logo-ge

Entenda a crise no sistema penitenciário brasileiro

Massacre em Manaus (AM) mostra a situação precária das prisões no país

Uma briga entre facções rivais no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus (AM), terminou com a morte de 56 detentos na segunda-feira, 2 de janeiro. Foi o maior massacre em prisões no Brasil desde outubro de 1992, quando 111 presos foram mortos pela Polícia Militar no presídio do Carandiru, em São Paulo.

A matança na rebelião de Manaus chocou o país e repercutiu no mundo todo. Contudo, o episódio está longe de ser um caso isolado nas prisões brasileiras. Em média, uma pessoa é assassinada por dia nos presídios do país.

A morte dos 56 detentos no Compaj evidenciou a grave crise do sistema prisional no Brasil. Devido ao elevado número de crimes, a políticas públicas equivocadas e à insuficiência de investimentos governamentais em segurança, as prisões no país vivem superlotadas. O Brasil é um dos países que mais prendem pessoas, atrás apenas dos Estados Unidos, da China e da Rússia.

Segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), o número de detentos triplicou entre 1999 e 2014, ano em que a população carcerária somou 579.423 pessoas. Como o número de vagas existentes é menor, 375.892, faltam 203.531 vagas nas prisões do país. Em outras palavras, é 1,5 preso para cada vaga, e em alguns estados esse índice sobe ainda mais.

Além disso, a lentidão e a ineficiência da Justiça agrava a superlotação dos presídios. Entre os mais de 500 mil detentos estão 222 mil sem julgamento ou condenação à prisão, devido à morosidade da justiça. Essas duas centenas de pessoas estão presas com a chancela de “provisórios”.

>> Veja também: 5 fatos para entender a violência no Brasil

A superlotação agrava a precariedade das penitenciárias. Celas lotadas, falta de condições sanitárias, entre outros problemas, contribuem para a violência interna e o crescimento das facções criminosas, ao facilitar o contato entre presos perigosos e os detidos por delitos leves, em vez de proporcionar sua recuperação para a sociedade.

A superlotação das prisões brasileiras é apontada como uma grave violação dos direitos humanos pela organização internacional Human Rights Watch (HRW). “O fracasso absoluto do Estado nesse sentido viola os direitos dos presos e é um presente nas mãos das facções criminosas, que usam as prisões para recrutar seus integrantes”, afirma Maria Laura Canineu, diretora do escritório da HRW em São Paulo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s