Assine com até 65% de desconto
Atualidades no Vestibular Por Blog Acompanhar as notícias - e compreendê-las - é fundamental para quem vai prestar o vestibular. Veja aqui resumos semanais e análises dos acontecimentos mais importantes da semana.

Coreia do Norte amplia ameaça nuclear a Tóquio e Seul

Veja os destaques do noticiário internacional da semana de 11/9 para quem vai prestar vestibular. Todas as informações são da Agência Brasil

Por da redação 15 set 2017, 19h19

Coreia do norte amplia ameaça nuclear a Tóquio e Seul após novas sanções

Líder norte-coreano aparece em telejornal japonês Tomohiro Ohsumi/Getty Images

A Coreia do Norte estendeu sua ameaça nuclear ao Japão e à Coreia do Sul, recriminando o apoio “ardente” destes países aos Estados Unidos na busca de novas sanções.

O regime norte-coreano acredita ser necessário “desferir um golpe” sobre os japoneses, que “não demonstraram razoabilidade”, nem mesmo depois do lançamento de um míssil balístico intercontinental sobre o arquipélago, cujas ilhas “deveriam afundar no mar pela bomba nuclear Juche”, disse um porta-voz do Comitê Norte-Coreano para a Paz da Ásia-Pacífico em um comunicado divulgado pela agência KCNA.

O comitê norte-coreano também atacou o governo sul-coreano, acusando-o de “traidores” e “cachorros dos Estados Unidos” ao pedir sanções mais duras para seus “compatriotas”. Leia mais

  • ONU impõe novas sanções à Coreia do Norte por testes nucleares

    Reunião da ONU sobre a não-proliferação da Coreia do Norte Eduardo Munoz Alvarez/Getty Images

    O Conselho de Segurança da ONU aprovou uma resolução com novas sanções contra a Coreia do Norte pelos testes nucleares e balísticos que vem realizando desde 2006.

    A resolução, que contou com o apoio unânime dos 15 integrantes do Conselho, foi proposta pelos Estados Unidos, mas até chegar à mesa de votação o texto foi revisado, com efeitos menos drásticos, para que pudesse ser aprovado.

    Inicialmente, os EUA estavam pedindo, entre outras coisas, a proibição que os países-membros da ONU vendessem à Coreia do Norte gás, petróleo e produtos petrolíferos refinados, bem como a proibição de comprar têxteis norte-coreanos.

    A resolução aprovada estabelece a proibição de vender à Coreia do Norte gás natural ou condensado e produtos petrolíferos refinados que excedam meio milhão de barris a partir de 1º de outubro e de 2 milhões de barris a partir de 1º de janeiro de 2018 e durante 12 meses. Leia mais

    Continua após a publicidade
  • Polícia britânica vê ato terrorista em explosão em metrô londrino

    Primeiros socorros após a explosão no metrô de Londres Gareth Cattermole/Getty Images

    A explosão ocorrida nesta sexta-feira (15), em um trem do Metrô de Londres, é tratada como ato terrorista pela polícia do Reino Unido, informou a Scotland Yard. O estouro ocorreu às 8h21 (horário local, 4h21 de Brasília) em um trem da linha District Line, que se dirigia para o centro da capital britânica.

    O ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, Boris Johnson, pediu que a população tenha “calma” e ressaltou a importância de “não especular” sobre a natureza da explosão ocorrida na estação Parsons Green. Leia mais

  • Suprema Corte dos EUA retira parte das restrições do veto migratório de Trump

    Donald Trump em pronunciamento Tom Pennington/Getty Images

    A Suprema Corte dos Estados Unidos atendeu a um pedido do governo para eliminar algumas das restrições impostas ao decreto migratório do presidente Donald Trump, que tem como objetivo restringir a entrada de refugiados e cidadãos de seis países de maioria muçulmana.

    Em uma breve notificação judicial, de apenas uma página, a Corte determinou que não poderão entrar nos EUA avós, tios e outros familiares próximos dos refugiados. No entanto, para cidadãos dos seis países – Irã, Somália, Sudão, Síria, Iêmen e Líbia, essa restrição foi retirada pelo órgão. Leia mais

  • Maduro diz estar disposto a se tornar ditador para chegar à paz econômica

    Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro Spencer Platt/Getty Images

    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou que está disposto a se tornar um ditador para combater a inflação, garantir a manutenção dos preços à população e chegar à “paz econômica” no país.

    “Chova, troveje ou relampeje, nós vamos obter a paz econômica, a prosperidade e a estabilidade dos preços. Quero fazer isso de um jeito bom, mas se tiver que ser do ruim, me tornando um ditador para garantir os preços ao povo, eu vou fazê-lo”, assegurou o presidente em um discurso em rede nacional de rádio e televisão.

    Maduro indicou que o combate à inflação no país deve ser um “objetivo nacional”, que deve unir produtores e distribuidores. Leia mais

  • Continua após a publicidade
    Publicidade