Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês
Redação para o Enem e Vestibular Por Blog Dicas de redação, propostas e análises de texto para mandar bem no Enem e nos vestibulares

A gente aprende lendo: 5 exemplos de recursos de linguagem

Confira o uso de recursos às vezes inesperados

Por Paulo Montoia Atualizado em 16 Maio 2019, 17h53 - Publicado em 3 mar 2016, 19h28

Veja em trechos de celebrados escritores o uso de recursos às vezes inesperados, como a ironia, o sarcasmo, o neologismo ou uma simples metáfora.

  • Ode ao Burguês

“Eu insulto o burguês! O burguês-níquel (…)  O homem-curva! O homem-nádegas! Eu insulto as aristocracias cautelosas.

Mário de Andrade cria neologismos que fazem sarcasmo (homem-curva, homem-nádegas) para enriquecer seu poema-manifesto, em Pauliceia Desvairada.

>> Veja os principais movimentos literários do Brasil

  • Dom Casmurro

“Os amigos que me restam são de data recente; todos os antigos foram estudar a geologia dos campos santos”.

Machado de Assis utiliza eufemismo e ironia para citar os amigos mortos.

Continua após a publicidade
  • Macunaíma

“No fundo do mato-virgem nasceu Macunaíma, herói da nossa gente.“

Na primeira frase de seu romance, Mário de Andrade faz paródia do romantismo indigenista, para introduzir um herói nacional “sem nenhum caráter”.

>> Os 10 maiores nomes da literatura brasileira e suas obras

  • A Hora da Estrela

“Macabéa, esqueci de dizer, tinha uma infelicidade: era sensual. Como é que num corpo cariado como o dela cabia tanta lascívia, sem que ela soubesse que tinha? Mistério.”

Veja como Clarice Lispector se vale de sarcasmo para referenciar o leitor no machismo do namorado-narrador da personagem.

  • O Cortiço

“O Miranda, que era homem de sangue esperto e orçava então pelos seus trinta e cinco anos, sentiu-se em insuportável estado de lubricidade”.

Aluísio Azevedo escolhe a palavra orçava para dimensionar a idade do personagem Miranda, e insinua, sugere o quanto ele é ganancioso.

Continua após a publicidade
Publicidade