Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês
Vida Universitária Tudo o que você precisa saber para aproveitar ao máximo os seus anos na faculdade

Estudante de medicina fala sobre a primeira semana na faculdade

Caroline participou de palestras, trote solidário e gincanas organizadas por professores e veteranos

Por Marcela Coelho Atualizado em 7 mar 2018, 15h36 - Publicado em 7 mar 2018, 15h20
Caroline Prado/Arquivo pessoal

Encontrar o seu nome na lista de aprovados do vestibular traz muita felicidade e a sensação de que tudo deu certo! Mas, depois disso, a ansiedade já começa a aparecer de novo, não é mesmo? Isso porque ainda tem um longo tempo até o início das aulas. E esse período de espera e expectativas é bastante angustiante.

Por isso, pensando em trazer um aperitivo para você de como é a recepção dos calouros e a primeira semana de aula em uma universidade, a estudante Caroline Belo Prado, de 18 anos, que ingressou em medicina este ano relatou para o Guia do Estudante as suas primeiras experiências da vida universitária. Veja:

No dia 27 de novembro de 2017, eu fui fazer a matrícula na universidade, três dias após ser aprovada. Eu não estava acreditando. Eu e meus pais estávamos muito realizados. Não há palavras que descrevam o que eu sentia naquele momento. Subir aquelas escadas em direção à recepção para falar de “matrícula”, na minha cabeça eu realmente estava sonhando. Há um mês estávamos todos no carro, ansiosos, nos direcionando ao local do vestibular. E então, logo depois, no carro, também ansiosos, para fazer a matrícula.

Minhas aulas começaram em 5 de fevereiro de 2018. Estava muito ansiosa. Confesso que não dormi na noite anterior. Eu acordei bem cedo e comecei a me preparar. Eu estava indo para a faculdade de medicina que eu tanto sonhei. Ao chegar, me direcionei até a cafeteria e fiquei por ali, por muito tempo. Eu congelei. Eu não estava acreditando mesmo!

Acompanhei as palestras do dia. A primeira semana foi diferente. Os veteranos da turma anterior e a faculdade prepararam uma semana de recepção. Ocorreram palestras sobre intercâmbio, congressos, pesquisas em andamento, iniciação científica, ligas.

No período da tarde, no primeiro dia de aula, fui ao trote solidário organizado pelos professores e alguns veteranos. Foi muito legal! Teve muita tinta, muitas gincanas com direito a prêmios, muita música, risadas e churros! Sim, teve churros! Foi um dia bacana. Naquele momento, eu pude perceber de verdade que a medicina não era só um sonho mas, agora, uma realidade. A medicina iria me acompanhar a partir daquele dia, do meu primeiro dia de aula.

Faz mais ou menos um mês que minhas aulas começaram. Nesse momento eu tenho a certeza que estou no lugar certo. O método de ensino é PBL (em português: Método Baseado em Problemas), o que pressupõe que estudemos muito, o tempo inteiro. Essa história de “estudar apenas quando tem prova” não existe nesse método. Todos os dias somos avaliados e para que ocorra uma aula, você precisa se preparar para ela. Temos que ler muito.

Atualmente, gosto muito desse método. Percebo que estou aprendendo a estudar sozinha e isso para uma carreira médica é essencial. Faço parte da Liga de Geriatria e não pretendo parar por aí. Quero aproveitar intensamente esse mundo novo. Tenho apenas 18 anos, mas a certeza que há um momento e lugar certo para tudo e para todos.

Caroline Belo Prado
  • Continua após a publicidade
    Publicidade