Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês

MPF de Pernambuco ajuíza ação para que estudantes possam recorrer a nota do Enem

Medida se assemelha a ação DPU do Ceará que pediu a suspensão das inscrições do Sisu até que todos os candidatos do Enem tivessem acesso aos espelhos de suas provas

Por da redação Atualizado em 16 Maio 2017, 14h00 - Publicado em 19 jan 2011, 14h30

O Ministério Público Federal em Pernambuco (MPF-PE) ajuizou uma ação civil pública na Justiça Federal do estado, pedindo para que os estudantes que realizaram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2010 tenham acesso ao espelho das folhas de respostas do exame. A medida também exige que o Ministério da Educação (MEC) e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) abram prazo para que os participantes possam entrar com recurso contra as notas obtidas.

Em nota, o Ministério Público informou que recebeu relatos de estudantes que diziam ter encontrado erros na correção das provas do Enem. Os candidatos também relataram que em alguns casos a nota da prova aparecia em branco, como se estivesse anulada.

Medida semelhante foi tomada ontem (18/01) pela Defensoria Pública da União no Ceará (DPU/CE), que entrou com uma ação pedindo a suspensão das inscrições do Sisu até que todos os candidatos do Enem 2010, cerca de 3,3 milhões de estudantes de todo o Brasil, tivessem acesso aos espelhos de suas provas e que a banca examinadora apresente o modelo padrão de resposta usado para a correção do exame.

De acordo com o Ministério da Educação (MEC), quando o resultado aparece em branco é porque o candidato não marcou na folha de respostas a cor do caderno de provas que recebeu. Essa era uma norma prevista no edital. O ministério informou que há cerca de 10 mil alunos que não marcaram a cor do caderno.

Inscrição do Sisu
O grande problema em não obter a nota do Enem é que somente a partir dela é possível realizar a inscrição no Sisu, programa do governo federal que seleciona estudantes para instituições federais e estaduais de ensino superior.

Continua após a publicidade

A inscrição no programa teve início no último domingo (16/01) e desde então os candidatos têm relatado diversos tipos de problemas, como páginas que não carregam e informações que apareciam trocadas ou erradas. No Twitter, os seguidores do GUIA DO ESTUDANTE postaram centenas de reclamações.

– Saiba como se inscrever no Sisu

A assessoria de imprensa do MEC disse que os problemas eram decorrentes do excesso de gente tentando acessar o site do Sisu. Por conta disso, ele saiu do ar e precisou entrar em manutenção.
Entretanto, na manhã de hoje a lentidão e os acessos de usários nas páginas de outros candidatos continuaram acontecendo. Em nota, o MEC afirmou que as informações eram visíveis, mas não podiam ser manipuladas ou alteradas.

*Com informações da Agência Brasil

LEIA TAMBÉM

– Notícias de vestibular e Enem

Continua após a publicidade
Publicidade