logo-ge

A luta da mulher negra latina e caribenha

No Brasil, o 25 de julho também celebra o dia Nacional de Tereza de Benguela. Entenda o contexto, que pode aparecer em questões e redações de vestibular

Desde 1992, o dia 25 de julho é reconhecido pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o Dia da Mulher Negra Latina e Caribenha. Naquele ano, um encontro de negras latino-americanas e caribenhas em Santo Domingos, na República Dominicana, discutiu em conjunto, pela primeira vez, pautas importantes como o combate ao machismo e o racismo, tão acentuados nesses países. Segundo a ONU, 15 dentre os 25 países com maior taxa de feminicídio no mundo são latino-americanos. O BrasilDentre esses 15, o Brasil ocupa a primeira posição. 

Mas por que a data destaca especificamente a luta da mulher negra? A interseccionalidade entre ser mulher, gênero que já sofre os efeitos de uma sociedade machista, aliada a pertencer a uma parcela da população historicamente marginalizada, coloca as mulheres negras em uma situação especialmente vulnerável. 

Segundo o IBGE, três entre quatro pessoas mais pobres no Brasil são negras. Segundo o Atlas da Violência de 2019, publicado pelo Fórum de Segurança, enquanto a taxa de feminicídio entre as mulheres não negras cresceu 1,7% entre 2007 e 2017, o crescimento foi de 60,5% entre as negras. Ao todo, elas representaram 66% de todas as mulheres assassinadas no país em 2017.

Já no mercado de trabalho, embora as mulheres de uma forma geral recebam 20,5% menos que os homens, segundo dados do IBGE, o relatório Mulheres e Trabalho, do Ipea, publicado em 2016, mostra que quando a comparação é entre as mulheres, as brancas recebem cerca de 70% a mais que as negras. Essa é também a porcentagem de mulheres brancas inseridas no mercado de trabalho que contribuem com a previdência social – entre as que se autodeclaram negras, a taxa é de apenas 44,2%. No atual contexto de crise, elas são também o grupo mais vulnerável ao desemprego.

Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra

Em reforço à comemoração já instituída pela ONU e em apoio à luta das mulheres negras brasileiras, em 2014 a presidenta Dilma Rousseff sancionou a lei  Nº 12.987, que instituiu o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra. 

Tereza de Benguela é uma personalidade histórica essencial para entender o movimento negro abolicionista. A líder quilombola viveu no século 18 e comandou o quilombo do Piolho ou Quariterê, em Mato Grosso. Ela assumiu a liderança depois da morte de seu marido, José Piolho. 

Tereza é conhecida pelo seu estrategismo e por ter criado uma forma de organização no quilombo semelhante a um parlamento, com deputados, conselheiro, reuniões e uma sede. Em 1770, a líder foi pega em uma emboscada e assassinada pelo Estado.