Assine Guia do Estudante ENEM por 15,90/mês

Idade Moderna: Revoluções inglesas do século XVII

Screenshot_29

EXECUÇÃO REAL – O rei inglês Carlos I é morto em 1649, após vitória do levante liderado por Oliver Cromwell

Xeque-mate no absolutismo

Em duas jogadas, a burguesia inglesa deu o golpe final no poder absoluto do rei, deixando a política nas mãos do Parlamento e a economia preparada para seguir rumo à Revolução Industrial

 

As revoluções inglesas do século XVII foram duas: a Revolução Puritana, que estourou em 1642 e resultou na substituição da monarquia por uma república temporária; e a Revolução Gloriosa, de 1688, que pôs fim ao absolutismo, consolidando a supremacia do Parlamento sobre a autoridade real. Ambas foram, na essência, revoluções burguesas, que abriram alas para a instalação do capitalismo no século seguinte.

 Revolução Puritana

Na Inglaterra, os calvinistas eram chamados de puritanos. A religião era popular sobretudo entre os ex-camponeses e os pequenos burgueses, que andavam descontentes. Os primeiros haviam sido expulsos das lavouras durante os cercamentos, ocorridos ainda no fim da Idade Média, quando os nobres substituíram a agricultura autossuficiente pela lucrativa criação de ovelhas, que alimentava as manufaturas de lã. E os pequenos burgueses reclamavam por não ter acesso à exportação, cujo monopólio era concedido pelo rei a poucos comerciantes.

Mas o puritanismo – que conflitava com a doutrina oficial do reino, o anglicanismo – também crescia no Parlamento, tornando cada vez mais uma ameaça às pretensões absolutistas da dinastia Stuart, que substituíra os Tudor após a morte de Elizabeth I, em 1603.

As tentativas do rei Carlos I de criar impostos sem a aprovação do Parlamento desencadearam uma guerra civil em 1642. O Parlamento organizou um Exército popular liderado por Oliver Cromwell, um puritano oriundo da pequena burguesia. Os combates estenderam-se até 1649. Carlos I foi executado, e a monarquia, abolida, e instalou-se a República Puritana, liderada por Cromwell.

Nacionalista, uma de suas principais medidas foi a promulgação dos Atos de Navegação, em 1651, segundo os quais somente embarcações inglesas poderiam transportar mercadorias procedentes ou destinadas à Inglaterra, o que alavancou a economia do país. Fortalecido, Cromwell dominou o Parlamento, dissolvendo-o mais de uma vez, e governou como um ditador até a morte, em 1658.

 Revolução Gloriosa

Com a morte de Cromwell, seu filho, Ricardo, assumiu o poder, mas não foi capaz de assegurar a estabilidade do governo. Temendo que lideranças populares do Exército assumissem o controle da república, o Parlamento decidiu restaurar a monarquia, regime no qual o chefe de Estado descende de uma linhagem aristocrática. Os Stuart voltaram ao poder, com Carlos II, coroado em 1660.

Contemporâneo do francês Luís XIV, soberano que levou o absolutismo ao seu máximo, Carlos II quis impor um regime semelhante na Inglaterra. Seu sucessor, Jaime II, que assumiu o trono em 1685, tinha as mesmas pretensões. Além disso, havia se convertido ao catolicismo, o que o tornava ainda mais impopular. Burgueses e parlamentares reagiram: ofereceram a Coroa inglesa ao holandês Guilherme de Orange, genro de Jaime II. Em troca, pediram a manutenção do anglicanismo e a liberdade do Parlamento.

Em novembro de 1688, Guilherme desembarcou na Inglaterra e foi coroado Guilherme III. Para consolidar a supremacia legislativa, o Parlamento promulgou a Declaração de Direitos (em inglês, Bill of Rights), que limitou fortemente a atuação do rei. O absolutismo foi abolido na Inglaterra e substituído por uma monarquia constitucional.

A grande beneficiada pelas revoluções inglesas do século XVII foi a burguesia, especialmente a parcela dedicada às atividades manufaturas. Ela pôde ver, a partir de então, ruir as restrições mercantilistas, típicas do período absolutista, e abrir-se o caminho para o desenvolvimento do capitalismo industrial, no século XVIII.

Para ir além

Na HQ V de Vingança, de Alan Moore e David Lloyd, a ação acontece num “passado futurista”, com a ascensão de um partido totalitário após uma guerra nuclear. O anarquista “V” inicia uma campanha para derrubar o Estado, utilizando uma máscara estilizada de Guy Fawkes. A referência a Fawkes remonta a um dos líderes da chamada Conspiração da Pólvora, que, em novembro de 1605, pretendia explodir o Parlamento inglês e matar seus membros junto com o rei Jaime I. Recentemente, movimentos populares em várias partes do mundo, associados aos chamados Anonymous, têm adotado em seus protestos a mesma máscara utilizada por V nos quadrinhos.

Salvar

Salvar

Idade Moderna: Revoluções inglesas do século XVII
Idade Moderna: Revoluções inglesas do século XVII
EXECUÇÃO REAL – O rei inglês Carlos I é morto em 1649, após vitória do levante liderado por Oliver Cromwell Xeque-mate no absolutismo Em duas jogadas, a burguesia inglesa deu o golpe final no poder absoluto do rei, deixando a política nas mãos do Parlamento e a economia preparada para seguir rumo à Revolução Industrial   As revoluções inglesas […]

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se você já é assinante faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

DIGITAL
DIGITAL

Acesso ilimitado a todo conteúdo exclusivo do site

A partir de R$ 9,90/mês