Assine com até 65% de desconto

Enem 2012: Candidatos terão acesso ao espelho de correção da redação

Prova será divulgada para "fins pedagógicos"

Por da redação Atualizado em 16 Maio 2017, 13h59 - Publicado em 5 nov 2012, 17h02

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, afirmou neste domingo (4), após o encerramento do segundo dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que o espelho da redação estará disponível para consulta a partir desta edição do exame.

– Gabarito oficial do Enem 2012 deve sair até esta quarta-feira (7)

– Mais de 27% dos candidatos inscritos no Enem 2012 não compareceram ao exame

– Confira a correção completa e comentada do Enem 2012

Segundo Mercadante, a prova será divulgada aos alunos para fins pedagógicos. “Nenhum exame do mundo autoriza isso”, disse. O tema deste ano foi "O Movimento Imigratório para o Brasil no Século XXI". Além de liberar o espelho do texto para consulta, o MEC também alterou o método de correção da prova e liberou um manual de redação que explica os critérios de avaliação.

Casos de erros

Em 2011, o MEC admitiu que 129 redações do Enem tinham erros técnicos na sua correção e que parte delas teve sua pontuação alterada. De acordo com o MEC, alguns dos casos mencionados foram percebidos e corrigidos antes das notas serem divulgadas em dezembro, mas outros foram diagnosticados apenas depois que os candidatos pediram direito de vista da prova via ação judicial.

Continua após a publicidade

Entenda a nova correção da redação

Neste ano, houve mudanças na metodologia de correção da prova de redação. Como ocorria nas edições anteriores, a redação será examinada por dois corretores, sem que um conheça a nota atribuída pelo outro. Caso haja diferença na nota final superior a 200 pontos, o texto será lido por um terceiro corretor. Antes, isso ocorria quando a discrepância entre as duas primeiras notas superava os 300 pontos.

Também a partir deste ano, será acionada uma banca examinadora de excelência caso a diferença entre as notas dos três avaliadores permaneça superior a 200 pontos. Composta por três professores, a banca será responsável pela atribuição da nota final ao participante. O máximo é de mil pontos e a nota final será a média aritmética das notas atribuídas pelos avaliadores.

Na correção da redação, cinco competências são avaliadas: domínio da língua portuguesa; compreensão do tema proposto; capacidade de selecionar e organizar ideias; conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação; elaboração de proposta para o problema abordado.

Na hipótese de a nota do primeiro corretor ser de 640 pontos e a do segundo, 480 — diferença inferior a 200 pontos —, a nota final da redação desse candidato será a média aritmética das duas. No entanto, caso a nota de um corretor, na competência 1, seja 160 e a de outro, 40, a redação será encaminhada ao terceiro avaliador. Se a terceira nota, nessa competência, se aproximar daquela atribuída por um dos dois corretores anteriores, não haverá necessidade da banca examinadora. A avaliação mais baixa será eliminada.

O estudante terá nota zero na redação se fugir ao tema proposto, apresentar estrutura textual que não seja a do tipo dissertativo-argumentativo, entregar folha em branco, com sete linhas ou menos, copiar os textos motivadores e reproduzir impropérios, desenhos ou palavras de desrespeito aos direitos humanos.

LEIA MAIS

– Notícias de vestibular

– Saiba tudo sobre o Enem

Continua após a publicidade
Publicidade