logo-ge

5 áreas da Medicina Veterinária para fugir do consultório

A atuação dos profissionais é bem mais ampla do que parece e inclui setores como pesquisa e saúde pública

Neste dia 9 de setembro é comemorado o Dia do Veterinário. A data marca a regulamentação da profissão no Brasil, em 1933. Esse importante profissional é responsável por cuidar da saúde, da preservação, do controle e do tratamento de toda a fauna. Dessa forma, a área veterinária engloba tudo que é relacionado ao mundo animal; seja os de criação em larga escala, de companhia doméstica ou para pesquisa científica. Entretanto, mesmo tendo uma atuação tão ampla, é comum termos uma visão estereotipada da profissão, em que o formado em Medicina Veterinária só é associado à atividade em consultórios, clínicas e hospitais para cães e gatos.

Para ajudar a acabar com esse clichê, o GUIA separou 5 áreas de atuação na Veterinária para aqueles que não querem trabalhar em consultórios.

Agricultura e Pecuária
O agronegócio é, sem dúvida, um dos pilares da economia brasileira. Segundo dados do Ministério da Agricultura, Agropecuária e Abastecimento, o setor é o que mais gera vagas de emprego em todo o país – cerca de 37% de todos os postos de trabalho no Brasil são ligados diretamente à agricultura ou pecuária. A área engloba todos os passos a que os alimentos são submetidos até chegar ao prato do consumidor e, por isso, é tão diversificado no seu leque de profissionais. Os médicos veterinários entram no jogo como peças fundamentais para a atuação em campo e podem trabalhar na fiscalização sanitária; na inspeção dos ambientes e condições de criação dos animais; na pesquisa por novas tecnologias e ainda no controle de zoonoses e epidemias.

Veterinária Esportiva e Perícia
Por mais polêmica que seja, a utilização de animais em competições esportivas e em eventos de leilões ou concursos é uma realidade comum no Brasil. A presença de um médico veterinário nesses locais é mais do que fundamental para garantir que o bem-estar e a saúde dos animais não sejam comprometidos, principalmente em situações que podem causar estresse e descontentamento. Enquanto a Perícia foca em eventos, feiras, leilões e concursos, a Veterinária Esportiva é responsável por fiscalizar os esportes que usam força animal, como o hipismo e as corridas.

Comércio
Se você sente que leva jeito para vendas, essa é a sua chance! Ao trabalhar em uma casa agropecuária ou em um pet shop, você pode tanto operar como um médico veterinário ou um zootecnista, quanto como o responsável pela indicação e venda de rações adequadas, suplementos e remédios básicos, brinquedos e outros cuidados necessários para a criação de animais. Hoje em dia, o ramo de cuidados e serviços para pets é um dos que mais cresce no país e no mundo e todo dia surge uma novidade no setor. Portanto, a busca por profissionais nessa área só tende a aumentar.

Pesquisa e Desenvolvimento

Outra parte fundamental da medicina veterinária é a área de pesquisa e desenvolvimento. A produção de novos remédios e medicamentos, o aprimoramento de técnicas de preservação ambiental, o auxílio no desenvolvimento industrial, ou ainda o exercício acadêmico são alguns exemplos de atividades possíveis para quem optar por essa área. Nesse vídeo do curso de Medicina Veterinária da Universidade de Araraquara, o professor Guilherme Rossi Gorni explica um pouco mais sobre a profissão e destaca a possibilidade de unir novas ferramentas tecnológicas, como o rastreamento via satélite e os estudos genéticos, para auxiliar a salvar espécies em extinção. É um ótimo caminho para aqueles que buscam uma prática mais ampla da profissão, e que trabalhe também com conceitos de Ecologia e Ciência.

Saúde Pública
O novo coronavírus é um ótimo exemplo da necessidade de uma colaboração mais eficiente entre a medicina veterinária e a saúde humana. Não é de hoje que doenças de origem animal ameaçam a humanidade e provocam ondas de contaminação por onde passam. Um relatório da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) afirma que 70% das enfermidades surgidas desde a década de 1940 são de origem animal; são exemplos o HIV-1, a gripe aviária (H5N1) e a doença da “vaca louca” (encefalopatia espongiforme bovina). Boa parte foi causada pela exploração humana sem a devida fiscalização e cuidado profissional. O papel do médico veterinário na saúde pública é justamente zelar para que cenários como o da Covid-19 não aconteçam ou não se repitam. Essa ação preventiva é traduzida em atuação em campo, fiscalização de agroindústrias e desenvolvimento de aprimoramentos tecnológicos.