se esconder por um tempo, mas somente até a Hungria ser ocupada pelos nazistas. Em 1944, ele e a família foram deportados para Auschwitz. No campo de concentração, onde ficou meses, o jovem vivenciou a dor de ver sua mãe e outros familiares serem levados para a câmara de gás. Ele próprio enfrentou o trabalho escravo, desnutrição e outras condições desumanas.

Com a derrota na guerra, os nazistas iniciaram as evacuações de Auschwitz e forçaram os prisioneiros a caminharem pelo inverno rigoroso europeu – episódio que ficou conhecido como Marcha da Morte. Stern, pesando apenas 28 quilos, foi um dos sobreviventes. Após o fim da guerra, em 1945, retornou à Hungria e, em 1948, conseguiu voltar para a sua cidade natal, São Paulo, onde viveu até seus últimos dias.

 

Na nota de falecimento, a família ressalta que “Andor dedicou grande parte de seu tempo às suas palestras sobre o Holocausto, ensinando os horrores do período para que não se neguem nem se repitam, e motivando as pessoas a valorizarem e agradecerem a vida e a liberdade”.

Contexto histórico: Segunda Guerra Mundial e Holocausto

A Segunda Guerra Mundial envolveu nações de todos os continentes, estendeu-se de 1939 a 1945 e deixou cerca de 50 milhões de mortos. Foi uma nova tentativa de equacionar os conflitos deixados pela Primeira Guerra – a Itália e a Alemanha não aceitavam a derrota e, juntamente com o Japão, exigiam uma redivisão dos mercados mundiais para a expansão de seus parques industriais.

Continua após a publicidade

Antecedentes

Como o nazismo bloqueava o avanço do socialismo, as potências europeias não se opuseram ao crescimento do regime na Alemanha. Nem mesmo quando Hitler remilitarizou o país e anexou territórios. Em 1936, ele reocupou a Renânia, região na fronteira entre a França e a Bélgica. Em ofensiva diplomática, ofereceu ajuda econômica à Itália fascista e apoiou o general Francisco Franco na Guerra Civil Espanhola. Com o Japão, assinou o Pacto Anti-Komintern, para frear a expansão da União Soviética (URSS) na Ásia.

Em 1938, Hitler anexou a Áustria, no episódio conhecido como Anschluss. No mesmo ano, anexou uma região da Tchecoslováquia habitada por alemães (Sudetos). Em seguida, dominou o país inteiro. Em 1939, assinou com a rival URSS o Pacto Germânico-Soviético, um acordo de não agressão. Abriu-se, assim, o caminho a leste para ocupar uma área que permitia acesso ao mar pela Polônia e mantinha a província alemã da Prússia Oriental isolada do resto do território.

Avanço nazista

As tropas nazistas invadiram a Polônia em 1º de setembro de 1939, inaugurando a blitzkrieg (guerra-relâmpago), um fulminante ataque por terra e ar. Logo depois, Reino Unido e França declararam guerra aos alemães. Hitler ocupou a Dinamarca, a Noruega, a Holanda e a Bélgica.

Em junho de 1940, dominou a metade norte do território da França – no sul foi instalado um governo colaboracionista. Em setembro de 1940 foi formalizado o Eixo – pacto entre Alemanha, Itália e Japão que estabelecia o apoio mútuo em caso de ataque por potência ainda não envolvida na guerra – por exemplo, os Estados Unidos. No mesmo mês, Hitler bombardeou Londres, mas foi repelido pela Real Força Aérea (RAF).

Em junho de 1941, a Alemanha invadiu a URSS. As tropas nazistas foram barradas pelo rigoroso inverno e pelo contra-ataque soviético. Agora, os alemães precisavam lutar em duas frentes: contra os ingleses a oeste e contra os russos a leste.

Paralelamente aos combates, Hitler perseguia os judeus, que inicialmente foram confinados em guetos. A partir de 1942, foi implantada a “solução final”, que previa a deportação e a execução em massa em campos de trabalho, concentração e extermínio na Alemanha e na Polônia. No fim do conflito, cerca de 6 milhões de judeus haviam sido mortos, num dos maiores crimes da história, o holocausto.

O que você acaba de ler faz parte do Passei!, a plataforma que prepara você para o Enem.

No Passei! você tem acesso a uma videoaula Segunda Guerra Mundial com professores do Curso Poliedro, e material de apoio.

São mais de 400 conteúdos das principais disciplinas, com simulados de várias universidades do Brasil. Na plataforma, o estudante também tem acesso a uma seleção de reportagens de VEJA, VEJA SAÚDE, SUPERINTERESSANTE e também do GUIA para você ficar afiado nos conteúdos de Atualidades e mandar bem na Redação. Tudo isso a partir de R$ 9,90 ao mês! Saiba mais neste link.

Continua após a publicidade

Publicidade