logo-ge

Documentário retrata condições de trabalho em canaviais

"Migrantes", produzido por quatro universidades federais, expõe a realidade de nordestinos em canaviais de modernas usinas paulistas

As migrações internas são um importante fenômeno para entender a dinâmica dos movimentos populacionais no Brasil. Para quem está em ano de vestibular, a atenção ao tema deve ser redobrada, já que ele costuma ser abordado nos exames.

Só em 2016, as provas do Enem, Unesp e Unicamp cobraram o entendimento de conceitos relacionados as migrações dentro do País.

No Brasil, o ápice da migração se deu entre os anos 1960 e 1980, quando muitas pessoas se deslocaram do campo para as cidades. Apesar de nas últimas décadas isso ter diminuído bastante, o Nordeste ainda perde habitantes em busca de melhores condições de vida, principalmente, para a região Sudeste.

Em 46 minutos, o documentário Migrantes (2007), fruto de parceria entre as Universidades Federais de São Carlos, Rio de Janeiro, Piauí e Maranhão, reflete justamente sobre o dia a dia de nordestinos que deixam sua terra natal para trabalhar em canaviais de usinas paulistas. A obra está disponível no Youtube.

Por meio de relatos, são conhecidos os motivos que levam os trabalhadores nordestinos a virem para São Paulo e se submeterem ao trabalho árduo e arriscado no corte de cana-de-açúcar. Nos canaviais, para permanecerem empregados, suas capacidades físicas são colocadas no limite. Para se ter uma noção, eles são obrigados a cortar, no mínimo, nove mil toneladas de cana por dia. Expostos a essa condição degradante, muitos homens não aguentam e morrem.

A distância da família também é outra consequência retratada. Nas cidades de origem, ficam apenas as mulheres, crianças e aposentados, que precisam viver com a saudade dos pais, maridos e irmãos e a tristeza pela falta de notícias.

O estímulo ao debate para reverter essa situação é o maior desafio colocado em cena pelo documentário.

Veja também
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s