Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês

Errou algo na inscrição do Enem? Veja o que pode ser corrigido

Sistema do Inep permite que o candidato faça algumas correções após a finalização da inscrição, até o dia 19 de maio

Por redação Atualizado em 19 Maio 2017, 12h01 - Publicado em 16 Maio 2017, 18h49

Fez a sua inscrição no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2017, mas depois percebeu que errou no preenchimento de algum campo? O sistema do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) permite que o candidato faça algumas correções após a finalização da inscrição. Mas atenção: qualquer alteração deve ser feita até, no máximo, a próxima sexta-feira (19), às 23h59.

  • Opções que podem ser alteradas

    • Informações pessoais como RG, cor ou raça, nacionalidade, UF de nascimento (CPF, nome, nome da mãe e data de nascimento não podem ser alterados)
    • Atendimentos especializados e específicos (por condições físicas e mentais, ou para gestantes e lactantes)
    • Município de prova
    • Opção de língua estrangeira para a prova
    • Informações de contato
    • Senha

    Opções que não podem ser alteradas

    • CPF, nome, nome da mãe e data de nascimento
    • Escolaridade (Atenção: verificar caso você se enquadre na isenção para concluinte do ensino médio em escola pública)
    • Questionário socioeconômico
    • Opção da isenção de taxa (veja abaixo)
  • Isenção de taxa

    Caso não tenha feito a opção de isenção de taxa no ato da inscrição, é possível fazê-la depois. Porém, uma vez solicitada uma das opções de isenção, não é possível alterá-la. Se o sistema constatar algum erro (se, por exemplo, o candidato não estiver cadastrado no CadÚnico e tenha solicitado essa modalidade, ou se tiver pedido isenção de acordo com a Lei n° 12.799/2013 e as informações do questionário socioeconômico não forem condizentes), o sistema barrará a concessão do benefício e o estudante terá que pagar a inscrição. Clique na imagem para ampliar.

    Inep/MEC

    Veja as modalidades de isenção de taxa

    • Estudante do terceiro ano do ensino médio na rede pública.
    • Candidato que tenha cursado o ensino médio inteiro em escola pública e cuja renda familiar mensal por pessoa seja igual ou menor que um salário mínimo e meio.
    • Candidato que tenha cursado o ensino médio inteiro em escola privada com bolsa integral e cuja renda familiar mensal por pessoa seja igual ou menor que um salário mínimo e meio.
    • Candidato cuja família esteja inscrita no CadÚnico, com renda de até três salários mínimos mensais.
    • Candidato cuja família esteja inscrita no CadÚnico, com renda de até meio salário mínimo mensal por pessoa.

    Mudanças no Enem

    O exame passará a ser aplicado em dois domingos seguidos (em 2017, as provas serão em 5 e 12 de novembro). Além disso, a ordem das provas será alterada: no primeiro domingo, dia 5, serão aplicadas as provas de Linguagens, Ciências Humanas e Redação, com 5h30 de duração; no segundo domingo, dia 12, serão aplicadas as provas de Matemática e Ciências da Natureza, com 4h30 de duração. A mudança do exame para domingo normaliza a prova para os sabatistas, que tradicionalmente tinham de esperar até as 19h do sábado para iniciar a prova.

    O Enem não servirá mais para certificar o ensino médio, função que voltará a ser do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja). Com isso, o ministro Mendonça Filho acredita que haverá em torno de 1 milhão de inscritos a menos no exame. A expectativa do ministério é que 7 milhões de estudantes se inscrevam no exame para tentar ingressar em faculdades públicas ou particulares. “Estamos reforçando a DTI [Diretoria de Tecnologia da Informação] do Ministério da Educação, a área de informática, para que possa acolher o número enorme de inscrições previstas para o Enem 2017. Estamos calculando algo em torno de 7 milhões de inscritos”, ressaltou. Veja todas as mudanças aqui.

    Continua após a publicidade
    Publicidade