Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês

“Achei muito desorganizado”, diz estudante sobre o primeiro dia do Enem

Permissão para uso de lápis, estudantes com relógio, erro no gabarito e orientações desencontradas marcaram o primeiro dia do exame

Por por Mariana Nadai, em São Paulo Atualizado em 16 Maio 2017, 13h51 - Publicado em 7 nov 2010, 13h36

No edital do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2010 a regra era clara: “Durante a realização da prova, não será admitido a utilização de lápis, borracha… relógio…”. Mas, na realidade prática foi outra.

Na sala onde a estudante Viviane Noia, de 17 anos, realizou o exame, na Faculdade Sumaré, zona Oeste de São Paulo, uma das unidades de aplicação do exame na capital paulista, os estudantes não só podiam usar lápis e consultar o relógio livrement, como eram orientados para isso.

“Os fiscais da minha sala disseram que podia usar lápis durante a prova. Isso, sem contar que tinha muita gente usando relógio numa boa, ninguém falou nada. Eu não levei nem celular com medo de alguma repreensão”, reclama a estudante.

– No Rio, alunos também puderam usar lápis e relógio

Para a estudante Yasmine Alimar, de 18 anos, que também realizou a prova na faculdade Sumaré, o maior problema do Enem foi o atraso para começar a prova, ocasionado pelo erro no gabarito. “Logo que entregaram os gabaritos as pessoas da minha sala começaram a reclamar da inversão das questões. Os fiscais disseram para não começarmos a prova. Depois de muito tempo falaram para preencher o gabarito normalmente. Isso atrasou muito o começo do Enem”, diz a estudante.

Yasmine se sentiu lesada pelo atraso. “Acabei a prova 3 minutos antes do fim e, apesar do atraso no começo, ninguém tinha dito que teríamos mais tempo para fazer a prova. Para mim acabou ficando bem corrido, foi muito ruim. Achei o exame muito desorganizado”, critica.

Continua após a publicidade

O estudante Victor Nicole Mendes, de 18 anos, explica que na sala onde realizou o Enem, também na Faculdade Sumaré, a orientação foi diferente da passada para Yasmine. “Na minha sala a prova não atrasou. Os fiscais entregaram o Enem e já avisaram sobre o erro. Pediram para os candidatos fazerem a prova sem preencher o gabarito. Mas teve gente que preencheu e se sentiu prejudicada”, diz o estudante.

– Enem tem erro de numeração no gabarito

Para Victor, o relógio fez falta durante a prova. “Não levei relógio porque tinham dito que não podia, mas foi bem ruim. Não tinha noção de quanto tempo faltava para acabar a prova. A fiscal da minha sala até desenhou um relógio na lousa, mas ela não atualizava porque ficava conversando e esquecia”, lamenta o estudante.

Enunciados grandes

“Eu gosto de ler a prova com calma, grifar as partes importantes. Mas, os enunciados eram muito grandes e acabou ficando cansativo”, diz Yasmine Alimar. Para ela, a promessa do ministro da Educação, Fernando Haddad, de deixar os enunciados do Enem menores não foi cumprida.

Viviane Noia teve a mesma impressão. “A prova estava muito comprida. Achei a parte de humanas até que fácil, mas ciências da natureza, além de ter muito conteúdo, tinham questões enormes”, afirma a estudante.

– Veja o primeiro dia do Enem em Salvador

Para o estudante Victor Nicole Mendes, a prova longa também foi um problema. “Eu li a primeira prova, de ciências humanas, inteirinha. Fiquei muito cansado e na hora de responder a parte de ciências da natureza eu me desesperei. Isso foi bem ruim”, desabafa Victor.

Leia mais notícias de Enem

Continua após a publicidade
Publicidade