logo-ge

Antiguidade: Civilização romana

POLITEÍSMO – Relevo mostra alguns dos deuses da Roma antiga, como Júpiter, Plutão e Netuno

Donos do mundo

Nenhuma civilização foi tão poderosa, por tanto tempo, quanto a romana. confira a ascensão e a queda do último império da Antiguidade

Fundada no século VIII a.C., Roma desenvolveu um vasto império, cujas leis, monumentos, táticas militares e instituições influenciaram todo o mundo ocidental. Sua queda, em 476, marcou o fim da Antiguidade e o início da Idade Média.

A mítica versão para o surgimento de Roma conta que a cidade foi fundada em 753 a.C. pelos gêmeos Rômulo e Remo. De acordo com a lenda, os dois irmãos foram abandonados ainda bebês no Rio Tibre e só conseguiram sobreviver graças a uma loba que os amamentou. A história romana é dividida pelos estudiosos em três grandes períodos: o monárquico, o republicano e o imperial.

Monarquia (753 a.C. – 509 a.C.)

Nessa época, a sociedade romana estava dividida, basicamente, em três camadas:

  • os patrícios, ricos proprietários de terra;
  • os clientes, parentes pobres ou serviçais desses proprietários;
  • os plebeus, homens livres sem direitos políticos.

A economia era baseada em atividades agropastoris. O rei, eleito por uma assembleia, tinha seu poder controlado pelo Senado (ou Conselho dos Anciãos). Durante esse período, Roma foi conquistada pelos etruscos. O último rei etrusco, Tarquinio, o Soberbo, tentou se aproximar da plebe. Sentindo-se ameaçados, os patrícios o derrubaram, assumiram o poder e implantaram a república em 509 a.C.

República (509 a.C. – 27 a.C.)

Entre as principais instituições da República destacam-se:

  • a Assembleia Centuriata, que decidia sobre declarações de guerra e votava as leis;
  • as Magistraturas (espécie de Ministério), sendo as principais o Consulado, composto de dois cônsules, responsáveis pela política externa e interna; os edis, responsáveis pela organização da cidade; os pretores, pela justiça; e os questores, pelas finanças;
  • o Senado, que elaborava os projetos de lei e escolhia os magistrados.

Como apenas os patrícios podiam ser senadores ou magistrados, eles controlavam a política durante a República. Isso acabou levando a uma série de revoltas da plebe, que resultaram em várias conquistas sociais e políticas. Entre as principais estão:

  • a criação do cargo de tribuno da plebe, que tinha poder de veto no Senado;
  • a Lei das Doze Tábuas (450 a.C.), que compilou o primeiro código de leis escritas de Roma;
  • a Lei Canuleia, que autorizou o casamento com patrícios;
  • a Lei Poetélia Papíria, proibindo a escravidão por dívidas.

Com a intensificação das lutas entre os plebeus e os patrícios, o Senado patrocinou inúmeras guerras de expansão. A disputa pelo controle da região mediterrânea deu origem às guerras contra Cartago (cidade fundada pelos fenícios no norte da África), as Guerras Púnicas. Elas resultaram na derrota de Cartago e na transformação do Mediterrâneo no Mare Nostrum (Nosso Mar ou Mar Romano).

             Com as conquistas do período republicano, os patrícios compraram as terras dos plebeus, que se tornavam soldados, e formaram grandes propriedades nas quais trabalhavam os escravos capturados nas guerras. Os mercadores prosperaram, e os plebeus, em tempos de paz, não tinham como ganhar a vida, tornando-se uma massa de desempregados perigosa e instável. Para evitar revoltas da plebe, entre 133 a.C. e 27 a.C., foram adotadas medidas como a política do pão e circo (distribuição de trigo aos famintos e promoção de espetáculos esportivos gratuitos). Ao denunciar que essas medidas eram paliativas, dois irmãos eleitos tribunos da plebe, Tibério e Caio Graco, propuseram uma reforma agrária, para garantir meios de vida a quem não tinha trabalho. A medida, é claro, não agradou aos patrícios. Tibério e Caio foram mortos, e a tentativa de reforma fracassou.

            A crescente importância do Exército romano levou os generais a ambicionar o exercício direto do poder. Isso originou uma série de guerras civis entre os chefes militares e disputas de poder entre eles e o Senado. Para tentar amenizar os conflitos, foram organizados os triunviratos, que dividiam o poder entre os chefes militares mais importantes.

             O Primeiro Triunvirato foi formado pelos generais Pompeu e Júlio César e pelo banqueiro Crasso. Ao tentar concentrar os poderes, Júlio César foi assassinado pelos senadores.

O Segundo Triunvirato, constituído por Otávio, Marco Antônio e Lépido, também fracassou e culminou com a ascensão de Otávio ao comando de todas as legiões romanas. Otávio aproximou se do Senado, que, convencido de que ele não representava uma ameaça aos seus interesses, concedeu-lhe poderes que havia negado a Júlio Cesar, tais como os títulos de Príncipe do Senado e de “Augusto” (líder supremo da religião com ascendência divina). A concentração desses poderes inaugurou uma nova etapa da evolução política de Roma, conhecida como Império Romano.

  Império (27 a.C. – 476 d.C.)

            Esta fase divide-se em duas partes: o Alto Império – época de prosperidade – e o Baixo Império – tempo de crise. ALTO IMPÉRIO Otávio Augusto governou por 41 anos. No início, ampliou os territórios e permitiu que mercadores ricos tivessem acesso ao Senado. Depois de conter a expansão territorial, iniciou se um período de paz, conhecido como Pax Romana.

             Os sucessores de Otávio retomaram as guerras de conquista, e Roma se transformou num centro de comércio intenso. No início do séc. II, as fronteiras do Império atingiram sua maior extensão. Essa época ficou conhecida como Idade de Ouro e teve como principais governantes Trajano, Adriano, Antônio Pio e Marco Aurélio. Entretanto, com o fim das guerras, Roma começou a mostrar sinais de crise.

BAIXO IMPÉRIO: A principal causa da decadência do Império Romano foi a crise do sistema escravista. O fim das guerras diminuiu a oferta de escravos, elevando o seu valor. Como eram a base da economia romana, todos os preços começaram a subir.

Algumas reformas foram tentadas. Diocleciano, em 284, implantou o colonato (arrendamento de terra por colonos), visando a substituir os escravos. Constantino, em 313, buscou o apoio dos cristãos – até então perseguidos –, legalizando o cristianismo e convertendo-se a ele. Em 330, mudou a capital para Constantinopla – atual Istambul. Teodósio, em 395, dividiu o império em duas partes: Império do Ocidente, com a capital em Roma, e Império do Oriente, com centro em Constantinopla.

Porém, com a intensificação das invasões dos “bárbaros”, que atacavam as fronteiras romanas desde o século III, o Império do Ocidente não resistiu e caiu em 476. O Império do Oriente, também conhecido como Império Bizantino, duraria até 1453, quando foi dominado pelos turco-otomanos.

Com a queda de Roma, ninguém se sentia seguro nas cidades. Começou um processo de desurbanização e regressão do comércio. Do ponto de vista político, a grande transformação é que o poder político centralizado, que vigorava no período do Império, deu lugar a uma multiplicidade de reinos bárbaros, fragmentando a autoridade no Ocidente. A única esfera de poder centralizado que sobreviveu foi a Igreja.

 

GEHISTORIA-10-19-1

CULTURA E LEGADO

Os romanos nos deixaram uma rica herança em diversas áreas. A arquitetura, empregada para exaltar as glórias da nação, era a mais desenvolvida das artes, com destaque para a construção de aquedutos, estradas e pontes e edifícios de grande valor artístico, como o Coliseu e o Panteão de Roma. Ao lado do idioma – o latim, que é a base de diversas línguas, como o português –, o direito é o maior legado romano, base do atual sistema jurídico ocidental. Na literatura, merece menção o poeta Virgílio, autor de Eneida. Por fim, em relação à religião, a pregação de Jesus Cristo, nascido no Império Romano, deu origem ao cristianismo, cujos fiéis eram inicialmente perseguidos. Com a conversão de Constantino, em 313, a religião cristã ganhou força e, com Teodósio, foi oficializada como religião do Império, o que permitiu o surgimento da poderosa Igreja Católica.

 

Salvar

Salvar

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Rebecca Castelo Branco

    seria bom se tivesse a opção de imprimir …

    Curtir

  2. José Alves da Silva

    Rebecca Castelo Branco – para imprimir, é só você pressionar a telca Ctrl + P. Em seguida escolher as páginas que você deseja imprimir.

    Curtir

  3. Parabéns pela aula de qualidade!

    Curtir