Assine Guia do Estudante ENEM por 15,90/mês

Literatura do Romantismo: Como cai na prova

 

1. (PUC- SP 2016) Memórias de um Sargento de Milícias cronologicamente faz parte da literatura romântica brasileira; no entanto, torna-se uma obra atípica em relação ao momento em que foi escrita.

Das alternativas abaixo, indique a que não valida essa afirmação porque:

a)  seu enredo é marcado por intenso e trágico sofrimento amoroso cujo desfecho concretiza um final feliz, com a união conjugal e ascensão social dos personagens.
b)  sua linguagem é marcada pela oralidade e coloquialidade, em tom de crônica jornalística, ilustrando a prática de que se deve escrever como se fala.
c)  obra caracterizada pela ausência do tom açucarado e idealizador da literatura romântica, visto que as relações sentimentais não se dão nem pela grandeza no sofrimento, nem pela redenção pela dor.
d)  a caracterização dos personagens ou fere a descrição sempre idealizada do perfil feminino ou configura traços de um herói pelo avesso mais marcado por defeitos que por virtudes

2. (UNICAMP 2016)

Cem anos depois
Vamos passear na floresta
Enquanto D. Pedro não vem.
D. Pedro é um rei filósofo
Que não faz mal a ninguém.

Vamos sair a cavalo,
Pacíficos, desarmados:
A ordem acima de tudo,
Como convém a um soldado.

Vamos fazer a República,
Sem barulho, sem litígio,
Sem nenhuma guilhotina,
Sem qualquer barrete frígio.

Vamos, com farda de gala,
Proclamar os tempos novos,
Mas cautelosos, furtivos,
Para não acordar o povo.

José Paulo Paes, O Melhor Poeta da Minha Rua, em Fernando Paixão (sel. e org.), Para gostar de ler. São Paulo: Ática, 2008

O tom irônico do poema em relação à história do Brasil põe em evidência:

a)  o modo como a democracia surge no Brasil por interferência do Imperador.
b)  a maneira despótica como os republicanos trataram os símbolos nacionais.
c)  a postura inconsequente que sempre caracterizou os governantes do Brasil.
d)  a forma astuciosa como ocorreram os movimentos políticos no Brasil.

3. (FUVEST 2015)
Screenshot_3

a)  De acordo com o contexto, o que explica o modo de falar das personagens representadas pelas duas traças?
b) Mantendo o contexto em que se dá o diálogo, reescreva as duas falas do primeiro quadrinho, empregando o português usual e gramaticalmente correto.

4. (INSPER 2015)
2015: o ano em que chegamos ao futuro
Quem assistiu a trilogia De Volta Para o Futuro não esquece. E como poderia? No segundo filme, o protagonista Marty McFly viaja no tempo, deixando 1985 para ir a 2015. Entre as tantas situações apresentadas no futuro hipotético, as mais marcantes são o skate voador e o tênis autoajustável usados pelo personagem. E a Nike confirmou: esse ano o calçado vai ser lançado. Em evento realizado em Long Beach, Califórnia, nos EUA, o designer e diretor de inovação da empresa norte-americana Tinker Hatfield prometeu que o produto chega ao mercado com os Power Laces (os cadarços que se arrumam sozinho).

https://www.jornaljr.com.br/2015/01/19/2015-o-ano-em-que-chegamos-ao-futuro/

No texto acima, há uma construção sintática em desacordo com a prescrição da norma culta. Assinale a alternativa na qual esse deslize está corretamente identificado.

a) No título, a preposição “em”, que antecede o pronome relativo “que”, está incorreta, pois está associada ao verbo “chegar”, que é regido pela preposição “a”.
b) No primeiro período, faltou o acento indicador de crase, uma vez que o verbo “assistir”, no sentido de “ver”, exige preposição “a”
c) No primeiro período, há um erro associado ao emprego do verbo “esquecer”, que é pronominal e deve ser acompanhado pela preposição “de”
d) No quarto período do primeiro parágrafo, ocorre uma falha associada ao emprego da voz passiva, já que o verbo “usar” rejeita essa construção.
e) No último parágrafo, há uma falha na correlação verbal, pois o verbo “chegar”, ao se relacionar à ideia de “prometer”, não pode ficar no presente.

5. (FGV 2016 ADAPTADA)
“As ideias de especialização e progresso, inseparáveis da ciência, são inválidas para as letras e as artes, o que não quer dizer, evidentemente, que a literatura, a pintura e a música não mudem nem evoluam. Mas, diferentemente do que se diz sobre a química e a alquimia, nelas não se pode dizer que aquela abole e supera esta. (…)”

Mario V. Llosa, Rio de Janeiro: Objetiva, 2013.

Identifique o referente de cada um dos seguintes pronomes: “nelas”, “aquela”, “esta”.

Respostas

1. Em Memórias de um Sargento de Milícias, não há “intenso e trágico sentimento amoroso”. Como explicado na alternativa C, o livro se afasta da idealização romântica. O personagem principal da obra, Leonardo, é o primeiro anti-herói da literatura, o famoso malandro. Por isso, apesar de ter sido escrita no Romantismo, ela também apresenta traços do Realismo, antecedendo a escola posterior.
Resposta: A

2. Além da ironia, o texto se vale também da intertextualidade. Ela ocorre quando um enunciado recupera outro, criando um novo texto. No caso do poema, José Paulo Paes recupera a cantiga infantil Vamos Passear na Floresta Enquanto Seu Lobo Não Vem. Seu lobo, no caso, é dom Pedro. Durante todo o poema, o autor narra ironicamente a adoção da república no Brasil, fazendo uma crítica aos movimentos políticos do país.
Resposta: D

3. a) Na última tira, o rato atribui a nova linguagem das traças, cheia de pronomes oblíquos (como o “vos” e o “me”) e conjugações na segunda pessoa, duas marcações de norma culta, ao fato de estarem roendo a Bíblia, que é toda escrita dessa maneira. A comicidade se dá pelo emprego dessa linguagem de forma equivocada e em conversas usuais.
b) Reescrevendo-se as falas e respeitando a norma culta, elas ficariam da seguinte maneira:
– Como foi o seu dia?
– Queria que tivesse sido melhor.

4. O verbo assistir pode ser tanto transitivo direto quanto transitivo indireto. Quando ele significa dar assistência, é transitivo direito e não pede preposição. Já quando seu significado é o mesmo de ver, ele é transitivo indireto e por isso rege a preposição “a”. Por isso, a forma correta que deveria ter sido utilizada no texto é “assistiu à trilogia”. Na primeira alternativa, a preposição “a” regida pelo verbo chegar está presente no “ao futuro”; o “em que” é uma marcação temporal. Na terceira alternativa, a regra está correta, porém o esquecer utilizado no texto não é pronominal, por isso não pede preposição. A quarta alternativa está incorreta, pois o verbo usar pode ser empregado na voz passiva. E, na última, o emprego do presente do indicativo está relacionada a um futuro iminente pontual, situação na qual esse tempo verbal pode ser utilizado.
Resposta: B

5. Os referentes dos pronomes demonstrativos pedidos são os seguintes:
Nelas – Literatura, pintura e música (o conjunto dito no período anterior).
Aquela – Química (palavra mais distante na frase).
Esta – Alquimia (a palavra mais próxima).

Resumo

Literatura do Romantismo

ROMANTISMO (1836-1881): O movimento surge no contexto da ascensão da burguesia. Valores como o individualismo, o sentimentalismo, a subjetividade e a liberdade formal são seus elementos centrais.

• Primeira geração: Em busca da exaltação dos valores nacionais, escritores como José de Alencar (Iracema) e Gonçalves Dias (Canção do Exílio) veem nos índios os legítimos heróis das narrativas. Alencar também é autor de romances regionalistas, como Til.

• Segunda geração: O sentimento amoroso se exacerba, como na poesia de Álvares de Azevedo (Noite na Taverna), o principal nome do Ultrarromantismo.

• Terceira geração: Caracteriza-se pelo engajamento social. Nos poemas de Castro Alves, a linguagem grandiloquente, carregada de hipérboles (exageros), é posta a favor de sua luta contra a escravidão.

• Memórias de um Sargento de Milícias, de Manuel Antônio de Almeida, diferencia-se da estética da época por seu tom satírico e por introduzir a figura do malandro.

GRAMÁTICA E INTERPRETAÇÃO

• Intertextualidade: Trata-se do diálogo entre dois textos – acontece quando um autor deseja referir-se a outro texto, produzido em outro momento. Uma das maneiras de se estabelecer uma relação intertextual entre dois escritos é por meio da paródia.

• Regência verbal: Determinados verbos são acompanhados por complementos com funções específicas. Ex.: gostar (de), confiar (em), aconselhar (a), simpatizar (com), ajudar (a).

• Pronomes demonstrativos: No contexto em que estão associados a espaço, este é próximo de quem fala (este livro que li é muito bom); esse é próximo de quem recebe a mensagem (esse livro que você leu é muito bom); e aquele é longe de ambos (aquele livro que não lemos deve ser muito bom).

• Pronomes pessoais retos e oblíquos: Os pronomes pessoais retos correspondem ao sujeito da oração e são seguidos de verbo. Ex.: É para eu fazer o jantar? Os pronomes pessoais oblíquos correspondem ao objeto da oração e podem suceder preposições. Ex.: Esta comida é para mim?

• Porque: A palavra apresenta diferentes grafias, cada uma delas com um significado diferente: porque (causa ou ex- plicação), por que (dúvida), porquê (substantivo) e por quê (no fim de sentença).

 

 

Literatura do Romantismo: Como cai na prova
Estudo
Literatura do Romantismo: Como cai na prova
  1. (PUC- SP 2016) Memórias de um Sargento de Milícias cronologicamente faz parte da literatura romântica brasileira; no entanto, torna-se uma obra atípica em relação ao momento em que foi escrita. Das alternativas abaixo, indique a que não valida essa afirmação porque: a)  seu enredo é marcado por intenso e trágico sofrimento amoroso cujo […]

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se você já é assinante faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

DIGITAL
DIGITAL

Acesso ilimitado a todo conteúdo exclusivo do site

A partir de R$ 9,90/mês