Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês
Por dentro das profissões Por Blog Informações sobre profissões e carreiras para te ajudar a escolher aquela que tem mais a ver com você

Como posso me especializar em Engenharia Biomédica?

Por Malú Damázio Atualizado em 24 fev 2017, 15h22 - Publicado em 22 Maio 2015, 19h43

 

(Imagem: Thinkstock)

A pergunta de hoje tem como tema a formação em Engenharia Biomédica e foi enviada pela leitora Lídia Oliveira, que deseja realizar a graduação na área, mas irá cursar Engenharia Mecânica.

“Ei, pessoal do Guia! Desejo muito cursar Engenharia Biomédica, mas na minha cidade não tem o curso em faculdades públicas. Minha segunda opção de curso é Engenharia Mecânica. Eu poderia cursar Engenharia Mecânica fazendo algumas matérias da Biomédica? Ou teria que cursar primeiro Mecânica e depois fazer uma pós-graduação ou mestrado me especializando na Engenharia Biomédica? Se eu fizesse durante o curso de Engenharia Mecânica matérias da Engenharia Biomédica seria uma especialização? Desde já, obrigada!”

Tanto o engenheiro mecânico quanto o engenheiro biomédico trabalham diretamente com o desenvolvimento de máquinas e equipamentos. Entretanto, o que diferencia as duas carreiras é que o profissional da Engenharia Biomédica é responsável por projetar especificamente equipamentos utilizados em hospitais, laboratórios de análises clínicas, indústrias farmacêuticas, consultórios médicos, biomédicos e odontológicos. Ele estuda formas de aperfeiçoar o funcionamento dessas máquinas, pesquisa materiais adequados para cada uma delas, de acordo com suas funções, e também trabalha com manutenção hospitalar. Assim, o curso de Engenharia Biomédica tem, além de disciplinas Exatas em seu currículo – comuns a todas as Engenharias, inclusive à Mecânica –, muitos assuntos das áreas de Saúde e Biologia.

Uma das vantagens de se cursar a graduação em uma faculdade pública é que, além das matérias previstas na grade curricular da carreira escolhida, o estudante também pode se inscrever em disciplinas optativas livres para complementar sua formação. Na maioria das vezes, esses créditos podem ser cumpridos em qualquer curso oferecido pela instituição. A possibilidade é muito útil para alunos que querem se aprofundar em estudos de outras áreas, mas, ainda assim, não é considerada uma especialização. Existem cursos específicos para isso e também há pós-graduação, que envolve mestrado e doutorado.

>> Saiba mais sobre a carreira de Engenharia Biomédica

Para entender melhor o que faz um engenheiro biomédico e como se especializar na área, o Guia do Estudante conversou com Camila Davi Ramos, formada pela Universidade Federal de Uberlândia. Ela, que faz mestrado em processamento de sinais e pesquisa em Eletroencefalograma em ambiente de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), explica que, apesar de as duas Engenharias abordarem assuntos em comum, é importante que a Lídia, que pensa em ingressar em Mecânica, realize um estudo relacionado ao campo da Engenharia Biomédica para trabalhar diretamente com isso.

Confira seu depoimento!

Continua após a publicidade

Camila Davi Ramos, engenheira biomédica formada pela UFU:

“O curso de Engenharia Biomédica, assim como qualquer outro curso de engenharia contempla as áreas básicas de um curso de ciências exatas, como por exemplo as disciplinas de Cálculos, Físicas e Lógica de Programação. Portanto a tendência é que os cursos de engenharias tenham de 30 a 40% de similaridade uns com os outros. Porém o que diferencia uma engenharia da outra são os enfoques e as disciplinas específicas.

Como graduada em Engenharia Biomédica há pouco tempo, acredito que é extremamente importante que as disciplinas específicas sejam bem aplicadas e cursadas durante o processo de formação do aluno e futuro atuante na área de Engenharia Biomédica. Por se tratar de uma área muito ampla e recente no Brasil, a Engenharia Biomédica estuda conceitos de Engenharia Elétrica, Mecânica, Mecatrônica, Eletrônica, dentre outras, além de conceitos de Tecnologia da Informação, mas todos eles direcionados à aplicação na área da saúde.

Há duas ênfases estudadas no curso de Engenharia Biomédica: Bioengenharia e Biomecânica. Acredito que essas áreas sejam as mais dependentes do conhecimento abordado na Engenharia Mecânica, visto que se tratam dos conhecimentos em sistemas mecânicos aplicados na saúde. Porém, como a graduação em Mecânica não trata somente desses conteúdos, mas, sim, de várias temáticas da carreira, acredito que seja necessário cursar Engenharia Biomédica ou fazer uma pós-graduação na área para aprimorar os conceitos e aplicá-los à saúde.

Essas características não são abordadas em um curso de Engenharia Mecânica ou qualquer outro que não seja a própria Engenharia Biomédica. Mas é evidente que se o aluno opta por fazer um curso de qualquer outra Engenharia que exista, a chance dele conseguir conciliar o aprendizado durante o curso com a aplicação em Engenharia Biomédica se torna mais fácil uma vez que a base dos cursos é a mesma.

Já o fato de cursar disciplinas da Engenharia Biomédica mesmo fazendo outra Engenharia não qualifica o aluno como engenheiro biomédico e não pode ser considerado uma especialização. Pra isso, é necessário que o estudante realize algum curso de pós-graduação na área. Mas, por questão de conhecimento, assistir as aulas é bastante válido, até mesmo para conhecer melhor a área de Engenharia Biomédica que é tão ampla e nova.”

>> Leia também sobre a carreira em Engenharia Mecânica

_______________

Quer que a sua dúvida sobre profissão também seja respondida aqui no blog? Envie um e-mail para consulte.ge@abril.com.br com o assunto “Dúvida sobre Profissão”. Sua pergunta pode aparecer por aqui também! :)

Continua após a publicidade
Publicidade