Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês

Com Rio de Janeiro, pelo menos 6 cidades já proíbem 'pulseiras do sexo?

Acessórios que viraram febre entre adolescentes são acusados de estimular onda de crimes sexuais

Por Redação Atualizado em 16 Maio 2017, 13h27 - Publicado em 15 abr 2010, 16h58

da redação

Cores das pulseiras do sexo têm conotações sexuais; Foto: Getty Images
Veja também
Crianças usavam sem saber significado
Vote: tem de proibir?
Discuta: as pulseiras são inocentes ou prejudiciais?
Teste: você é tolerante?

As coloridas ‘pulseira do sexo’ entraram na lista negra de mais uma cidade brasileira. Nesta quinta-feira (15), foi a vez de a prefeitura do Rio de Janeiro proibir os penduricalhos nos pulsos dos estudantes de suas escolas municipais.

Com a decisão, pelo menos sete cidades brasileiras já têm alguma restrição aos acessórios. Eles têm sido apontados como o estopim de uma série de crimes sexuais contra menores em diversas partes do país.

No Sul do país, as cidades de Maringá (PR) e Navegantes (SC) proibiram o uso das pulseiras nas escolas no começo de março. A medida foi adotada também em Campo Grande e Dourados (ambas em MS), onde a proibição se estende também às escolas particulares.

A febre das pulseiras nasceu na Europa e desembarcou por aqui no fim de 2009. Cada cor representaria um ato de conotação erótica – uma versão mais ‘ousada’ da salada mista: quem arrebenta a pulseira roxa tem direito a beijo de língua; a preta daria direito a uma relação sexual.

Assustada com o estupro de uma menina de 13 anos que possivelmente usava o apetrecho, a cidade de Londrina (PR) proibiu a venda, o uso das pulseiras coloridas para menores de 18 anos. Estudante encontrada morta com as pulseiras no braço em Manaus (AM) levou a cidade também a adotar lei semelhante.

Em Santa Catarina, a empreitada contras as pulseiras de silicone vão além: tramita na Assembléia Legislativa projeto de lei que proíbe a venda das pulseiras em todas as lojas do Estado.

LEIA MAIS
– Notícias de vestibular
– Notícias de Enem

Continua após a publicidade
Publicidade