logo-ge

5 dicas para estudantes que desejam seguir a carreira diplomática

Saiba como funciona a carreira de diplomata, quais são as funções, os cargos e os salários

A possibilidade de seguir uma carreira internacional abre oportunidades únicas na vida de uma pessoa. Por isso, a carreira diplomática está no imaginário de muitos por todo o país.

Entre os diversos perfis que se interessam pela carreira, os mais jovens merecem um destaque especial. Atraídos por um ótimo salário e a oportunidade de vivenciar experiências pelo mundo, muitos iniciam a preparação para ingressar na diplomacia ainda na faculdade, ou até mesmo antes dela.

Se interessou pelo tema? Então conheça um pouco mais sobre a carreira diplomática e confira algumas dicas que separamos para você!

O que faz um diplomata?

É claro que a carreira oferece diversas possibilidades de atuação. Mas, em linhas gerais, o diplomata é um agente político, cuja função é a implementação de diretrizes de política externa.

Isso significa que o diplomata é um representante oficial do país junto à comunidade internacional. Entre suas atribuições, estão a negociação de tratados e acordos que vão de encontro aos interesses brasileiros. Além disso, o diplomata é uma fonte direta de informações para o governo sobre assuntos do seu interesse.

Muitos enxergam o diplomata de forma romantizada, imaginando que se trata de uma figura altamente elitizada cuja carreira se resume a puro glamour. A verdade é que este é apenas um estereótipo, inclusive muito simples de se derrubar.

Dentro das funções da carreira, o diplomata, que é um servidor público, pode exercer as mais diversas atividades, que estarão ligadas ao seu posto de trabalho, cargo, entre outros fatores.

Cargos e salários

Basicamente, o diplomata pode ocupar até 6 categorias que seguem uma linha hierárquica. O ingresso na carreira ocorre no cargo de Terceiro Secretário e a primeira promoção acontece num período mínimo de 3 anos para o cargo de Segundo Secretário.

O salário inicial é de R$19.199,06 no cargo de Terceiro Secretário, podendo chegar a R$27.368,67 para o Embaixador, categoria máxima atingida na carreira diplomática.

Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD)

O ingresso na carreira diplomática acontece por meio de um concurso, o CACD, que é realizado pelo Instituto Rio Branco (IRBr) e há mais de 20 anos acontece regularmente pelo menos uma vez ao ano.

Entre os requisitos básicos para prestar o CACD, podemos destacar:

  • Ter a idade mínima de 18 anos;
  • Estar em dia com as obrigações eleitorais e militares;
  • Ser brasileiro nato;
  • Ser graduado em curso superior por uma instituição reconhecida pelo MEC.

Muitos candidatos ficam em dúvida, por isso é importante reforçar: não é necessário ter um curso superior específico, qualquer formação é suficiente para habilitar o candidato ao concurso.

O CACD é formado por duas fases. A primeira é uma prova objetiva, enquanto que segunda é formada por provas escritas. As duas fases possuem caráter eliminatório.

São bem abrangentes as áreas de conhecimento que devem ser dominadas pelo candidato ao CACD. De modo geral, essas são as disciplinas cobradas no concurso: Direito, Direito Internacional Público, Economia, Geografia, História Mundial, História do Brasil, Política Internacional e Línguas (Português, Inglês, Espanhol e Francês).

Se interessou pela carreira diplomática? Então confira essas 5 dicas!

Para estudantes que estão na faculdade ou para aqueles que ainda se preparam para iniciar a graduação, é importante ressaltar: a aprovação no CACD exige, na maioria dos casos, uma preparação a longo prazo.

Segundo o guia de estudos para o CACD de 2018, um documento tradicionalmente criado de forma colaborativa pelos aprovados no concurso, naquele ano “o tempo médio de estudo foi de 3,75 anos” para aqueles que conquistaram uma vaga. 

Pensando nisso, faz sentido dizer que iniciar a preparação para o CACD antes mesmo de se formar na faculdade é uma excelente estratégia.

É exatamente por isso que separamos algumas dicas que serão o diferencial para você que quer começar a se preparar para o CACD a partir de agora! Vamos a elas?

1. Crie um plano de estudos

Como falamos anteriormente, são várias as disciplinas cobradas no concurso. Por isso, naturalmente, a bibliografia do CACD é numerosa, o que exige uma carga extensa de estudos para cobrir todos os assuntos descritos no edital do concurso.

Se você estuda ou até mesmo trabalha, a primeira coisa a se fazer é compreender a fundo a sua rotina. Para isso, responda a essas perguntas:

  • Quantas horas por dia ou semana você tem disponíveis para se dedicar aos estudos para o CACD?
  • Você realmente consegue reservar essa carga horária sem comprometer os outros contextos que também exigem a sua dedicação?

Isso te ajudará a criar um plano de estudos bem adequado à sua rotina, evitando que você abandone ou prejudique os estudos por um excesso de tarefas que você não conseguirá sustentar no longo prazo.

Não importa se você possui 1, 2 ou 6 horas livres no seu dia neste momento. Ao entender a carga horária com a qual você pode se comprometer, fica muito mais simples criar um plano de estudos realista, no qual você poderá listar cada um dos tópicos das disciplinas a serem estudados e o tempo em que você pretende finalizar cada um deles.

Nessa linha, é interessante criar metas e realizar um acompanhamento entre o que foi planejado e o que está sendo cumprido, para que você seja capaz de realizar ajustes no seu plano de estudos em caso de necessidade.

2. Línguas

Pegando como parâmetro as últimas edições do CACD, para a primeira etapa foram cobradas questões de língua inglesa e portuguesa. Para a segunda etapa, além das duas primeiras, são aplicadas provas escritas de Francês e Espanhol.

Como o domínio de um novo idioma leva certo tempo, o ideal é que você comece a estudar aquelas que ainda não domina o quanto antes. O mais legal é que, independentemente de se estudar para o CACD ou não, falar outras línguas sem dúvida irá agregar à sua vida pessoal e profissional como um todo!

Uma dica interessante para acelerar o seu aprendizado uma vez que você já possui uma base gramatical em determinada língua: leia artigos no idioma estudado. Além de lhe ajudar a se familiarizar mais rapidamente com os idiomas, é uma forma de se preparar para as provas escritas do concurso.

3. Atualidades

Muita gente não sabe, mas estudar apenas a bibliografia do CACD não é o suficiente para passar no concurso. Diversas questões da prova são formuladas com base em fatos atuais, por isso, o acompanhamento periódico de notícias é essencial.

Veja um exemplo de uma questão sobre política internacional da prova do CACD de 2018:

O ideal é que você desenvolva desde já um acompanhamento periódico das principais notícias relacionadas a disciplinas como política internacional, economia e geografia.

Isso pode ser feito por conta própria, a partir do acompanhamento dos principais portais de notícias. Ainda assim, essa atividade pode levar muito tempo e atrapalhar o estudo de outras disciplinas, é por isso que muitos candidatos recorrem ao uso de uma ferramenta de clipping de notícias para o CACD, que ajuda a poupar bastante tempo nos estudos sobre atualidades.

4. Esteja familiarizado com os clássicos da literatura brasileira

Certos autores da literatura brasileira aparecem com grande frequência nas questões de língua portuguesa do CACD, tanto na primeira, como na segunda fase do concurso. O pensamento e o estilo de autores como Machado de Assis, Graciliano Ramos, entre outros, geralmente são utilizados na formulação de questões da disciplina.

Se você é fã da literatura brasileira, certamente tem nas mãos um diferencial para as provas do CACD. Ainda assim, é importante entender como são cobrados esses autores na prova, por isso, buscar exemplos de questões que caíram em outras edições do concurso é uma ótima forma de entender como direcionar os estudos.

5. Não deixe de praticar

Por fim, mas não menos importante, pratique! Isso mesmo, de nada adianta a leitura da bibliografia, o acompanhamento de atualidades ou o estudo de línguas se você não possui na sua rotina um momento reservado para praticar as questões da prova.

Você pode fazer isso por meio de simulados ou até mesmo a partir das provas anteriores do CACD. Além de lhe ajudar na fixação do conteúdo, você amplia a sua compreensão sobre como as questões do concurso são formuladas, algo que influencia diretamente na forma como você estuda.

Ainda que este seja apenas o início da sua trajetória de preparação para a carreira diplomática, é importante desde já não ficar só na teoria. Essa é uma excelente maneira de receber feedbacks rápidos sobre a sua evolução nos estudos para o CACD.

[EXTRA] Use este momento a seu favor!

Agora que você entende um pouco mais sobre a carreira diplomática, provavelmente irá concordar quando falamos que para vencer o primeiro desafio nessa trajetória, o CACD, é preciso muita dedicação e disciplina.

A necessidade de conciliar uma rotina preexistente com os estudos para o concurso não é tarefa fácil. Por isso, se você ainda está no início da sua carreira acadêmica, este é o melhor momento para criar hábitos que serão o diferencial para você no futuro.

Gostou do conteúdo? Deixe seu comentário e compartilhe com quem tem interesse nesse assunto. Ah, se quiser dar o próximo passo rumo à carreira diplomática, clique no link e veja mais detalhes sobre como começar a estudar para o CACD.

Este texto foi produzido com exclusividade pela equipe do Clipping CACD para o GUIA DO ESTUDANTE. O Clipping é uma plataforma completa de preparação para o Concurso de Diplomata. Saiba mais em clippingcacd.com.br.