Clique e Assine a partir de R$ 20,90/mês

Enade tem mais 43 questões anuladas

Junto com as outras 11 canceladas em 2009, ao todo 7% das perguntas foram desconsideradas

Por Redação Atualizado em 16 Maio 2017, 13h43 - Publicado em 6 jan 2010, 11h35

A nuvem negra que pairou sobre o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) em 2009 ainda não se dissipou com a chegada de 2010. Depois de todos os problemas que teve com o novo Enem no ano passado, agora foi a vez do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) trazer mais dor de cabeça ao órgão.

Especialistas indicados pelo instituto para avaliar a prova decidiram anular 43 questões do exame, incluindo algumas discursivas. Como outras 11 perguntas aplicadas aos cursos de comunicação social já haviam sido anuladas, agora são ao todo 54 questões desconsideradas, 7% do total de 745 perguntas distribuídas em 27 provas, número recorde de todas as edições da prova. Os candidatos ganharão pontos pelas questões, que contarão como acertadas para todos os alunos.

Os motivos dos cancelamentos das questões variam entre respostas ambíguas ou incorretas, enunciados incompletos ou mal formulados, ou ainda questões que, segundo os especialistas, não cumpriam as diretrizes estabelecidas. A elaboração das questões ficou por conta da Consulplan, vencedora da licitação aberta para a formulação do exame. De acordo com o presidente do Inep, Joaquim José Soares Neto, funcionários do instituto devem analisar cada questão anulada para então decidir as medidas que serão tomadas.

POLÊMICA

Entre as 11 questões de comunicação social anuladas no ano passado, a que causou mais discussão foi a que pedia aos estudantes que avaliassem as críticas feitas ao presidente Lula por conta do comentário de que a crise econômica mundial seria um “marolinha” no Brasil. Antes de ir à pergunta, o enunciado dizia: “vários veículos da mídia criticaram a fala presidencial. Agora é a imprensa internacional que lembra e confirma a previsão de Lula”.

As possíveis respostas à questão, que pedia uma avaliação dos críticos do presidente, eram "atitude preconceituosa", "irresponsabilidade", "livre exercício da crítica", "manipulação política da mídia" ou "prejulgamento". A justificativa dada pelo Inep para a anulação da pergunta foi “problemas na formulação”.

O Enade – antigo Provão – é aplicado a cada três anos a um grupo de cursos superiores e obrigatório para os ingressantes e concluintes das carreiras selecionadas para avaliação. Conta com 40 questões, sendo 30 delas específicas para cada grupo. A edição de 2009, que aconteceu no dia 8 de novembro, foi direcionada a 15 áreas de graduação e sete cursos superiores tecnológicos, com foco nas carreiras de humanidades.

– Leia mais notícias de Vestibular

Continua após a publicidade
Publicidade