Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês

Chile elege parlamentares para criar nova Constituição

Eleições abrem uma nova página da história do país

Por Danilo Thomaz Atualizado em 18 Maio 2021, 20h12 - Publicado em 18 Maio 2021, 20h00

As eleições para a formação da Assembleia Constituinte chilena surpreenderam na última semana. Ao contrário do que se esperava, os conservadores que compunham a lista Vamos por Chile – apoiada pelo atual presidente, Sebastian Piñera – acabaram com menos de um terço dos assentos, o que diminuiu seu poder de barganha na Assembleia composta por 155 constituintes que redigirão a nova Carta Magna do país.

A chapa Aprovo ― que reúne boa parte da aliança Concertação, de centro-esquerda, que comandou o Chile entre 1990 e 2010―, terá 25 assentos na Assembleia. A Aprovo Dignidade, uma coalizão entre comunistas e a Frente Ampla, deve ter 28 constituintes.

Quem ficou com a maioria dos assentos da Constituinte que enterrará a Constituição de 1988 – herança da ditadura do general Augusto Pinochet (1973-88) – foram os candidatos independentes, que devem ter 30 assentos. Embora nem todos sejam de esquerda, estão afinados com as pautas que levaram os chilenos às ruas em 2019.

A expectativa é de que o país, que tem alto índice de desigualdade apesar de um padrão de vida acima da média sul-americana, tenha uma nova carta constitucional mais progressista, atendendo a demandas sociais histórias na saúde, educação e previdência.

Vamos entender como o Chile chegou até aqui?

Continua após a publicidade

O golpe de 1973

Em 11 de setembro de 1973, o presidente socialista Salvador Allende, primeiro marxista a ser eleito democraticamente no Ocidente, foi derrubado pelos militares liderados pelo general Augusto Pinochet, dando início a uma das ditaduras mais sanguinárias da América do Sul.

Além do óbvio aspecto da violência, a ditadura de Pinochet, por meio dos economistas da Escola de Chicago, transformou o Chile no primeiro laboratório do neoliberalismo – modelo econômico, político e social que se tornaria hegemônico a partir da década de 1980, baseado, a grosso modo, no mercado como regulador da sociedade, por meio de privatizações de empresas e serviços públicos.

A Constituição de 1980 e os anos da Concertação

Ao contrário do que aconteceu no Brasil, no processo de redemocratização chileno não foi instaurada uma nova Constituição, mantendo-se a carta de 1980. Em 5 de outubro 1988, mesmo dia em que foi promulgada a nova Carta brasileira, o Chile, em plebiscito, decide pela não-continuidade de Pinochet no poder.

Em 1990, com o fim da ditadura, ascende a Concertação, uma coalizão de centro-esquerda que governaria o país durante duas décadas dentro dos marcos constitucionais de 1980, mais voltados a uma defesa de caráter liberal da propriedade privada e dos negócios em detrimento dos direitos básicos da população. Essa estrutura socioeconômica levou ao crescente endividamento da população, sobretudo os trabalhadores, idosos e estudantes, que, a partir dos anos 2000, começariam a tomar as ruas em protesto.

Anos 2010

Em 2010, em pleno auge da chamada “onda rosa” na América Latina, em que o continente fora governado por líderes e partidos não-alinhados automaticamente ao neoliberalismo, o conservador Sebastian Piñera é eleito para suceder Michele Bachelet, uma das figuras mais populares da esquerda chilena. A derrota da Concertação é o primeiro sinal de desgaste do pacto pós-ditadura. Piñera, no entanto, não foi capaz de lidar com as insatisfações, simbolizadas pelos protestos estudantis, e acabou derrotado pela própria Bachelet, que voltou ao poder em 2014. Sem condições políticas de dar cabo às demandas sociais, Bachelet devolveria o poder, quatro anos depois, a Piñera.

Os protestos

Em outubro de 2019, uma massa de manifestantes toma o Chile. Como aconteceu no Brasil, o preço das passagens de ônibus foi o estopim para as manifestações, que, como aqui, tornaram-se massivas após a brutal repressão do Estado. Nem mesmo as medidas autoritárias, como a prisão de 3 mil manifestantes, e de exceção, como o Toque de Recolher, foram capazes de barrar o ímpeto da população. No final de outubro, mais de 1 milhão de pessoas foram às ruas. Encurralado, Piñera convocou um plebiscito para outubro de 2020, no qual a maioria decidiu votar para a criação de uma nova constituição.

Prepare-se para o Enem sem sair de casa. Assine o Curso Enem do GUIA DO ESTUDANTE e tenha acesso a centenas de videoaulas com professores do Poliedro, que é recordista em aprovações na Medicina da USP Pinheiros

Continua após a publicidade

Publicidade