logo-ge

Coreia do Norte amplia ameaça nuclear a Tóquio e Seul

Veja os destaques do noticiário internacional da semana de 11/9 para quem vai prestar vestibular. Todas as informações são da Agência Brasil

Coreia do norte amplia ameaça nuclear a Tóquio e Seul após novas sanções

Líder norte-coreano aparece em telejornal japonês

Líder norte-coreano aparece em telejornal japonês (Tomohiro Ohsumi/Getty Images)

A Coreia do Norte estendeu sua ameaça nuclear ao Japão e à Coreia do Sul, recriminando o apoio “ardente” destes países aos Estados Unidos na busca de novas sanções.

O regime norte-coreano acredita ser necessário “desferir um golpe” sobre os japoneses, que “não demonstraram razoabilidade”, nem mesmo depois do lançamento de um míssil balístico intercontinental sobre o arquipélago, cujas ilhas “deveriam afundar no mar pela bomba nuclear Juche”, disse um porta-voz do Comitê Norte-Coreano para a Paz da Ásia-Pacífico em um comunicado divulgado pela agência KCNA.

O comitê norte-coreano também atacou o governo sul-coreano, acusando-o de “traidores” e “cachorros dos Estados Unidos” ao pedir sanções mais duras para seus “compatriotas”. Leia mais

Veja também

ONU impõe novas sanções à Coreia do Norte por testes nucleares

Reunião da ONU sobre a não-proliferação da Coreia do Norte

Reunião da ONU sobre a não-proliferação da Coreia do Norte (Eduardo Munoz Alvarez/Getty Images)

O Conselho de Segurança da ONU aprovou uma resolução com novas sanções contra a Coreia do Norte pelos testes nucleares e balísticos que vem realizando desde 2006.

A resolução, que contou com o apoio unânime dos 15 integrantes do Conselho, foi proposta pelos Estados Unidos, mas até chegar à mesa de votação o texto foi revisado, com efeitos menos drásticos, para que pudesse ser aprovado.

Inicialmente, os EUA estavam pedindo, entre outras coisas, a proibição que os países-membros da ONU vendessem à Coreia do Norte gás, petróleo e produtos petrolíferos refinados, bem como a proibição de comprar têxteis norte-coreanos.

A resolução aprovada estabelece a proibição de vender à Coreia do Norte gás natural ou condensado e produtos petrolíferos refinados que excedam meio milhão de barris a partir de 1º de outubro e de 2 milhões de barris a partir de 1º de janeiro de 2018 e durante 12 meses. Leia mais

Polícia britânica vê ato terrorista em explosão em metrô londrino

Primeiros socorros após a explosão no metrô de Londres

Primeiros socorros após a explosão no metrô de Londres (Gareth Cattermole/Getty Images)

A explosão ocorrida nesta sexta-feira (15), em um trem do Metrô de Londres, é tratada como ato terrorista pela polícia do Reino Unido, informou a Scotland Yard. O estouro ocorreu às 8h21 (horário local, 4h21 de Brasília) em um trem da linha District Line, que se dirigia para o centro da capital britânica.

O ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, Boris Johnson, pediu que a população tenha “calma” e ressaltou a importância de “não especular” sobre a natureza da explosão ocorrida na estação Parsons Green. Leia mais

Veja também

Suprema Corte dos EUA retira parte das restrições do veto migratório de Trump

Donald Trump em pronunciamento

Donald Trump em pronunciamento (Tom Pennington/Getty Images)

A Suprema Corte dos Estados Unidos atendeu a um pedido do governo para eliminar algumas das restrições impostas ao decreto migratório do presidente Donald Trump, que tem como objetivo restringir a entrada de refugiados e cidadãos de seis países de maioria muçulmana.

Em uma breve notificação judicial, de apenas uma página, a Corte determinou que não poderão entrar nos EUA avós, tios e outros familiares próximos dos refugiados. No entanto, para cidadãos dos seis países – Irã, Somália, Sudão, Síria, Iêmen e Líbia, essa restrição foi retirada pelo órgão. Leia mais

Veja também

Maduro diz estar disposto a se tornar ditador para chegar à paz econômica

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro (Spencer Platt/Getty Images)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou que está disposto a se tornar um ditador para combater a inflação, garantir a manutenção dos preços à população e chegar à “paz econômica” no país.

“Chova, troveje ou relampeje, nós vamos obter a paz econômica, a prosperidade e a estabilidade dos preços. Quero fazer isso de um jeito bom, mas se tiver que ser do ruim, me tornando um ditador para garantir os preços ao povo, eu vou fazê-lo”, assegurou o presidente em um discurso em rede nacional de rádio e televisão.

Maduro indicou que o combate à inflação no país deve ser um “objetivo nacional”, que deve unir produtores e distribuidores. Leia mais

Veja também
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s