Clique e Assine o Passei! a partir de R$ 9,90/mês

Barroco – resumo, dicas e questão comentada

O autor Gregório de Matos, que está na lista da Fuvest, é o maior expoente dessa escola no Brasil

Por Redação Atualizado em 10 set 2019, 16h08 - Publicado em 23 set 2010, 17h30

No Brasil, o movimento tem como marco inicial a publicação do poema épico Prosopopéia, publicado em 1601 por Bento Teixeira – poeta português radicado em Pernambuco. Forte jogo de oposições e conflitos de natureza espiritual caracterizam o Barroco.

Gregório de Matos Guerra (1636-1695) é o principal autor do Barroco brasileiro. Considerado o primeiro grande lírico nacional, sua poesia é dividida em lírica, sacra e satírica.

Na lírica, Gregório apresenta a figura feminina numa oscilação entre o angelical e a tentação carnal. Na satírica, elege como alvo os políticos, os religiosos e as mulheres – por isso recebeu a alcunha de “Boca do Inferno”. Na sacra, o poeta tenta redimir-se de todos seus pecados e retrata a fragilidade humana diante da morte e da condenação eterna.


  • Como pode cair no vestibular?

    Embora os autores do Barroco brasileiro tenham inovado pouco em comparação aos europeus, eles conferiram à produção um gosto nativista e pitoresco. Essa vertente desemboca no nacionalismo romântico e tem sido explorada com freqüência pelos vestibulares.

    Vale atentar para a clara presunção de superioridade e o constrangedor preconceito de Gregório de Matos contra a mestiçagem. O tema pode aparecer em questões que relacionem o pensamento colonial a textos da época.

    A obra de Matos pode ser lembrada não só em literatura, mas também em gramática. Seus jogos de opostos utilizam processos metafóricos que se aproximam tanto do cultismo quanto do conceptismo.

    – Faça o simulado sobre Barroco

    Como já caiu no vestibular?

    1. (Fatec – SP) No colégio dos padres, Gregório de Matos escreveu:
    “Quando desembarcaste da fragata, meu dom Braço de Prata, cuidei, que a esta cidade tonta, e fátua*, mandava a Inquisição alguma estátua, vendo tão espremida salvajola* visão de palha sobre um mariola*”.
    Sorriu, e entregou o escrito a Gonçalo Ravasco.
    Gonçalo leu-o, gracejou, entregou-o ao vereador.
    O papel passou de mão em mão.
    “A difamação é o teu deus”, disseram, sorrindo.

    Continua após a publicidade

    (Ana Miranda, Boca do Inferno)

    (*fátua: tola;*salvajola: variante de “selvagem”; *mariola: velhaco)

    O trecho ilustra:

    a) a poesia erótica de Gregório de Matos, inspirada na vida nos prostíbulos da cidade da Bahia e que deu origem à alcunha do poeta, “Boca do Inferno”.
    b) a poesia lírica de Gregório de Matos, voltada para a temática filosófica, em linguagem marcada pelos recursos da estética barroca.
    c) a poesia satírica de Gregório de Matos, dedicada à descrição fiel da sociedade da época, utilizando recursos expressivos característicos do barroco português.
    d) a poesia erótica de Gregório de Matos, caracterizada pela crítica aos comportamentos e às autoridades baianas da época colonial.
    e) a poesia satírica de Gregório de Matos, que representa, no conjunto de sua obra, uma fuga aos moldes barrocos e ataca, no linguajar baiano da época, costumes e personalidades.

    GABARITO
    1. Resposta correta: E
    Comentário:
    A produção satírica de Gregório, além da alcunha de “Boca do Inferno”, valeu-lhe o degredo por estar em desacordo com o ideário Barroco.

    SAIBA MAIS

    – Conheça o Guia do Estudante Português Vestibular+Enem ou compre a publicação direto na Loja Abril

    – Veja outros resumos de estilos literários

    Continua após a publicidade
    Publicidade