Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês
Por dentro das profissões Por Blog Informações sobre profissões e carreiras para te ajudar a escolher aquela que tem mais a ver com você

Conheça o curso inédito de Defesa Cibernética

Graduação forma o profissional que vai desenvolver projetos para impedir ataques cibernéticos em empresas

Por Lisandra Matias Atualizado em 23 Maio 2018, 12h39 - Publicado em 23 Maio 2018, 12h37

Com a crescente informatização de setores e empresas de todos os ramos, uma necessidade que surge é a de garantir a segurança dos dados e informações digitais. Um simples clique num link desconhecido pode abrir as portas para os mais diferentes tipos de vírus, que se espalham com rapidez para diferentes computadores. Em geral, esses ataques acontecem devido a falhas de segurança no acesso aos dados armazenados.

Segundo o relatório anual de ameaças cibernéticas publicadas em março de 2017 pelo SonicWall Global Response Intelligence Defense (GRID), o Brasil é o segundo país mais afetado por ataques cibernéticos no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

Para fazer frente a essas ondas de ataques, a FIAP, em São Paulo, passou a oferecer em 2018 o curso de graduação em Defesa Cibernética, inédito no país. Trata-se de um curso superior de tecnologia, com duração de dois anos, oferecido tanto na modalidade presencial como a distância. Entre as disciplinas estão Inteligência Artificial, Internet das Coisas (IoT), Cybersecurity, Ethical Hacking e Perícia Forense.

O coordenador do curso, professor Humberto Delgado de Sousa, esclarece a diferença entre o curso de Defesa Cibernética e o de Segurança da Informação, também uma graduação  tecnológica da mesma área. “Segurança da informação é um curso mais amplo enquanto Defesa Cibernética é totalmente focado nas invasões e vulnerabilidades que podem acontecer em ativos tecnológicos, como estações, celulares, servidores, roteadores, dispositivos de IoT, entre outras tecnologias emergentes”.

Ele também conta que existe uma estimativa de que 10% das vagas que foram abertas em 2017 para o setor de tecnologia da informação (TI ) foram voltadas para a área de defesa cibernética. “Há estudos que apontam que seis milhões de vagas no mundo serão destinadas à defesa cibernética até 2021”, afirma.

Além da FIAP, a Unirb-BA, em Salvador, e a Unir-Natal (RN) também passaram a oferecer o curso, com a duração de três anos.

Continua após a publicidade

Publicidade