Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês
Redação para o Enem e Vestibular Por Blog Dicas de redação, propostas e análises de texto para mandar bem no Enem e nos vestibulares

Análise de redação: Dificuldades do poder judiciário no Brasil

Veja a correção e os comentários dos professores para uma das redações enviadas pela proposta de 11 de setembro

Por redação 3 out 2017, 16h50
Mik_photo/iStock

Com base na proposta do dia 11 de setembro, os estudantes deveriam escrever uma dissertação sobre o tema As dificuldades do poder judiciário no Brasil”. Leia abaixo uma das redações enviadas e veja, em seguida, a análise feita pelos professores da plataforma de correção Imaginie.

Suprema arrogância

O filósofo iluminista Montesquieu, em [1] “O espírito das leis”, estabeleceu a divisão de poderes, ratificando ser necessária para diminuir a concentração do poder e o abuso deste por parte do governante. Com isso, séculos depois, a 1ª república do Brasil institucionalizou a fragmentação proposta e publicou o dever do Judiciário: assegurar a aplicação das leis. No entanto, a crise dos princípios morais na contemporaneidade, somada à morosidade da justiça, tornam o cenário um desafio à efetivação do pressuposto.

Em primeiro plano, observa-se que a ausência do exercício de alteridade “coloca em xeque” a aplicabilidade das leis e fere a isonomia. Isso ocorre porque, historicamente, as decisões políticas e judiciais sempre foram pautadas nos interesses da minoria, de maneira a negar os direitos propostos em emendas e artigos para os demais cidadãos. Dessa forma, a conveniência elitizada sobrepõe os valores éticos e morais, além de anular a [2] afirmativa proposta na Constituição Federal de 1988: o poder emana do povo. Sob tal [3] conjectura, comprova-se a assertiva feita pelo jurista Rui Barbosa, de que a pior ditadura é a do judiciário, pois contra ela não há a quem recorrer.

[4] Ademais, outro agravante é o excesso de leis, muitas vezes mal formuladas, atrelado à falta de aparelhamento estatal, os quais consolidam a justiça brasileira como morosa. De fato, a desproporção entre o aumento do número de leis [5] e a baixíssima quantidade de profissionais tornam o conteúdo dúbio durante as análises judiciais, de modo a postergar muitos processos. Além disso, pode-se somar o atraso brasileiro no que tange a aparatos tecnológicos no ramo judicial: a ausência de aprimoramento nos materiais e a insistência em mecanismos manuais, tais como a utilização de fichas e o armazenamento em escaninhos, configuram o sistema como obsoleto.

Infere-se, portanto, que o Poder Judiciário brasileiro necessita de alvarás para solucionar as dificuldades. Destarte, com o objetivo de eliminar negativas culturais, o [6] Ministério da Educação deve implementar nos currículos educacionais o Direito usual, a fim de ensinar as crianças o exercício pleno da cidadania, além de fomentar o caráter de alteridade, de modo a desenvolver futuros cidadãos maduros eticamente e moralmente. Poderia, também, por intermédio do [7] Ministério da Justiça, reduzir e simplificar as leis para que as interpretações duvidosas sejam amenizadas e o andamento processual seja efetivo. Por fim, é preciso que o Poder público firme parcerias com a iniciativa privada para reformar a infraestrutura, incrementando a informática não só em âmbito judicial como populacional. Assim, poderá ser superada na nação a ditadura prevista pelo jurista. [8]

Análise da redação do aluno

Competência I – Demonstrar domínio da norma culta:

[3] O correto seria CONJUNTURA, não conjectura, pois o objetivo é dizer dado momento; circunstância, situação.

Continua após a publicidade

Competência II – Compreender a proposta:

[2] Traz fatos e dados que dão consistência aos argumentos. Muito bom.

Competência III – Selecionar e relacionar argumentos:

[1] Presença de outras áreas de conhecimento. Muito bom!
[5] A relação entre aumento de leis e baixíssima quantidade de profissionais não ficou clara no seu texto.

Competência IV – Conhecer os mecanismos linguísticos para a construção da argumentação:

[4] Bom uso dos recursos coesivos, que garantem uma boa construção do texto e fluidez de ideias.

Competência V – Elaborar a proposta de solução para o problema:

[6] Esta parte da intervenção possui pouca ligação com a discussão do texto. A pauta sobre consciência política e cidadã das pessoas deveria ser abordada de forma aprofundada em algum momento da argumentação.
[7] Mais de um agente na proposta, muito bom! É importante sempre dividir as responsabilidades. Parabéns!
[8] Com exceção de algumas partes, a proposta foi bem elaborada. Indica quem deve fazer, de que forma e para quais propósitos, ou seja, está completa.

Nota: 920

Continua após a publicidade

Publicidade