logo-ge

Desafios de Gramática

Primeiro, você vai encarar questões de gramática para evitar erros comuns de escrita nas redações. Depois, os desafios são de coesão, outro ponto essencial em dissertações e narrativas. Os exercícios e as respostas comentadas são da professora Marisa Balthasar Soares

 

QUESTÕES C/E (CERTO-ERRADO)

ps: Respostas estão abaixo das alternativas!

Vírgula

1 Nos últimos anos, um surto de Zika pode ter causado microcefalia em centenas de recém-nascidos. A síndrome de má-formação congênita traz possíveis consequências: atraso no desenvolvimento cognitivo, surdez, cegueira e morte.

2 O mosquito Aedes aegypti transmite não só a Zika, mas também a Chikungunya e a Dengue, que atingiu mais de 1 milhão e meio de pessoas, um dado recorde na série histórica.

Crase

3 Na exposição de pintura moderna de 1917, Anita Malfatti trouxe à público os resultados de sua apropriação criativa do Expressionismo, com obras que desafiaram o gosto acadêmico, então dominante. A Estudante Russa, O Homem Amarelo, A Mulher de Cabelos Verdes são algumas das telas que romperam às barreiras da arte figurativa.

4 A repulsa às propostas da artista está melhor materializada no polêmico artigo de Monteiro Lobato, Paranoia ou Mistificação?

5 Para o crítico, à arte autodenominada moderna equivaleria à mistificação, sem valor estético, de desenhos de paranoicos.

Preposições, Contrações e Locuções Prepositivas

6 Desde a divulgação dos casos de microcefalia, voltou a ter força na sociedade brasileira o debate do aborto.

7 Dentre os que defendem sua liberação, predomina a ideia de que cabe à mulher ser sujeito de seu corpo, com a decisão de gerar ou não outra vida.

8 O posicionamento da ONU veio de encontro a esse argumento, porque recomendou que gestantes contaminadas pelo vírus tenham o direito do aborto.

Tempos, Modos Verbais e Sugestões de Sentidos

9 Os Estados Unidos tornaram-se o maior produtor de combustível do mundo, graças ao óleo de xisto, um substituto do petróleo convencional. A oferta dessa produção recorde seria um dos fatores do aumento de estoques e da queda de preço no mercado, segundo dados da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo).

10 Além disso, como resultado do acordo que regulará o programa nuclear iraniano, para que ele tenha apenas objetivos pacíficos, houve suspensão de sanções contra o Irã, e o petróleo deste significativo produtor voltou a circular pelo mercado.

Concordância Verbal

11 Ao longo dos últimos anos, cerca de meio milhão de sírios morreram no conflito entre forças do presidente Bashar al-Assad e grupos de oposição.

12 O conflito ganhou dimensão complexa: tanto a maioria sunita, contrária a Assad, como o grupo de xiitas, sua base apoio, atraiu forças internacionais.

 

RESPOSTAS

Vírgula

1 CERTA O adjunto adverbial de tempo (“nos últimos anos”) está deslocado para o início da oração, sendo facultativo, mas recomendado, o emprego da vírgula. Os demais empregos estão corretos porque separaram termos que, em enumeração, exercem a mesma função sintática, são apostos de “possíveis consequências”.

2 CERTA Tanto é correto o emprego da vírgula delimitando a oração coordenada sindética aditiva (“mas também [transmite] a Chikungunya e a Dengue”), como na separação da oração subordinada adjetiva explicativa (“que atingiu mais de um milhão e meio de pessoas”) e na marcação do aposto referente ao numeral (“um dado recorde na série histórica”).

Crase

ERRADA Público é palavra masculina, romper não exige a preposição a.

CERTA É correta a ausência de crase em “A repulsa”, pois há apenas o artigo feminino para o substantivo de mesmo gênero) e acertado seu emprego em “às propostas” (a palavra repulsa exige a preposição a). Observe que gramaticalmente também seria correto indicar na redação apenas a preposição, nesse caso deixando propostas sem a determinação do artigo: “A repulsa a propostas da artista”.

ERRADA O parágrafo ficou incorreto porque não cabe a crase em “à arte”, já que não há termo anterior que peça a regência da preposição. Porém, a crase em “à mistificação” é correta, porque o verbo equivaler, em uma de suas regências, é transitivo indireto.

Preposições, Contrações e Locuções Prepositivas

6. CERTA Está correta a contração “na” (em + a) para circunscrever um grupo (“na sociedade brasileira”).

ERRADA Não há termo que exija a preposição “de” antes da preposição “entre”, para formar “Dentre”. Porém, estão corretas as demais demais preposições: “de que cabe” e “à” mulher, pela regência do verbo.

ERRADA A preposição “de” junto ao verbo veio conota choque (como em: “O caminhão veio de encontro ao ônibus”); para sugerir a confluência de ideias desse contexto, a preposição adequada seria a (“veio ao encontro”). Por sua vez, encontro exige a preposição de, assim, a forma revista seria: “veio ao encontro desse argumento”. Também precisaria de correção a expressão “direito do aborto”, que, incoerentemente, sugere aborto como substantivo e seu direito (como ocorre em direito do idoso, direito do adolescente etc.). Seria adequada “direito ao aborto” ou até “direito de aborto”.

Tempos, Modos Verbais e Sugestões de Sentidos

ERRADA O fato relatado (Os Estados Unidos tornaram-se…) está afirmado no pretérito perfeito do indicativo. Porém, em “A oferta… seria”, o futuro do pretérito do indicativo sugere hipótese, o que é incoerente com o que foi afirmado antes.

10 CERTA Estão corretas as sugestões de sentidos e situações conotadas pelos modos e tempos verbais: o pretérito perfeito do indicativo, no relato (houve, voltou); o futuro do presente sugerindo um fazer futuro (regulará); o presente do subjuntivo (que ele tenha), expressando objetivos, hipóteses.

Concordância Verbal

11 ERRADA A regra básica é: o verbo concorda com o(s) núcleo(s) do sujeito. Mas há casos especiais. É o que ocorre com a expressão “cerca de” (e o mesmo valeria para “mais de um, menos de, perto de”), pois o núcleo não é “sírios” e sim o numeral: o correto é “cerca de meio milhão de sírios morreu…”.

12 CERTA A expressão “tanto/como” (e isso vale para a correlata “tanto/quanto”), quando articula dois núcleos de sujeito no singular, como é o caso, permite a concordância tanto no singular, como no plural. Porém, a segunda forma é a mais usual.

 

CHEQUE SUA COESÃO

Usando bem os recursos de coesão, você favorece a coerência e a compreensão de seu texto por quem o lê. Aqui você encara cinco exercícios, de diferentes aspectos. Experimente!

 

1. Pronomes e contrações

Eles permitem retomar ou introduzir referentes do texto, substituindo-os. Leia o texto e responda às questões 1 e 2

“Nunca vi coisa assim! É a coisa mais linda dos últimos tempos. Não sei até onde vai o poder inventivo dele, ultrapassa o limite imaginável. Estou até tola”, confidencia a escritora Clarice Lispector ao colega Fernando Sabino em carta enviada de Washington (EUA), em 11 de dezembro de 1956, sobre um romance que a estava deixando “aflita de tanto gostar”: Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa. Trata-se de uma resposta à recomendação feita por seu correspondente, cinco meses antes, em carta onde ele revela todo seu entusiasmo com o livro de Rosa. “Adeus, literatura nordestina de cangaço, zélins, gracilianos e bagaceiras: o homem é um monstro para escrever sobre jagunços do interior de Minas e com uma linguagem que nem Gil Vicente, nem ninguém”, lê-se na correspondência entre os dois, compilada em Cartas Perto do Coração (Record, 2001).

FERREIRA, HELDER. Carol. “Sertão em moto-perpétuo” in Revista Cult. Disponível em http://revistacult.uol.com.br/home/2016/05/sertao-em-moto-perpetuo/ . Fragmento com adaptações. Acesso em 17/05/16.

Os pronomes e contração destacados fazem remissão, respectivamente, a:

a) Fernando Sabino, Clarice Lispector, Fernando Sabino, Fernando Sabino, Guimarães Rosa.

b) Fernando Sabino, Clarice Lispector, Fernando Sabino, Guimarães Rosa, Fernando Sabino.

c) Guimarães Rosa, Clarice Lispector, Clarice Lispector, Fernando Sabino, Guimarães Rosa

d) Guimarães Rosa, Clarice Lispector, Clarice Lispector, Fernando Sabino, Fernando Sabino.

e) Guimarães Rosa, Clarice Lispector, Guimarães Rosa, Guimarães Rosa, Fernando Sabino.

Resposta

Alternativa D. No texto, “dele” (contração da preposição de com o pronome ele) remete a Guimarães Rosa. As demais remissões “que a estava…” (a, Clarice Lispector); “seu correspondente” (seu: também remete a Clarice, correspondente dela; mas atenção: em conjunto, a expressão “seu correspondente” substitui Fernando Sabino, porém o pronome “seu” é que retoma e mantém a relação com Clarice ); “em carta onde ele revela todo seu entusiasmo com o livro de Rosa” (ele e seu: remetem a “a seu correspondente”, que, por sua vez, remete ao
escritor Fernando Sabino).

2. Retomada de referentes

Sinônimos, hiperônimos, hipônimos, expressões genéricas, expressões nominais também permitem retomar um referente no texto, sem repetir palavras

A. Releia o texto sobre o livro na questão anterior: “Nunca vi coisa assim!”. Localize no texto as palavras e as expressões que retomam o referente destacado.

B. A expressão “coisa assim” é genérica, só sendo possível significá-la com o avanço da leitura. Considerando o que é “dito” pelo texto, como essa forma de introduzir o referente pode aproximar o leitor das experiências relatadas?

Resposta

A. “a coisa mais linda dos últimos tempos”, “um romance que a estava deixando ‘aflita de tanto gostar’”, “Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa”, “o livro de Rosa”.

B. O texto é polifônico (várias vozes): há a voz principal da reportagem e as vozes nela citadas. Por meio da combinação delas, relatam-se as experiências que Clarice Lispector e Fernando Sabino tiveram ao ler o romance de Guimarães Rosa, Grande Sertão: Veredas. Trata-se de experiências de espanto e entusiasmo, diante da novidade.A citação inicial de Clarice, com a expressão “coisa assim”, provoca no leitor um estranhamento, que só depois se substitui pela descoberta do que é a “coisa”. Desse modo, também o leitor, por analogia, experimenta algo desconhecido, que depois se revela.

3. O emprego dos verbos

O emprego de verbos, considerando tempo e modo, auxilia na representação e ordenação lógica de diferentes temporalidades no texto. Leia:

Estamos vivendo um mega despautério

Despautério. Li a palavra na crônica de Humberto Werneck, que vem fazendo toda semana um primoroso memorial literário de Minas neste caderno. Despautério. Pensei o que seria tão estranha e enigmática palavra? Estava tomando meu café na CPL, rodeado pelos motoristas de táxi que trabalham à noite. Como carregam gente muito diferente, talvez um deles soubesse o que é. Perguntei, um a um. Olhavam-me e perguntavam: onde viu essa palavra? É gíria nova? Doença? Droga? Coisa da internet? Facebook? Nome de ministro? Ninguém sabia o que era. Se eu fosse ainda criança, teria perguntado ao meu pai que, não soubesse, iria à enciclopédia Jackson, que o socorria com eficiência. Meu pai morreu em 1993 e a enciclopédia está fechada em caixas em Araraquara, com minhas coisas. Aliás, não sei o que fazer delas, cartas, cadernos, originais, livros. Despautério?

BRANDÃO, Ignácio Loyola de. “Estamos Vivendo um Mega Despautério” in Caderno Cultura – Estadão. Disponível em http://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,estamos-vivendo-um-mega-despauterio,10000053618. Fragmento. Acesso em 27/05/16.

Identifique as citações em que os verbos, considerando o modo, o tempo e o contexto de uso, sugerem, respectivamente: prática recorrente no passado do cronista, aspectos de seu presente.

a) “Despautério. Li a palavra na crônica de Humberto Werneck (…)”. / “Estava tomando meu café na CPL, rodeado pelos motoristas de táxi (…)”.

b) “Como carregam gente muito diferente, talvez um deles soubesse o que é.” / “Perguntei, um a um.”

c) “Olhavam-me e perguntavam: onde viu essa palavra?” / “É gíria nova? ”

d) “Ninguém sabia o que era.”/ “Se eu fosse ainda criança, teria perguntado ao meu pai (…)

e) “(…) que o socorria com eficiência.”/ “Aliás, não sei o que fazer delas, cartas, cadernos, originais, livros”.

Resposta

Alternativa E. É a que apresenta citações com verbos que exprimem prática recorrente no passado do cronista e aspectos de seu presente. Na crônica, três temporalidades estão trabalhadas: o presente da enunciação, em que o cronista comenta e atualiza acontecimentos passados; o passado de curta duração, mais próximo; e um passado mais distante, que remete à infância. No passado mais imediato ao cronista, há o episódio de leitura da crônica com a palavra “despautério”. As expressões verbais estão no pretérito perfeito do indicativo: “li a palavra”, “pensei no que seria”. O episódio é narrado em seus desdobramentos no cotidiano, daí: o uso de locução verbal em gerúndio (“Estava tomando meu café…”); do presente do indicativo (“…motoristas de táxi que trabalham à noite…”, “Como carregam gente…”); e do pretérito imperfeito (“Olhavam-me e perguntavam…”). A seguir, o cronista volta à sua infância, e constrói uma situação hipotética, expressa no pretérito mais-que-perfeito do subjuntivo e pelo futuro do pretérito do indicativo (fosse, teria, não soubesse, iria). Na oração “que o socorria” com eficiência”, o verbo no pretérito imperfeito sugere uma ação que o pai fazia muitas vezes. A distância entre esse pretérito e o presente é fortemente marcada pela introdução repentina do relato no pretérito perfeito (“Meu pai morreu em 1993”). O leitor é colocado a partir daí no presente do cronista (“a enciclopédia está fechada em caixas (…) não sei o que fazer delas (…).

4. Conectivos de sentido

Os conectivos funcionam como operadores da argumentação, estabelecendo relações entre os enunciados, como: explicação, contrariedade, conclusão, entre outras Indique a alternativa em que os conectivos poderiam substituir, respectivamente, os que estão destacados no texto, preservando-se as relações de sentido originalmente sugeridas.

Insegurança contra a zika

Dentre as estratégias de prevenção recomendadas às gestantes, o uso de repelentes figura como uma das principais, pois reduz as chances de picadas do mosquito Aedes aegypti, que transmite o vírus da zika – e também o da dengue e da chikungunya.

O uso diário dos produtos mais recomendados por médicos, contudo, custa cerca de R$ 180 por mês, um valor inacessível para as famílias mais pobres. Estas, além disso, com frequência vivem em locais com esgotos a céu aberto e coleta precária de lixo, o que favorece a proliferação do mosquito. Apesar disso, o governo federal demora a ajudar a população carente, como mostram dados recentes de Pernambuco, estado até agora mais atingido pela microcefalia. Folha de S.Paulo. Editorial. 28.04.2016.

Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2016/04/1765491-inseguranca-contra-a-zika.shtml . Acesso em 23/05/2016 .

a) porque, ainda, entretanto, também, dessa forma.

b) já que, além disso, porém, ainda, entretanto.

c) visto que, inclusive, mas, inclusive, assim.

d) uma vez que, até mesmo, embora, além do mais, contudo.

e) dado que, mesmo, todavia, assim, logo.

Resposta

Alternativa B. A expressão “pois” estabelece ideia de “explicação” e poderia ser trocada por: porque, já que, visto que, uma vez que, dado que etc. O conectivo “também” estabelece uma relação de “acréscimo”, e poderia ser substituído por: ainda, além disso. Já os conectivos “inclusive”, “até mesmo” e “mesmo” sugerem introdução de informação mais relevante, o que não seria o caso. “Contudo” e os demais conectivos propostos para substituí-lo (entretanto, porém, mas, embora, todavia) sugerem oposição. Para as substituições de “além disso” (acréscimo de ideias) e “apesar disso” (oposição de ideias), valem as observações feitas antes.

5. Advérbios e locuções

Advérbios e locuções adverbiais estabelecem relações lógico-temporais entre enunciados Recupere a coesão textual, completando o texto com palavras e expressões abaixo.

Ao ser indagado sobre as relações entre jornalismo e literatura na célebre entrevista à Paris Review, em 1958, Ernest Hemingway ………………….. pediu desculpas pelo lugar-comum: “Quando se fazem as velhas perguntas de ………………….., deve-se estar preparado para receber as velhas respostas de …………………..”. ………………….., cunhou a sentença que ………………….. levou muito escritor a matutar: “O jornalismo, ………………….. um certo ponto, pode vir a se tornar uma autodestruição diária para um escritor sério e criativo”. Quer dizer, Hemingway sugeria se mandar ………………….. .

Antonio Callado (1917-1997) não pôde fazê-lo. Tendo de ganhar a vida, a faina jornalística lhe custou 37 anos. Mesmo ………………….. aposentado, voltou a colaborar ………………….. na imprensa para se manter. Callado, meio em tom de blague, dizia que a melhor coisa para um escritor era nascer rico, “uma solução perfeita para o problema”. Na prática, ele encontrou outra saída: fazer de suas reportagens um ponto de observação e estudo para sua literatura.

SILVA, Álvaro Costa e. “Antonio Callado, um escritor com fome de brasilidade”. Caderno Cultura. O Globo. Fragmento com adaptações. Disponível em http://oglobo.globo.com/cultura/livros/antonio-callado-um-escritor-com-fome-de-brasilidade-13538893 . Acesso em 20/05/16.

depois de | desde então | em seguida | na hora certa | primeiro | regularmente | sempre

Resposta

Primeiro, sempre, sempre, em seguida, desde então, depois de, na hora certa, depois de, regularmente.

O texto se inicia com citação de discurso de Hemingway, que serve para introduzir a problematização de relações entre jornalismo e literatura em Antonio Callado (cujo centenário de nascimento celebra-se em 2016). Para organizar os enunciados citados, a voz “da reportagem” se vale de uma ordenação lógico-temporal: “Ernest Hemingway primeiro pediu desculpas pelo lugar-comum” (…) Em seguida, cunhou a sentença que desde então levou muito escritor a matutar…”. Dessa forma, os advérbios e locuções ajudam a estabelecer o que teria sido a sequência de eventos que levaram ao surgimento da sentença apresentada pelo texto: “O jornalismo, depois de um certo ponto, pode vir a se tornar uma autodestruição”. Na citação anterior a essa há paralelismo, sendo esperada pelo leitor a repetição de sempre = frequente, banal. O autor fecha o parágrafo com humor: “Quer dizer, Hemingway sugeria se mandar na hora certa”. No segundo parágrafo, em “Mesmo depois de aposentado, voltou a colaborar regularmente na imprensa para se manter”, as expressões destacadas sugerem o tempo continuado da colaboração de Callado em jornais.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Últimas aulas

Apoio: