Assine com até 65% de desconto
Por dentro das profissões Por Blog Informações sobre profissões e carreiras para te ajudar a escolher aquela que tem mais a ver com você

80% dos futuros médicos não sabe interpretar uma radiografia

Exame do Cremesp divulgou exemplos de questões com maiores índices de erros entre os recém-formados

Por Lisandra Matias Atualizado em 24 abr 2017, 16h26 - Publicado em 14 fev 2017, 16h12
(imagem: istock) GE/Guia do Estudante

O Conselho Regional de Medicina de São Paulo publicou, em 8 de fevereiro, os resultados da prova voluntária que aplica aos alunos recém-formados em cursos de Medicina do estado.

Do total dos 2.677 egressos que fizeram a prova, mais da metade (1.511) não alcançou a nota mínima exigida – acerto de 60% das 120 questões de múltipla escolha que compõem o exame.

  • Segundo o Cremesp, muitos dos recém-formados demonstraram não saber interpretar exames de imagem para diagnosticar e administrar a conduta adequada a casos médicos básicos e problemas de saúde frequentes, como crises hipertensivas e doenças respiratórias.

    O órgão divulgou exemplos de questões com altos índices de erros:

    • 80% não souberam interpretar um exame de radiografia e erraram a conduta terapêutica de paciente idoso
    • 78% não souberam interpretar o tipo de pesquisa científica e relevância para indicação de novos tratamentos
    • 75% não souberam identificar principais características e conduta a ser tomada no caso de paciente com deficiência respiratória
    • 71% não acertaram diagnóstico e tratamento para hipoglicemia de recém-nascido, problema comum em bebês
    • 70% não conseguiram diagnosticar tuberculose por meio da história clínica e exame físico
    • 70% não souberam indicar a conduta adequada em paciente com crise hipertensiva, doença que acomete 25% da população brasileira

    Na tentativa recuperar os conteúdos em que os alunos mais tiveram dificuldade na prova, o Conselho lançou  um curso de revisão online. Ele é gratuito aos participantes do Exame 2016 que tiveram nota insuficiente.

    Continua após a publicidade
    Publicidade